Pessoas tóxicas: Cara ou coroa?

Vamos pensar sobre: pessoas tóxicas.

CARA

Todos nós já lemos artigos, livros ou ouvimos alguém falar sobre este tema. Pessoas tóxicas são aquelas que, de alguma forma, conseguem entrar no nosso espaço pessoal deixando-nos desconfortáveis e recorrentemente com a sensação de cansaço. Diria que, mais que entrar, essas pessoas impõem-se no nosso espaço. Têm por hábito comparar-se a outras pessoas, exagerar no relato dos seus desafios e costumam apresentar-se com uma postura negativa.

É usual encontrar como solução o afastamento. Quando se trata de indivíduos que não têm impacto diário ou regular na nossa vida esta solução é viável. E quando falamos de familiares, amigos e colegas? Aqui o desafio é maior. Não existem formulas mágicas, atalhos ou soluções fáceis. O caminho pode passar (1) pela reflexão sobre a postura da pessoa em causa e perceber se há ou não uma maneira de ajuda-la e (2) perceber que aprendizagem ou exemplo traz esta situação. (3) Parece-me ainda importante entender porque esta pessoa tem este impacto, estaremos a abrir demais o espaço pessoal ou é um tema que ressoa e é preciso trabalhá-lo?

COROA

E porque todas as moedas têm duas faces. Convido-vos a pensar no lado que não costuma ser exposto.

E eu? E tu? Seremos pessoas tóxicas? Temos comportamentos tóxicos que influenciam a vida e bem-estar de alguém? Quando foi a última vez que te colocaste neste papel?

Se existem pessoas tóxicas e queremos melhorar significativamente o nosso contexto é importante colocarmo-nos em causa. Se é simples? Não. Se é necessário? Sim.

Hoje deixo este desafio: tira 30 minutos, pensa nas pessoas que te são próximas e que convives diariamente e coloca esta pergunta: Que tipo influência tenho na vida dos outros e que exemplo quero dar?

Este exercício trará mais consciência daquilo que atrais, se estás alinhado com os teus valores e se deves adaptar o teu comportamento em algumas situações ou com pessoas especificas.

Recordando a máxima de Gandhi: sê a mudança que queres ver no mundo.

 

(este artigo rege-se pelo antigo acordo ortográfico)