As crianças e a tecnologia

Para o melhor e para o pior, a era digital é hoje uma realidade irreversível. Numa sociedade cada vez mais dependente da tecnologia, é fundamental gerir o tempo que as nossas crianças estão em contacto com dispositivos digitais.

Hoje, acredita-se que a tecnologia e os gadgets são essenciais para o desenvolvimento de uma criança, mas até que ponto? Quanto tempo deve uma criança passar em frente de um ecrã é uma questão colocada não só por pais preocupados, mas também por psicólogos, organizações de saúde e até governos.

A forma como minimizamos os riscos e efeitos nocivos fruto de uma utilização excessiva é fundamental para conseguirmos que as crianças cresçam de forma saudável, neste contexto.

De acordo com dados do COSI Portugal 2016 (Childhood Obesity Surveillance Initiative – Iniciativa de Vigilância da Obesidade Infantil), 80% de 6.048 crianças do 1º Ciclo que participaram no estudo, passam 1 ou mais horas por dia (durante a semana)a utilizar um computador em jogos eletrónicos. Esta percentagem aumenta para 98,2% quando olhamos somente para o fim de semana. (ver estudo aqui).

Se este indicador é analisado devido ao seu impacto na atividade física e consequente obesidade infantil, a verdade é que hoje surgem cada vez mais estudos sobre outros efeitos nocivos dos dispositivos digitais, em casos de exposição excessiva. As crianças desconectam-se da vida real e se por um lado, esta desconexão é mais palpável durante a adolescência, a verdade é que é nos anos pré-escolares e 1º ciclo que estes dispositivos mais afectam o desenvolvimento motor, cognitivo, emocional e social das crianças.

Sono

O impacto da qualidade/duração do sono no crescimento e o bem-estar da criança tem sido amplamente estudado. O sono é fundamental para a saúde, desenvolvimento, cognição e comportamento da criança. Vários estudos concluíram que um sono pobre está associado a problemas comportamentais e emocionais na infância e na adolescência. A má qualidade do sono é altamente prevalecente em crianças com problemas comportamentais ou emocionais, como ansiedade, depressão ou transtorno de défice de atenção/hiperatividade (TDAH). A fraca qualidade do sono, por sua vez, também pode comprometer o funcionamento mental e físico.

Num estudo publicado em Outubro 2017 pelo Global Pediatric Health verificou-se a relação entre a utilização de dispositivos electrónicos antes de dormir e a quantidade/qualidade do sono da criança, a sua capacidade de concentração e o índice de massa corporal.

tecnologiaO estudo concluiu que há uma relação significativa entre a utilização de dispositivos electrónicos antes de dormir (ver vídeos, jogar jogos, ver televisão) e o número de horas de sono e dificuldade em adormecer. Crianças que jogavam jogos ou viam videos na hora de ir dormir, tinham maior dificuldade em adormecer e dormiam menos horas. Por outro lado, estas crianças apresentavam maior cansaço de manhã,  ou seja, a qualidade do seu sono era pior do que as crianças que não estavam expostas a dispositivos electrónicos, antes de dormir.

A luz dos dispositivos digitais é “rica em ondas curtas”, por isso tem uma maior concentração de luz azul do que a luz natural – e a luz azul afeta os níveis da melatonina hormona indutora do sono mais do que qualquer outro tipo de onda.

No estudo verificou-se que as crianças que estão mais tempo a ver televisão, jogos electrónicos, vídeos, telemóveis apresentam maior distracção.

Crianças que passam algum tempo a ler por exemplo, demonstram maior capacidade de concentração, atenção intensa e sustentada, imaginação e memória. A proliferação da televisão alterou essa atenção, com estímulos visuais intensos, atenção fragmentada e pouca necessidade de imaginação.

Desenvolvimento e Crescimento

Movimento, toque, conexão humana e ligação à natureza são factores necessários para um desenvolvimento equilibrado e saudável da criança, em termos físicos, psicológicos, emocionais e sociais. Estes estímulos sensoriais promovem o desenvolvimento adequado da postura, coordenação bilateral, auto-regulação das emoções, valências importantes para no crescimento da criança e sua adaptação à escola, por exemplo.

A estimulação tactil através do toque, abraço e jogos são fundamentais, estimulando o sistema nervoso parassimpático que controla os níveis de cortisol,  adrenalina e ansiedade.

Uma análise mais profunda mostra que, se por um lado, valências sociais, emocionais , expressão oral são menos desenvolvidos, em contraste, os dispositivos electrónicos são excessivos nos estímulos visuais e auditivos. Este desequilíbrio sensorial provoca enormes problemas no desenvolvimento neurológico, com efeitos anatómicos e químicos permanentes.

Uma criança exposta a um nível de violência desadequado para a sua idade, na televisão ou jogos, estará num estado elevado de adrenalina e stress. Embora os efeitos a longo prazo desse estado crónico de stress na criança em desenvolvimento sejam desconhecidos, sabemos que o stress crónico em adultos resulta num sistema imunológico enfraquecido e  numa variedade de doenças e distúrbios graves.

Dependência

Como outros vícios, o tempo de exposição a estes dispositivos cria alterações significativas na química do cérebro – principalmente, na libertação da dopamina. Este neurotransmissor – também conhecido como o químico do prazer – tem um papel central desde a dependência do açúcar até à da cocaína.  A dopamina é produzida quando vemos algo interessante ou novo, mas também tem uma segunda função. No entanto, a dopamina é também o neuroquímico envolvido na maioria dos vícios – é o químico da recompensa.

Em Silicon Valley, local sede de várias empresas tecnológicas,
os pais estão a criar os seus filhos, controlando a sua exposição a
este tipo de dispositivos e isto deveria ser um alerta para todos nós.

Personalidades como Steve Jobs (Apple), Bill Gates (Microsoft), Tim Cook (Apple) ou Vijay Koduri (Google), tinham já em várias entrevistas afirmado que controlam e restringem a utilização de dispositivos móveis, video jogos, acesso à internet, dos seus filhos.

No entanto, num estudo realizado em 2017 pela  Silicon Valley Community Foundation feito a  907 pais que trabalham nestas empresas tecnológicas em Silicon Valley, veio mostrar que apesar de confiarem nos benefícios destas tecnologias, muitos estão preocupados com o seu impacto no desenvolvimento psicológico e social dos seus filhos.

Vários empregados destas empresas vêem a publico criticar o foco que estas empresas têm em criar produtos tecnologócios altamente viciantes.

Estas empresas sabem que quanto mais cedo captarem as crianças e jovens
mais facilmente serão dependentes da sua plataforma
e produtos para toda a vida
Vijay Koduri

Em 2007, Bill Gates, estabeleceu um limite de tempo máximo de utilização quando a sua filha começou a desenvolver um comportamento dependente de um video jogo. Mais tarde, tornou-se política familiar não permitir que as crianças tivessem os seus próprios telefones até completarem 14 anos.

Steve Jobs, revelou numa entrevista no New York Times em 2011 que proibiu os seus filhos de usar o iPad recém-lançado na altura. “Nós limitamos a quantidade de tecnologia que nossos filhos usam em casa”.

Muitos pais do referido estudo disseram que sua melhor defesa contra o vício em tecnologia é introduzir atividades de substituição ou encontrar maneiras de usar a tecnologia de forma mais produtiva. Quando as secas da Califórnia apagaram o quintal de Koduri, ele encheu o lote com cimento e construiu um campo de basquetebol, que os seus dois filhos e amigos usam.

Quando Amy Pressman (fundadora da empresa de software  Medallia) notou que a sua filha se interessava por computadores, os dois inscreveram-se para aprender a programar juntos.

Esses pais esperam poder ensinar os seus filhos a entrar na vida adulta sabendo como usar – e, em certos casos, evitar – tecnologia.