50 Segredos dos Milionários

milionários

1.Todos temos de pensar um bocadinho mais como os economistas (sim, é verdade!) e comportar‑nos de uma forma um pouco mais utilitarista reconhecendo os factos. Infelizmente, há muito tempo tirei o cinzento curso de Economia e não consigo libertar‑me completamente da minha formação, mas estou profundamente convicto de que esta proporciona uma visão mais clara do mundo, tal como qualquer outra ciência ou ciência social. Este tipo de formação obriga‑nos a quantificar o que «existe», a atribuir um número às coisas e a pensar na utilidade e no valor desse número.

2. Devemos parar todos para pensar um pouco, deixarmos de nos comportar impulsivamente e começar a planear os nossos passos. Mantendo‑nos fiéis à minha abordagem utilitarista, devemos reconhecer que estamos muito longe de sermos seres racionais e que somos atormentados por fobias, paixões e receios que têm de ser compreendidos, dominados o mais possível e, depois, utilizados para nos ajudar a acumular energia e entusiasmo para as coisas que realmente nos interessam. No entanto, a preparação do futuro exige um plano, e elaborar um plano obriga‑nos, inevitavelmente, a parar, a pensar, a escrever (no papel ou no computador) e a deixar de fazer as coisas impulsivamente.

3. Por último, mas de modo nenhum menos importante, devemos analisar a nossa situação financeira de uma forma objetiva porque a acumulação de riqueza tem, na realidade, a ver com números concretos e com dinheiro. Temos de pensar no nosso futuro da mesma forma que os gestores de uma empresa pensariam no destino da mesma. Se quisessem ser bem‑sucedidos por exemplo na década seguinte, teriam de planear, racionalizar, analisar os pontos fortes e as fraquezas da sua empresa e, por fim, pensarem no que ela é, ou seja, no que representa.

Saiba mais sobre o livro aqui.