O meu filho vai para o ensino superior e agora? (1ª parte)

O meu filho vai para o ensino superior e agora?

Nestes últimos meses, várias famílias têm procurado os meus serviços de coaching para ajudar os seus filhos a responder às seguintes questões: vou continuar a estudar? Que área e curso devo escolher? Como estará o mercado de trabalho quando terminar a minha formação?

É, sem dúvida, um momento fulcral e delicado, não só pelo caminho futuro a seguir como pelas sucessivas alterações nas opções académicas e de profissões.

Acredito que existem vários olhares sobre esta questão, começando por analisar a diferença entre o conceito de carreira há 10 anos atrás e actualmente. Antigamente, um dos critérios mais importante nesta escolha era a segurança do trabalho futuro, a ideia global era: tirar a formação, começar a estagiar e ser promovido ao longo dos anos, sempre no mesmo local. Hoje, muitos jovens são atraídos pelas experiências no local de trabalho e não pela segurança, logo, é natural que se imaginem em diversos locais a experimentar projectos e sensações diferentes.

Como consequência deste aspecto acredito que os perfis dos alunos se dividirão em dois: o aluno que quer aprofundar conhecimentos e prática na sua área de trabalho (p.e. investigadores) e o aluno que quer experimentar diversas áreas e funções (p.e. empreendedores). Assim sendo, consoante o seu perfil teremos duas opções principais:

Aluno especialista – seguir um percurso académico em instituições de renome com resultados extraordinários (saber-saber).

Aluno generalista – percorrer um percurso académico/ de formação onde se capacite com várias competências e ferramentas, impactando profissionalmente e no saber-ser/saber-fazer.

Segundo o Fórum Económico Mundial, estas são as 10 competências, que todos os profissionais devem desenvolver:

  1. Resolução de problemas complexos;
  2. Pensamento crítico;
  3. Criatividade;
  4. Gestão de Pessoas;
  5. Coordenação;
  6. Inteligência Emocional;
  7. Capacidade de julgamento e de tomada de decisão;
  8. Orientação para servir;
  9. Negociação;
  10. Flexibilidade cognitiva.

Qual é o meu papel enquanto responsável e como posso ajudar? Sugiro que faça uma reflexão aprofundada sobre os tópicos apresentados e partilhe as suas conclusões com o jovem em fase de transição. Pode ser um começo para introduzir as estratégias apresentadas no próximo artigo.