Da defesa à entrega

Quando nos deparamos com uma situação de desconforto, a nossa tendência é fugir dela. Ninguém quer sofrer, parece óbvio! Se a presença de alguém nos cria mal-estar, a escolha mais comum é evitar cruzarmo-nos com essa pessoa. No entanto, nem sempre é fácil livrar-nos de quem consideramos ser a causa do nosso desânimo, pelo que nos sentimos condenados a ter de aguentar: é o caso de um familiar, de um colega, ou até de alguém que faz parte do nosso dia-a-dia. O mais paradoxal, e que tentarei explicar de seguida, é que se por um lado evitar a pessoa em questão ou tentar ignorá-la não resolve o nosso conflito interno, por outro, afastá-la faz com que a vida nos proporcione outros encontros que nos provocam desafios muito semelhantes.

Fica então o grande dilema: ‘como fazer para sair deste labirinto?’Pensamos que a saída nos distancia do sofrimento, mas outra grande aparente contradição ensina-nos que esse só se dissolve quando nos entregamos à experiência de viver o que tanto tememos. Sofremos mais pelo esforço de evitar que a chamada ‘cena temida’ se concretize do que por nos entregarmos à sua vivência, pois com esta vem a desmistificação do medo e, sobretudo, a possibilidade de sentirmos alegria e leveza.

Um dia fui fazer uma aula de Stand Up Paddle. Nunca me tinha colocado em cima de uma prancha no mar. Estava com uns nervos miudinhos que me proporcionavam um misto de receio – não sei do quê! – com entusiasmo. Embora saiba que muitos medos têm origens inconscientes e, portanto, são racionalmente inexplicáveis, questionava-me acerca do porquê daquela sensação de apreensão: o mar estava calmo, eu estava devidamente equipada e bem acompanhada, pelo que a causa permanecia desconhecida. Depois de ter entrado na água, o instrutor diz-me: ‘Vá Rossana, agora põe-te de pé’.

A medo, lá fiz o que me mandou. Consegui pôr-me de pé. ‘Vá, agora anda!’. ´Tenho medo!’ Gritava eu a rir-me, pois tinha noção do ridículo da situação. Perante aquela resposta, surgiu-lhe a mesma pergunta que já me tinha surgido a mim: ‘Mas tens medo de quê?’. Já nem ia ao porquê! E eu, completamente mergulhada naquela confusão emocional, respondi sem pensar ‘Tenho medo de cair!’. O comentário dele foi exatamente o que eu precisava de ouvir naquele momento: ‘Então cai para veres o que é que te acontece’. Em plena consciência da minha decisão, mas sem consciência nenhuma do resultado em termos de variação psicológica, abandonei o meu corpo e entreguei-me à sensação da queda na água. Uau! Até foi bom!

Libertei-me da tensão e comecei a conseguir finalmente desfrutar daquela aventura no mar, descontraída e focada no prazer dos pormenores mais hilariantes e inesperados. Mas isto só foi possível porque o meu medo se dissolveu no momento em que escolhi entregar-me à vivência da ‘cena temida’ com consciência, pois quando somos apanhados de surpresa, nem sempre temos a mesma sorte.

Em situações onde somos apanhados desprevenidos e nos sentimos em perigo, temos três reações instintivas: a fuga, o ataque ou o congelamento – isto é comum em todos os animais. Instintivamente fugimos quando sentimos não ter capacidade para derrubar o perigo iminente: se nos aparece um leão à frente, é mais natural desatar a correr do que tentar matá-lo –  a não ser que tenhamos armas e competências para isso, então nesse caso eventualmente atacamos para nossa defesa. Na terceira hipótese, dependendo da pessoa e do contexto, a tensão provocada pode ser tão grande que a reação não leva nem à fuga nem ao ataque, mas sim à paralisação.

Estas três possibilidades não são determinadas por um pensamento racional acerca de qual a melhor opção. Tudo acontece em frações de segundo. Ao pensar numa situação de ameaça à nossa sobrevivência, podemos ter uma ideia de como reagiríamos, mas só passando por ela é que sabemos.

Os exemplos acima descritos falam de sobrevivência física, mas servem-nos para fazer uma analogia com a sobrevivência psicológica, pois o mecanismo interno da nossa psique é o mesmo: há situações que põem em perigo a nossa estrutura psicológica, o nosso equilíbrio emocional, e as respostas são exatamente as mesmas. Uma pessoa que nos desperta medo, insegurança, ou através da qual nos sentimos atacados, vamos imediatamente defender-nos assumindo uma destas três atitudes: fugimos (evitamos a pessoa, fingimo-nos indiferente ou negamos o problema), atacamos (entramos em discussões, assumindo uma atitude arrogante ou de vítima), ou paralisamos (ficamos incapazes de contactar o que sentimos ou de dizer o que pensamos).

Ao contrário de um perigo real que põe em causa a nossa sobrevivência física, ter um destes três comportamentos numa situação de desconforto psicológico reflete uma atitude defensiva e, portanto, uma rejeição à possibilidade de aprendizagem e enriquecimento através da vivência da experiência. Defender-nos do exterior implica uma recusa a nos envolvermos com ele. Se muitas vezes essa defesa ainda é necessária – não sentimos ter estrutura para tal envolvimento –, muitas outras há em que essa defesa é apenas um muro que perpetua uma perceção subjetiva de hostilidade quando, na verdade, essa hostilidade já não existe.

Enquanto que fisicamente essas reações nos podem salvar a vida, psicologicamente elas reforçam a estagnação do nosso processo evolutivo. Quando não nos sentimos preparados para dar um passo diferente na nossa caminhada, fugir, lutar ou paralisar é a única forma de nos protegermos, tal como aprendemos em criança para nos defendermos do mundo ameaçador dos adultos. Responder evitando, entrando em conflito ou congelando não é negativo, desde que usado com a plena consciência de que ainda não se consegue fazer diferente. E haverá sempre momentos, contextos e situações onde talvez nunca consigamos fazer de outra maneira. Aprender e crescer estende-se pela vida inteira! O primeiro passo é só mesmo ganharmos esta consciência: se a fuga não resolve, o conflito distancia-nos e o congelamento aprisiona. E crescer psicologicamente também é assumir que ainda não se é capaz de ir por outra direção numa situação de ameaça.

No entanto, resistir à entrega traz-nos três grandes desvantagens: o padrão repete-se, por muito que se alterem as condições exteriores (contextos e/ou pessoas); o mal-estar vai aumentando, pois rejeitar pressupõe uma insistência em não olhar para o que grita por atenção; não traz crescimento psicológico.

Partindo do princípio que a realidade exterior não muda – acreditar que sim é a ilusão da nossa visão infantil –, a única solução é conseguir alterar algo em nós que nos faça sentir e percecionar esse exterior de forma diferente para que deixe de nos ferir. Mas alterar algo em nós não implica esforço, luta, adaptação e muito menos sujeição e passividade. Isso seria desrespeitar a nossa natureza. É como ser um girassol num campo de papoilas e esforçarmo-nos por ter pétalas vermelhas para evitar as diferenças.

Quando falo em mudança não me refiro ao exterior: nem dos outros, nem nossa em termos de ações ou aparências. Não é pintar as pétalas para fingir que agora somos papoilas, nem muito menos lutar para que todas as papoilas se transformem em girassóis. Quando era miúda e tinha problemas de obesidade dizia muitas vezes a mim própria: ‘eu não quero conseguir resistir à comida, eu quero é deixar de ter vontade de comer’, pois intuía que se a mudança fosse interna e profunda, o problema desaparecia.

Por experiência pessoal e profissional só vejo um caminho que dá espaço a uma real mudança interior: o caminho da entrega e da aceitação. Para isso temos de desviar o foco da nossa atenção de fora para dentro. Já Jung dizia que quem olha para fora ilude-se, quem olha para dentro desperta. Passar do mundo da fantasia – onde queremos tudo à nossa imagem e semelhança e nos enraivecemos quando os outros não sentem nem pensam como nós – para a realidade – onde a nossa esfera de ação se cinge ao sentimos e pensamos –, é um percurso extremamente difícil, pois implica uma viragem muito grande no modo como fomos habituados a viver a realidade.

Quando focamos a nossa atenção no exterior e nos revoltamos com o que vemos, isto acontece porque o fazemos através do filtro do nosso self infantil que exige tudo à sua maneira. Mesmo a classificação do que é (in)correto parte de uma escala de valores e crenças que não contempla divergências. Consideramos que a nossa leitura do mundo é a mais adequada e quem nos apresenta outras perspetivas é facilmente alvo de julgamento e exclusão do nosso espaço psíquico. Ora, o sofrimento advém precisamente da dificuldade em respeitarmos as diferenças e de aceitarmos a realidade (interior e exterior) pelo que é. É a luta por um mundo (interior e exterior) como o idealizamos que nos traz sofrimento e, com ele, vem a frustração e a desilusão. E claro, só se desilude quem se ilude; só se frustra quem cria expectativas.

entregaDe um ponto de vista social, há inúmeras situações que provocam em nós uma vontade de progresso, de desenvolvimento, e felizmente há pessoas capazes de intervir com vista a um mundo melhor. Claro que em contexto social há que olhar para fora, para o que nos rodeia, e fazer o que está ao nosso alcance para introduzir mudanças no que consideramos que não funciona adequadamente. No entanto, e porque somos pessoas com uma estrutura psicológica individual, só conseguimos contribuir adequadamente para um todo mais saudável quando individualmente temos uma estrutura psicológica igualmente saudável. Há uma sinergia entre o indivíduo e a sociedade impossível de quebrar, mas sabemos que a nossa contribuição para um mundo melhor, para relações mais nutridoras e enriquecedoras, reflete a nossa disponibilidade em acolher o que vem de fora como oportunidade de crescimento individual e não como como ataque à nossa identidade pessoal.

Falando então de um ponto de vista estritamente psicológico, de bem-estar individual, a possibilidade de transmutar o sofrimento em crescimento ganha espaço através de um olhar amorosamente curioso para as nossas dinâmicas internas, de uma aceitação dos conteúdos que fazem parte de nós – medos e desejos, inseguranças e necessidades, fragilidades e potencialidades –, de uma entrega a viver o que o exterior nos traz sem certezas do resultado, mas com a certeza de que não morremos interiormente.

É importante assumir a impermanência da vida, com a confiança de que, aconteça o que acontecer, não só a nossa estrutura interna sobrevive como pode ser fortalecida pelas aprendizagens que o caminho nos proporciona. Mas só as conseguimos fazer se nos entregarmos à exploração e descoberta do nosso mundo interior, estimulado por um exterior que muitas vezes sentimos como uma ameaça. Ao nos permitirmos olhar para a ameaça como uma oportunidade, abandonamos o esforço que fazemos para evitar a ‘cena temida’, baixamos as defesas, e entregamo-nos à riqueza da experiência.

Fica então aqui a minha sugestão: atiremo-nos às águas da vida com consciência, em contacto com o que sentimos e olhemos para o que acontece com abertura, pois enquanto não o fizermos vamos viver na tensão da fuga, do ataque ou do congelamento quando a vida pode ser bem mais serena e divertida!