A ciência por detrás de Meditação e Mindfulness

A Meditação e o Mindfulness tornaram-se moda quando celebridades começaram a revelar que estas duas práticas faziam parte da sua rotina. Meditar fazia parte de um estilo moderno, de sucesso e atual. Mas por detrás da meditação há estudos que comprovam cientificamente os seus benefícios.

Meditação é muito mais do que uma paisagem bonita, um ar sereno e desprendido. Cada sessão de meditação é sempre diferente. Depende do nosso estado de espírito, do ambiente que nos rodeia. E mesmo para quem  medita há muito tempo, há momentos em que meditar é só uns minutos de sossego, porque nesse dia, é o melhor que conseguimos. Meditar é hoje uma prática fundamental, com benefícios comprovados para o corpo e mente.

1. A meditação reduz o stress e a ansiedade

A meditação é incrivelmente eficaz na redução do stress e da ansiedade. Um estudo descobriu que as meditações reduzem significativamente o stress quando praticadas durante um período de três meses. Outro estudo revelou que a meditação reduz a densidade do tecido cerebral associado à ansiedade e preocupação. Se você deseja que seus níveis de stress diminuam, a meditação pode ser a resposta. Um estudo feito com indíviduos com distúrbios de ansiedade revelou que, após a prática de meditação durante algumas semanas, todos apresentavam uma redução significativa do seu estado de ansiedade.

2. A meditação reforça o sistema imunitário e reduz a pressão arterial

Acredite ou não, vários tipos de meditação, desde a atenção plena ao yoga, demonstraram fortalecer o sistema imunológico humano e torná-lo mais resistente a vírus e infecções. Por outro lado, estudo comprovaram que tanto a atenção plena quanto a Meditação Transcendental, reduzem a pressão arterial, melhoram a sua saúde cardiovascular e reduzem seu risco de doença cardíaca.

3. A meditação ajuda na prevenção e tratamento da depressão

De acordo com a American Psychological Association, o MBCT é um programa de 8 semanas que combina elementos de meditação e mindfulness com terapia cognitivo-comportamental. As pessoas em risco de depressão lidam com muitos pensamentos, sentimentos e crenças negativas sobre si mesmos, e isso pode levar facilmente para uma recaída depressiva. Foi realizado um estudo que concluiu que este programa ajuda a prevenir a recorrência da depressão tão efetivamente quanto a medicação antidepressiva.

4. A meditação aumenta a confiança e aceitação

Alguns estudos mostraram que a prática regular de meditação reduz significativamente os sentimentos de insatisfação corporal, vergonha e auto-estima. A meditação ajuda-nos a aumentar a nossa auto-compaixão e na apreciação do que somos. Reforçao nosso sentimento de conexão, pertença e empatia.

5. A meditação melhora a nossa disposição e reduz o cansaço

A meditação não só muda o cérebro, mas também altera a nossa percepção e sentimentos subjetivos. Um estudo descobriu que, após a prática de meditação, assistiu-se a mudanças nas áreas cerebrais ligadas ao humor e à excitação e e os participantes disseram sentir melhorias no seu bem-estar psicológico.

6. A meditação aumenta o foco e a facilidade de concentração

A investigação mostra que a meditação melhora a cognição e aumenta a sua capacidade de realizar tarefas que requerem foco. Um estudo testou diferentes tipos de meditação, incluindo Meditação Transcendental, Vipassana, Meditação Budista Tibetana, Meditação Sufi e Meditação Hindu, e descobriram que todos eles melhoram o foco em diferentes graus.
Num estudo de Harvard, os investigadores relataram que “as células cerebrais usam frequências particulares, ou ondas, para regular o fluxo de informações da mesma forma que as estações de rádio transmitem em frequências específicas. Após algumas semanas de meditação, verificou-se que os participantes mostravam mais atividade da frequência ritmo alfa. Esta frequência é particularmente ativa na camada mais externa do cérebro, chamado córtex, onde ajuda a reprimir sensações irrelevantes ou distrativas e a regular o fluxo de informações sensoriais entre regiões cerebrais.”

 

A parte mais difícil da atenção e da meditação é torná-lo um hábito diário. Já sabemos que é benéfico, mas ter a informação para essas práticas é muito diferente do que realmente se envolver nela.

Se você está curioso sobre  meditação, comprometa-se com uma prática diária. Comece com um prazo que você pode alcançar facilmente (por exemplo, 2-10 minutos por dia). Depois de praticar durante uma semana, reavalie e veja se gostaria de meditar mais (ou talvez mais curto). A prova mais poderosa de saber se estas práticas “funcionam” não é um estudo, mas uma experiência pessoal. Por isso, experimente e veja por si mesmo.