Ser mulher

Como mulheres fomos educadas a procurar o que nos completa e a descobrir o amor por intermédio dos outros. Há 50 anos diziam-nos que só um marido e filhos nos complementariam e era a única opção de vida.

Sente o peso da autocrítica e da insegurança?  Talvez tenha a crença que não é suficientemente boa e consequentemente tenha passado a vida à procura de valor fora de si.

Para percebermos o que é autêntico para nós é importante questionarmo-nos sobre as nossas crenças, a nossa história. Aquilo que dizemos a nós próprias e que nos diminuem, culpabilizam, limitam ou nos causam angústia.

 É tempo de desistir de tentar ser  a mulher que julga que deve ser, para ser quem é de fato.

Preparada?

O primeiro passo é comprometer-se consigo própria. Conhecer-se em cada momento da sua vida, através dos seus olhos e não os dos outros.

Quando condicionamos o nosso comportamento com base no exterior, avaliamos o nosso valor com base na aceitação por parte dos outros. Dizer que sim quando na verdade queremos responder o oposto, alimentar uma relação que não nos traz nada de positivo, acreditar em pensamentos que nos esgotam a energia e o entusiasmo, ou ingerir alimentos que o nosso corpo não aprecia.

Comprometer-se consigo própria só é possível quando estiver disposta a libertar-se do passado e de qualquer pensamento de que “devia” ser diferente do que é neste momento.

Abandone o Antigo e adote o Novo
  • Em que aspetos é que ainda está presa aos velhos reflexos do poder?;
  • Em que medida os seus julgamentos e os seus receios estão presos às velhas crenças e velhos modelos?;
  • Parece-lhe que a sua autoestima assenta no seu aspeto físico e na aceitação e valorização dos outros?
  • Analisa o seu valor com base na forma como se ocupa dos outros em detrimento de si própria?

Quando abandona a imagem do que gostaria de ser, readquire o seu poder de ser única, autêntica e fiel a si própria.

Saiba mais no livro de Heatherash Amara, aqui.