Hambúrgueres do Mar com batata-doce assada e molho de abacate

Na minha modesta opinião, o hambúrguer é o prato mais transversal que existe. Idade, extrato social, cultura ou religião, ponha o dedo no ar quem ainda não experimentou. Gostar já é outra coisa. Na verdade, é difícil resistir. E felizmente, hoje em dia, as ofertas na opção de slow chegam a ser mais do que as ofertas na versão tradicional de fast. Assim de repente, consigo lembrar-me apenas de dois locais fast e de cinco locais onde este prato é confecionado com produtos de primeira, com bastante variedade e cujos preços, comparativamente, até são bastante simpáticos.

No que diz respeito ao produto base do hambúrguer: a carne. Não vou dizer que a carne é melhor do que o peixe ou que os vegetais são mais saudáveis do que estes dois. Acima de tudo há que respeitar as opções alimentares de cada um, seja por uma questão de saúde ou ética ou, como no meu caso, em que é mesmo por gosto. Sou assumidamente uma veggie lover. Mas como de tudo. Os vegetais é que estão no meu TOP. Depois vem o peixe. E depois, muito depois, vem a carne. Equilíbrio. O segredo é o equilíbrio.

Sou mais “fundamentalista” no que diz respeito à questão de que mais vale comer um belo bife a comer as alternativas vegetarianas que são servidas em muitos restaurantes ou que são vendidas nas superfícies comerciais. Basta olhar, com olhos de ver, para os rótulos. Assustador!!!

Ultrapassado este meu momento dedicado à indignação vamos falar da receita que hoje proponho. Não é novidade. Ainda bem. Mas muitos não sabem como pôr as mãos na massa.

O hambúrguer é um prato super simples de confecionar em casa e até não fica nada caro. Neste caso, vamos fugir à tradicional carne e vamos fazer de peixe. Até há uns tempos se falassem de hambúrguer de peixe muitos torceriam o nariz, contudo, e felizmente, é um prato a que já nos habituámos a ver nas ementas. Como fazer? Fácil… fácil.

 

Hambúrgueres do Mar com batata-doce assada e molho de abacate

Hambúrgueres do Mar

(4 unidades)

  • 4 (+/- 100g/cada) lombos/postas de salmão
  • 200g miolo de camarão (20/30 é o ideal)
  • 200g de tiras de pota
  • 4 cl. sopa chalota picada (pode usar também cebola)
  • 4 dentes de alho picados
  • 2 cl. sopa de cebolinho picado (preferência fresco)
  • 1 cl. sopa de sumo de limão
  • 2 cl. sopa azeite
  • Sal (a gosto)
  • Pimenta (a gosto)

Preparar o salmão. Importantíssimo! Verificar a ausência de pele e espinhas. Numa tábua e com uma faca bem afiada, picar bem miudinho os lombos ou postas. Picar igualmente as tiras de pota. O camarão não picar tanto. Corte apenas cada camarão, por exemplo, em 3 partes. É como nos rissóis, gostamos sempre de encontrar vestígios.

Numa taça grande juntar o salmão, a pota e o camarão. Misturar bem. Mãos, se necessário… sem medos! Depois, juntar a cebola, o alho e o cebolinho picados. O sumo de limão e o azeite. Temperar com sal e a pimenta moída no momento. Novamente, misturar.

Tapar a taça com película aderente e levar uns minutos ao frigorífico, 30/40 minutos.

Pré-aquecer o forno a 200º. Forrar um tabuleiro com papel vegetal e pincelar com azeite. Retirar o preparado do frigorífico. Dividir por unidades. Fazer bolas e achatar um pouco (formato de hambúrgueres). Dispor no tabuleiro e pincelar cada um com um pouco de azeite (cuidado com os exageros). Regular o forno para o grill e baixar um pouco a temperatura para 180º  (aqui depende do forno de cada um). Virar quando necessário. Objetivo: ficar cozinhado no interior, sem deixar secar muito, e com uma ligeira capa tostada, muito ligeira, no exterior.

Retirar e servir. Como se trata de um hambúrguer, para muitos o pão é indispensável, mas aqui não me meto e deixo ao critério e gosto de cada um. Pessoalmente, gosto servido apenas por cima de uma fatia de pão rústico.

Dica: Congelar. Retirar o preparado do frigorífico. Dividir por unidades. Fazer bolas e achatar um pouco (formato de hambúrgueres). Colocar numa caixa, tendo o cuidado de separar cada hambúrguer com uma folha de papel vegetal. Depois, pode deixar descongelar ou levar diretamente ao forno, neste caso a uma temperatura mais baixa no início e aumentar um pouco no final.

Dica extra: O peixe escolhido é uma questão de gosto, na verdade qualquer peixe dá para fazer este prato, contudo, considere as espinhas, a pele, e a consistência do peixe. Isso pode fazer alguma diferença, mas é experimentar e testar os sabores. Aqui será interessante conjugar alguns temperos diferentes. Nomeadamente, nas ervas aromáticas. Trocar o cebolinho por salsa ou manjericão ou até mesmo por hortelã.

 

Batata-doce assada

  • Batata-doce
  • Azeite
  • Ervas de provence
  • Flor de sal
  • Pimenta

Pré-aquecer o forno nos 180º/200º. Lavar e raspar a pele mais superficial da batata. Atenção: não descascar, apenas raspar. Cortar cada batata em palitos de forma a deixar uma base com a pele. Numa taça juntar às batatas cortadas o azeite, o sal, a pimenta e as ervas de provence. Misturar bem. Dispor cuidadosamente cada palito no tabuleiro de forma a que a pele fique assente no tabuleiro. Levar ao forno a tostar. Vá controlando. Não vai demorar mais que 15 minutos. Retire um palito para verificar que está pronto. Tostadinha por fora cozida por dentro. Retirar. Salpicar um pouco com flor de sal.

 

Molho de Abacate

  • 1 Abacate grande
  • 1 Iogurte grego (ou natural)
  • 1 Dente de alho
  • Sumo de ½ lima
  • Coentros
  • Azeite
  • Flor de sal
  • Pimenta caiena

Cortar o abacate ao meio. Retirar o caroço e, com a ajuda de uma colher, retirar a polpa para dentro de um liquidificador. Juntar os restantes ingredientes: iogurte, sumo de lima, coentros, azeite, sal e pimenta. Bater tudo até ficar um creme bem macio. Retificar os sabores. Servir numa tacinha para acompanhar as batatas ou colocar por cima do hambúrguer.