Publicado em

TRABALHO REMOTO, SERÁ PARA MIM?

Muito se tem falado sobre o trabalho remoto. A realidade parece mostrar-nos, que o teletrabalho veio para ficar. Mas não devemos ficar presos à ideia de que o trabalho remoto foi só uma forma provisória de resolver um problema do momento. A pandemia no início do ano de 2020, gerou regras governamentais que nos obrigaram alterações. Houve uma rápida necessidade de adotar instrumentos e metodologias para trabalhar a partir de casa. E isto abriu uma janela, que dificilmente se voltará a fechar. Compreenda que o trabalho remoto encerra em si, uma modernidade que é inegável, e um conjunto de vantagens que tanto funcionários, como entidades empregadoras irão querer aproveitar.

Nunca é demais repetir que aquilo que vivemos durante o período de pandemia, (mais concretamente o período de lockdown) , com o encerramento de escolas e de muitos outros estabelecimentos, não é verdadeiramente teletrabalho.

Estarmos em casa, com as crianças, e sem que ninguém pudesse ter acesso à sua realidade habitual, foi uma mudança muito repentina. Mais do que isso, foi uma mudança sem plano. Além do mais, foi também emocionalmente desgastante para muita gente. E por esses motivos, não foi “verdadeiro” teletrabalho.  

Na maioria das vezes que alguém me diz que não gostou da sua experiência de teletrabalho, pergunto sempre : quais as coisas de que gostou menos? 

Frequentemente, os eventos referidos são situações específicas que têm menos a ver com o teletrabalho e mais a ver com o lockdown. “Teletrabalho é muito bonito mas ter o marido o cão e os filhos , todos em casa… foi um caos. Às vezes nem sequer tínhamos computadores suficientes para todos! Era gente por toda a casa, uns na cozinha e outros na sala, outros no quarto. E entre reuniões e refeições, foi um verdadeiro caos”. 

Eu próprio quando oiço esta descrição, consigo sentir-me solidário e penso: “Sem dúvida… que inferno!” Podemos viver assim umas semanas ou até uns meses, mas ninguém quer viver uma vida organizada desta forma! Sem dúvida que concordo. Como é que podemos então fazer algo diferente? Porque a verdade é que a maioria de nós estaria muito mais confortável a fazer a sua vida usual. Seria fácil ir para o escritório onde sabemos que vamos ter as condições do costume. Mas haverá outra forma de fazer isto?

A verdade é que, se analisarmos cada uma destas coisas, todas elas estão relacionadas com uma situação específica que não deriva do teletrabalho. Ou pelo menos, do tipo de teletrabalho de que estou a falar. O trabalho remoto não tem que ser isto.

O trabalho remoto deve ser algo pensado. Planeado. Estudado por empresas e por funcionários, para que seja otimizado e funcione para ambos os lados. Só criando estas dinâmicas poderão trabalhar em conjunto para chegar ao ponto ótimo.

Em primeiro lugar, vamos tirar da frente esta equação das crianças em casa. Claro que podemos optar por ter os nossos filhos em regime de Home Schooling. Mas trabalhar remotamente não implica que as nossas crianças tenham que estar em casa. Poderão perfeitamente manter-se no seu regime normal e frequentar as aulas no estabelecimento escolar.  

Depois… vamos falar de condições: trabalhar na mesa da cozinha, com uma cadeira desconfortável, e uma luz pouco adequada, também não é trabalho remoto. Uma coisa é adaptarmos um espaço para trabalhar durante umas semanas. Porque eventualmente não tivemos oportunidade de preparar nada. Outra coisa, é tomarmos a decisão de que vamos fazer trabalho remoto e por isso vamos analisar o que precisa de ser feito para preparar esse caminho. Isto, exige preparar na nossa casa, um espaço adequado, onde possamos ter uma cadeira ergonomicamente saudável. Um cantinho com um ambiente propício a podermos concentrar-nos no que temos para fazer.

Existem uma série de passos que devem ser dados para que possamos fazer trabalho remoto com verdadeira consequência. E esses passos e essa reflexão necessária, foi o que tentámos criar no livro Teletrabalho – Princípios e Ferramentas para o trabalho remoto. Mas em primeiro lugar… para o fazermos, existe uma pergunta que devemos colocar antes:

O Trabalho Remoto é para mim?

Criei uma pequena ferramenta para ajudar a perceber se o seu perfil encaixa ou não com trabalho remoto.

Use este método para tomar a decisão se quer ou não experimentar trabalho remoto. É simples, e não exige nenhum conhecimento técnico. Pode até usar este método para tomar outras decisões na sua vida.

Preparado?

Faça a sua lista

Pegue numa folha de papel em branco e crie quatro colunas. Na primeira coluna diga o nome de coisas que fazia e pode continuar a fazer. Numa segunda coluna, escreva coisas que não podia fazer e continua sem poder fazer. Estas duas representam tudo o que se mantém e é importante registar para que isso fique claro para si. Na terceira coluna, escreva coisas que podia fazer, e deixou de poder fazer. Finalmente, na quarta coluna escreva coisas que não podia fazer e passou a poder fazer.

As primeiras duas colunas, ajudarão a tomar uma consciência sobre o que é o negócio normal. Quais são as coisas que vão manter-se e que ajudarão a ganhar perspetiva para as restantes duas colunas . A terceira coluna, sobre aquilo que podia fazer e deixa de poder fazer em teletrabalho, é a coluna onde deve escrever por cima coisas a libertar. São coisas que você deve pensar se está disponível para libertar ou se são coisas que até gostaria mesmo de libertar. Para fazer trabalho remoto, deverá estar tranquilo com a ideia de que as coisas dessa coluna, não são assim tão relevantes para si. Na quarta coluna, pode escrever algo como coisas a abraçar. Estas são as coisas que poderão começar começar a fazer parte da sua vida.

Refletir

Depois de preencher estas quatro colunas, olhe com calma para as duas últimas e faça marcações naquilo que está confortável em deixar para trás. E aquilo que lhe custa mais deixar para trás. Contraste o mesmo pensamento, ao analisar a coluna daquilo que pode introduzir na sua vida. Tanto as coisas que poderá gostar, como aquelas que poderão ser mais difíceis para si. Esta folha será um instrumento muito pragmático e que lhe permitirá quantificar o que tem a ganhar e o que tem a perder se decidir evoluir para um cenário de teletrabalho. Acima de tudo analise com calma. Dê tempo si próprio para se adaptar às ideias. Permita-se sonhar e coloque-se no lugar de alguém que já está em teletrabalho, a viver a rotina que planeia nesta folha.

Tire peso à sua decisão

No final disto, tire peso à sua decisão. Considere que até pode ser algo que decide experimentar. As decisões não são necessariamente irreversíveis. Pode sempre que pode voltar atrás para algo mais tradicional. Não tenha medo de tomar uma decisão. Experimente! Principalmente, se lhe for dado a oportunidade de experimentar durante um período de tempo. Afinal de contas, a vida é sobre isso. 

Leia mais sobre trabalho remoto no meu livro TELETRABALHO – ferramentas e princípios para trabalho remoto

Foto de Yasmina H em Unsplash

Publicado em

Sentes que não és ouvido?

A maioria das pessoas sente frequentemente que não é ouvida. Já sentiu isso no trabalho? Ou já sentiu que tem dificuldade em comunicar com pessoas que pensam de forma diferente da sua?

Com demasiada frequência as pessoas evitam conversas difíceis. Mas essas discussões geralmente precisam de acontecer para unir as pessoas e para que possam vir a ter sucesso.

Os locais de trabalho são hoje mais pluralistas. Pessoas diferentes, experiências diferentes, culturas diferentes, raças diferentes… cada vez há maior necessidade de tolerância, sensibilidade e flexibilidade. Nós podemos aproveitar essas diferenças para gerar valor. Ou perder com elas. É uma escolha.

O primeiro passo é reconhecermos que essas diferenças existem e reconhecermos quem somos nós e o nosso papel. As diferenças existem e não vale a pena querermos representar o que não somos. Saber o que somos vai ajudar-nos a saber construir uma equipa imbatível com o complemento das pessoas que são melhores do que nós a fazer o que nós somos menos bons. Reconheça rapidamente os seus pontos fracos.

Use a sua voz exclusiva para ter conversas poderosas. Tenha diálogos abertos onde assume posições claras. Não procure soluções rápidas nem procure fugir aos conflitos. E Não aceite mediocridade nem se contente com o que sabe que está errado. Encare os problemas de forma consequente e trabalhe a comunicação para resolver questões concretas. Não se perca nos intervenientes nem nos seus defeitos, perca-se no problema e nas soluções. Pense em trabalhar junto e não contra alguém. Se você está a trabalhar contra, entenda que está a gastar a sua energia nas coisas erradas.

Publicado em

Posso partilhar o que sinto ao publicar o primeiro grande livro em Portugal sobre o Bruce Lee?

Há algum tempo partilhei num blog post do site da Vida Self um artigo onde o Bruce Lee surge como recorrência a uma das minhas aprendizagens de vida. Falava nesse artigo sobre a arte de Fluir.

Desde muito pequeno que elegi o Bruce Lee como inspiração. No meu tempo a televisão eram 2 canais. RTP1 e RTP2. Quando digo “no meu tempo” quase que me sinto um velho ancião. E quando falo de 2 canais televisivos quase que imagino os risos das pessoas que me possam estar a ler e sejam mais novas que eu. De facto hoje o mundo é diferente. Não havia internet… É verdade. Eu próprio hoje tenho dificuldade em imaginar. Mas os filmes do Bruce Lee eram tesouros que surgiam em video. Em cassetes de VHS… cassetes que alugávamos no video clube do bairro. Quem é que eu estou a querer enganar… deixem-me ser mais transparente… as que eu via eram quase sempre pirateadas pelo meu vizinho do 2º esquerdo.

Ele tinha 2 vídeos e gravava de um para outro e depois todos no bairro tínhamos Sim… era assim que se gravavam coisas nesse “meu tempo”. Mas sabem que mais? Esse tempo era de acesso escasso mas tinha tanta magia… Uma das magias era as vezes sem conta que víamos os mesmos filmes. Víamos até decorarmos os trejeitos mais específicos de cada um dos personagens. As falas e os golpes que eles davam. Cada filme era um culto. Nem sempre era pela sua qualidade. Às vezes era mesmo só porque não tínhamos muitos filmes. Mas não no caso do Bruce Lee… Ele era e é um dos meus maiores ídolos de sempre.

No caso do Bruce Lee… não eram só as falas. Eram os golpes que íamos ali para o bairro da Quinta da Alagoa em Carcavelos, ensaiar e cair redondos no chão tal como cai quem está a fazer tudo com o coração inteiro. Eu sempre fui ágil e inspirado nas artes marciais. E embora pequeno… sentia-me o Bruce Lee por dentro e por fora todos esses dias da minha infância.

É-me difícil hoje saber exatamente quais dos meus amigos se sentiam como eu, por dentro. Mas eu vivia muito mais do que só os golpes fatais. As frases dele tocavam-me para lá da “gabarolice” do seu personagem. E até essa atitude me fazia sentido: a crença em si próprio, a auto-motivação, a moral e a coragem de enfrentar as injustiças. O estágio mental do seu olhar antes de entrar em batalha. Bruce Lee sempre foi um ator expressivo e comunicativo. A sua infância “arruaceira” não era totalmente preceptível nos filmes. Mas seguramente que o filósofo adulto em que ele se tornou estava evidente.

Lembro-me de me sentar a meditar, no chão do meu quarto, quando ninguém me via. Quando a meditação era uma coisa estranha e não entrava no dicionário do ocidental médio. Lembro-me de me concentrar para ganhar a força que nunca tive. Quando tentávamos partir tábuas das obras que apanhávamos do chão. Lembro-me de imitar as práticas do Bruce Lee e de tentar beber em cada palavra dele. De me mentalizar e dar o rotativo para partir a tábua fininha que era para mim uma conquista.

É importante perceber que, se hoje em dia, um ícone ou uma influência se pode manter num jovem por um ou dois anos, na altura estávamos a falar de um ícone que durou toda a minha infância e parte da minha juventude.

O Bruce Lee era como alguém que eu conhecia. Eu conversava com ele mentalmente com as minhas dúvidas e inseguranças. E ele respondia-me com aquele ser completo de força e determinação. Com inteligência. Com mente forte e corpo forte e esse casamento perfeito entre físico e intelectualidade.

Um ídolo, um modelo a seguir, um disciplinador e um crente na prática e aperfeiçoamento. Um tutor completo e confiante. Ainda hoje acho que é ele que me aconselha quando treino alguma coisa que não consigo. Mas que treino e aperfeiçoo até conseguir. Ele é a minha paciência de saber para onde vou.

Mas ele tinha ainda outra coisa que me magoava… o facto de ser alguém que eu nunca poderia conhecer. Um homem que tinha falecido alguns anos antes de eu nascer. Alguém que já trazia em si a mística de “sabedoria perdida”. Eu ainda não sabia deste livro…

Escrevo estas palavras e sinto que é para mim intenso, falar deste tema. Sinto agitação e entusiasmo quando tento trazer estas memórias para o presente. Por isso pergunto: Posso partilhar um pouco mais do que sinto ao estar a publicar este mês o primeiro grande livro no meu país sobre o Bruce Lee?

Este livro toca-me profundamente. Não quero dizer que publico algum outro livro na minha editora com leveza. Mas as origens do que fazemos bebem em inspirações diferentes. Na Self temos muitas vezes presente a frase “Powered By Inspiration” ou o “Publicamos o Que Nos Inspira”. Somos essa energia. E o Bruce Lee vibra com toda esta mesma energia que imprimimos no que fazemos.

Claro que não é por acaso. Constato uma coisa gira: Quanto mais partilho este livro em redor, mais percebo que Bruce Lee me influenciou a mim Mas também a tantos outros com quem partilhei o que estamos a fazer. É nesses dias que sentimos que afinal, este ícone do desenvolvimento pessoal influenciou mais pessoas do que pensamos.

BRUCE LEE

Quando decidi publicar este livro foi um processo lento. Há anos que tenho a ideia na cabeça. Há anos que sabia qual o livro que queria trazer para o leitor português. Que sabia a capa e a qualidade de impressão que queria colocar neste livro. O projeto foi vivendo dentro de mim… crescendo… alimentando-me e nutrindo-se a si também de todos os elementos que o compõem hoje.

Não posso dizer que não estou orgulhoso com todos os detalhes da nossa edição. A capa, o verniz, as cores, os sombreados escondidos que trabalhámos dentro da nossa equipa para criar este livro que é muito mais do que um livro. Este objeto que é uma pedra de conhecimento que concebemos para entrar na decoração de qualquer sala dos nossos leitores. Quero e espero partilhar em alguns outros artigos a profundidade do que está na sabedoria destas páginas. Hoje, a celebração é mesmo a de dar os parabéns à minha equipa por termos executado o sonho. Já não é meu nem nosso. É vosso também e espero que o acarinhem como nós o acarinhámos.

Boa leitura.

António Vilaça Pacheco , editor e founder @Self

Saiba mais sobre o livro, clicando AQUI.

Publicado em

As criptomoedas não escolhem sexo

As criptomoedas não escolhem sexo

Quando me cruzei pela primeira vez com a palavra Bitcoin, estávamos no ano de 2012. Era uma palavra desconhecida e misteriosa. Passados 6 anos, é um tema quente. Infelizmente a informação que circula tem sido tão superficial que é mais “desinformação” do que “informação”. Como consequência, muita gente torce o nariz quando ouve a palavra Bitcoin ou Criptomoeda.

Quando decidi escrever o livro Bitcoin – Tudo o que precisa de saber sobre criptomoedas foi precisamente pela enorme carência de informação nesta área.

 

  • O livro Bitcoin foi o primeiro livro em Portugal sobre criptomoedas. Esteve 6 semanas no top 10 de vendas e continua no top 10 dos livros de economia.

 

Felizmente já há muita gente a querer aprender. Já não estamos numa sociedade onde nos podemos dar ao luxo de negar uma nova tecnologia sem primeiro tentar entendê-la. E sim: A Bitcoin e as criptomoedas, são uma tecnologia (entre outras coisas). Provavelmente são a invenção tecnológica mais importante desde os anos 90, e seguramente a tecnologia que mais vai mudar a nossa vida desde o aparecimento da internet. Mas vamos por partes.

Vamos ser claros: aquilo que é comentado nos media, diz respeito à compra e venda de criptomoedas. Essa atividade tem o nome de “trading”. Mas o trading, é algo que já existia muito antes das criptomoedas nascerem. Mais de 99% dos traders do mundo, faz trading com ações e produtos financeiros emitidos pelos bancos.

 

  • O objetivo de um trader, é comprar baixo e vender alto, ganhando dinheiro com essa diferença. Dada a elevada volatilidade no valor das criptomoedas, o trading de criptomoedas tornou-se atrativo para eles.

 

Mas o trading é uma atividade especulativa e as criptomoedas não nasceram para satisfazer os traders. Pelo contrário.

Há cerca de 30 anos, com a massificação progressiva da internet nasceu aquilo que chamámos de “Aldeia Global”. De um dia para o outro o mundo ficou ao alcance de um teclado. As comunicações, a economia, os negócios, as amizades, as notícias, foram globalizadas, mas a moeda não. Passámos a poder comprar coisas em todos os países do mundo (Ebay, Amazon, Ali Baba, etc), mas cada um tem a sua moeda.

 

  • Em 2008, no meio da enorme crise financeira mundial, Satoshi Nakamoto publicava a sua tese num fórum de internet, revelando ter descoberto uma forma de resolver todos os obstáculos à criação de uma moeda eletrónica: trocável diretamente entre pessoas, sem precisar de intermediários. Baseada em criptografia e gerida de forma descentralizada.

 

Mas isto é só a moeda. Há mais… muito mais.
Blockchain: essa palavra, que anda na boca do mundo e que serve de bandeira a todas as grandes empresas mundiais para mostrar que estão a entrar na modernidade.
ICO: A Blockchain e as criptomoedas permitiram a criação de muitos outros sistemas baseados na mesma ideia. Nasceram mais de 1600 criptomoedas diferentes. E não estamos a falar de empresas de vão de escada.

 

  • As ICO são uma forma de empreendedorismo que levanta capital usando criptomoedas como forma de financiamento. As ICO são um sistema semelhante ao crowdfunding, onde os investidores podem financiar qualquer empresa com base no projeto que a empresa se propõe a realizar. Isto permite transformar cada pessoa num Venture Capitalist, retirando o intermediário e retirando as suas enormes comissões de intermediação. Bem como, dando igual oportunidade a todos, (o que antes apenas estava disponível para os grandes investidores ou bancos.)

 

Só no ano de 2017, mais de 5,3 Mil Milhões de Dólares foram levantados por Startups através de ICO’s. Seria de pensar que com a queda de valor das criptomoedas o valor fosse menor este ano. Mas até 31 de Março de 2018 foram 6,8 Mil Milhões de Dólares. Isto significa um crescimento de mais de 500% previsto para este ano. Centenas de empresas nascem todos os meses usando valências e tirando proveito daquilo que as criptomoedas e a bockchain oferecem. Diversos países já estão a tirar partido e a estudar esta nova economia. Cursos estão a ser criados nas melhores universidades do mundo.

Mas não é só no volume de empresas e valores investidos que as criptomoedas revolucionam. É também no pensamento. Confesso que é um mundo fascinante, onde existe uma oportunidade a acreditarmos que podemos reconstruir muita coisa neste mundo. Corrigir muita coisa que está errada. Tornar muita coisa mais justa e equilibrada. Distribuir o poder e a riqueza pelas pessoas.

 

  • Existem ONG’s como a UNICEF, que recebem enormes donativos em criptomoedas, cujo objetivo é conseguir-se controlar de forma clara, exatamente a aplicação desses fundos no terreno.

 

Infelizmente, tal como na grande maioria das profissões tecnológicas, existem significativamente menos mulheres do que homens neste ecossistema. Nos estudos que li até hoje, as mulheres tendem a ser mais avessas a áreas tecnológicas (onde ocupam cerca de 17% do total). O que resulta num número ainda menor quando falamos de cripto e blockchain, onde são estimadas 6% de mulheres.

Ao contrário da maioria dos setores económicos e sociais, o ecossistema das criptomoedas tem um pensamento moderno na sua origem, e uma oportunidade para reconhecer a valia que as mulheres podem representar. E por esse motivo, embora esteja ainda na sua infância, já foram criados fundos e forças de trabalho com o objetivo de motivar, difundir e criar dinâmica junto das mulheres para trazer um equilíbrio que é visto por todos como algo mais rico e saudável. Há vários casos de sucesso de mulheres fundadoras de criptomoedas e promotoras de criptomoedas. Ser mulher não é obstáculo para nada. E num mundo cheio de gente despretenciosa, ambiciosa e sonhadora, não há lugar para sexismo ou pensamentos antiquados. Ser melhor é ser mais plural. As criptomoedas não escolhem sexo. Só escolhem talento.

 

  • Katie Elizabeth (fundadora da StellaEstou fascinada por este mundo, onde podemos trabalhar no campo mais moderno da economia mundial. E o mais fascinante é que esta indústria oferece às mulheres uma nova forma de disputar a liderança sem barreiras.

 

  • O número de mulheres com criptomoedas passou de 6% em Janeiro para 13% em Junho.

 

  • A criptomoeda TEZOS, levantou 232 Milhões de Dólares na sua ICO. De 3 fundadores, 2 são mulheres.

 

  • Maria Prusakova é um valor reconhecido nas criptomoedas. É co-fundadora da Cypto PR Lab, uma “boutique” de aconselhamento legal a blochain e projetos em criptomoedas. O seu networking é altamente valorizado e faz equipa com Karpova, uma business developer de grande experiência.

 

  • Organizações como Mogul’s Woman in Crypto events e Wonam in Blockchain Foundation têm feito esforços para envolver mais mulheres no espaço “crypto”.

 

  •  “Mulheres, estejam atentas às criptomoedas. Caso contrário os homens vão ficar com toda a riqueza outra vez…” – Alexia Bonatsos Venture Capitalist.

 

  • Brit Morin, uma empreendedora de Silicon Valley organizou uma conferência para mulheres que esgotou numa hora. Mudou-se para uma sala maior (para 500 pessoas) e esgotou novamente. E dessa vez emitiu esse evento livestream na internet e teve 16.000 espetadores a assistir.

 

A melhor maneira de aumentar a participação de mulheres no negócio, é falar do excelente trabalho que algumas delas estão a fazer: Athena Capital, com a fundadora Meltem Demirors, Boost VC com a Maddie Callender como diretora de operações. Catheryne Nicholson e Elizabeth Rossiello, respetivamente da BlockCypher e da BitPesa.

Infelizmente não poderei explicar tudo o que é a Bitcoin e a Blockchain neste artigo, mas deixarei os links para poderem acompanhar e saber mais sobre o assunto.

Publicado em

O que está errado não é o valor das criptomoedas, é o nosso olhar…

criptomoedas

Um dos assuntos mais populares no ecossistema das criptomoedas, é inevitavelmente a sua cotação. Por mais que se presenciamos um esforço dos intervenientes em valorizar características mais profundas numa moeda, a grande verdade é que o seu valor continua a ser aquilo que mais mexe com os sentimentos dos investidores ou fãs de criptomoedas.
Ao percorrer a maioria dos fóruns, sites, grupos de social media, ou conversações entre pessoas que partilham o gosto pelas criptomoedas, é esse o tópico número um. É também esse o tópico que gera sempre mais conversação e polémica. Principalmente quando se começam a esgrimir os argumentos de parte a parte, sobre quais as melhores moedas do momento, e quais as que têm os dias contados.
Vamos falar de Bitcoin, porque é a moeda que tem maior historial e, porque é também a moeda que tem mais influência na cotação das outras moedas. (uma vez que ainda é a moeda de referência e as suas subidas e quedas ainda afetam significativamente a cotação das restantes.) Mas a análise feita neste artigo, estende-se à maioria das moedas. Pelo menos daquelas que têm história suficiente para serem consideradas.

Historicamente, a cotação da Bitcoin sempre foi caracterizada por uma grande volatilidade. Foi isso que atraiu os traders em primeiro lugar. Existe uma tendência de subida no longo prazo, configurando picos de valor súbitos, seguidos de quedas muito acentuadas. Isto aconteceu as vezes suficientes para que a curta memória da comunicação social, aproveitasse o momento para se referir à “grande bolha que são as criptomoedas”. Nem vou discutir o termo bolha, uma vez que consigo encontrá-lo em cada um dos segmentos da economia. Portanto, não considero que isso seja de modo algum um termo “depreciativo”. Passemos então à frente… A verdade… é que raro é o ativo financeiro, que conseguiu repetir bolhas tão grandes e tão constantes, recuperando delas com tanta facilidade. Hoje, os meios de comunicação mais informados, já conseguem entender que as bolhas de valor de Bitcoin, não significam necessariamente, que a Bitcoin em si, seja somente uma bolha. Mas também este, é outro assunto, que já não é novidade, e que já abordei no meu livro Bitcoin – Tudo o que precisa de saber sobre criptomoedas e noutros artigos. Neste momento, gostaria de falar concretamente de um outro assunto. Afinal, para lá de todas estas questões, como está a cotação hoje? Será que vai acontecer outra Bolha? Ou será que vai cair até zero e isto é só o começo de uma descida vertiginosa que não vai parar? Ou seja: Million Dollar Question: será que vamos ter outro pico de valor no final de 2018?

A maioria dos investidores, traders, e todas as pessoas interessadas por criptomoedas, aguarda ansiosamente por esse momento. Por vezes com um discurso tão profético, que mais parece uma oração. Ou um augúrio tão seguro de si próprio, que pode parecer uma daquelas verdades, que é verdade apenas até ao dia que não é… É claro que muita coisa pode correr mal nas criptomoedas. É também claro, que se algumas coisas correrem bastante mal ou demorarem demasiado tempo a acontecer, acabarão por reduzir a capacidade futura de a Bitcoin poder vir a ter valores perto dos que já atingiu. Se pensarmos apenas na Bitcoin como um investimento financeiro (e é assim que pensa muita gente que apenas releva a sua cotação) temos também que saber o que é um investimento financeiro. Os investimentos financeiros têm ciclos. Mas não são um ciclo eternamente repetido. E quando se trata de tecnologias disruptivas, todos os que investem há tempo suficiente para ter presenciado pelo menos uma outra tecnologia disruptiva, sabem que alguns ativos podem passar a valer zero. E a única coisa que depende disso pode ser apenas e só, um novo player no mercado. Aconteceu em todos os momentos da história, e poderá seguramente acontecer a muitas das criptomoedas. Ou a todas. Se olharmos apenas 18 anos para trás, podemos ver que inúmeras empresas que constituíam a promessa do futuro, hoje já nem existem. O mesmo pode acontecer a qualquer tecnologia. E para isso basta vir a seguinte.

Mas dito isto, vou fazer uma inversão sobre o tema.

É certo que no final de 2017, a escalada do valor da Bitcoin, atingiu valores nunca vistos. Apenas entre Outubro e Dezembro, subiu algo perto de 400%, e toda a gente que tinha um pé-de-meia começou a pensar que bastava apanhar a boleia para a Lua. “Up to the Moon!”, “Lambo” como tantas vezes se lê nas conversas acerca de criptomoedas.
Em finais de Dezembro (inícios de Janeiro de 2018 o valor teve a devida queda abrupta, iniciando depois descidas triangulares que a fizeram regressar a cotações (talvez) mais realistas, pelo menos tendo em consideração o seu ponto de partida.
É claro que isto arrefeceu os ímpetos de muitos investidores. Alguns dos quais deixaram de investir tão rápido que nem chegaram a investir. Uma espécie de Lucky Luke, mais rápido do que a sombra. Quando iam para comprar já foram tarde, e acabaram por refrear-se ao sentir as primeiras quedas. Ficou depois o confortável pensamento “ainda bem que não entrei… olha como está agora”…

Podíamos ficar algum tempo em volta destas ideias e do que elas realmente significam em termos de investimento. Mas gostava de fazer uma reflexão sobre aquilo que tem passado mais despercebido quando se fala de cotações.

O ambiente que vivemos é o ambiente do “não se preocupem.. isto vai melhorar… vamos aguardar, agora está mau mas não tarda nada vai subir a sério…
Então mas vamos falar de número: Já está a ser a sério! Se o que queremos é ver o valor de cotação da Bitcoin (ou outra moeda) subir, já está a ser MUITO A SÉRIO! Mais a sério do que qualquer a maioria dos ativos financeiros de wall street.

Mas vamos então ilustrar o tópico com números concretos.
Dia 24 de agosto de 2017, a Bitcoin estava cotada ao valor de $4362,47. Passado exatamente um ano, (a 24 agosto 2018), o valor da Bitcoin era de $6456,16. Quer isto dizer, que a valorização de Bitcoin no espaço de 1 ano, foi de 48%. Agora devemos olhar para este número e ver no mercado financeiro ou em qualquer outro mercado, o que significa uma valorização de 48%.
A verdade, é que para onde quer que olhemos, uma valorização de 48% é extremamente incomum, e é unanimemente considerada uma valorização incrível para qualquer fundo de investimentos, por mais bem sucedido que ele seja.
Para dar uma noção comparativa, um ativo, seja ele corpórea ou incorpóreo, que valorize acima de 10% no prazo de um ano, é sempre considerado um sucesso entre investidores. 10%, ou 12%, são geralmente os números a atingir quando se trabalha com o património financeiro. Algo acima de 15 ou 20% é um sucesso. Se temos 48% na Bitcoin, porque havemos de achar que estamos perante um mau valor atual? Apenas porque entretanto existiu um pico de $19.000? Se olharmos para o gráfico total da Bitcoin desde que ela existe, este movimento já havia acontecido. E não foi motivo para não investirmos, certo?

Para onde quer que olhemos, o valor atual da bitcoin é ótimo numa perspectiva de valorização. É certo que não se está a repetir agora, a escalada de valor que levaria alguns a nunca mais trabalharem. (Ou a comprar o Lamborghini.) Mas acho importante colocar esta mensagem a circular de forma clara. As criptomoedas não estão pela rua da amargura. E se não acontecer uma escalada súbita, é importante que continue a existir entusiasmo.
Não sou fã do entusiasmo de “basta fazer HODL que vou ficar rico. Mas sim o entusiasmo de sabermos que temos um ativo que valorizou 48% em 12 meses. Quando a alternativa de colocar este ativo num outro investimento passivo, era talvez de 1 a 3%.

E nesta altura, gostaria de voltar ao título deste artigo, para dizer que o que está errado não é o valor da Bitcoin. O que está errado, é existir uma expectativa de que as criptomoedas têm obrigatoriamente que ter frequentemente subidas de 400%. Até poderá voltar a acontecer. Diria que todos os detentores de Bitcoin ficariam extremamente agradados. O ponto é apenas a preparação para que caso não aconteça, continuemos todos muito seguros de que foi um excelente investimento. Um investimento de 48% num ano. E se quisermos chocar alguém, podemos também dizer que é um investimento com rentabilidade de cerca de 1130% em 2 anos. Já que o valor de 24 de Agosto de 2016 era cerca de $570.
Publicado em

A Bitcoin é má para o ambiente?

ambiente

A Bitcoin e o ambiente, é um tema que é abordado no livro Bitcoin – tudo sobre criptomoedas, em mais de um capítulo de forma mais explicativa. Mas vamos tentar resumir algumas ideias.

Quando foi criada a Bitcoin era possível de ser minerada por computadores portáteis, exigindo consumos de eletricidade muito baixos. Mas à medida que se adicionam recursos à rede, mais difícil fica de minerar. Este aumento de dificuldade, é o que dá segurança à rede da Bitcoin. É isto que a torna na rede mais poderosa e segura à face da terra.

O motivo pelo qual o mining se tornou numa indústria, é porque é rentável e porque a Bitcoin é tão valiosa.

Mas olhemos para o lado positivo. Esta indústria está na sua infância. À medida que o tempo passa, o normal é que os miners procurem desenvolver a sua atividade onde a eletricidade é mais barata. Afinal de contas, o mining é um negócio e a eletricidade é a sua matéria prima. Os lugares onde a eletricidade é mais barata são lugares (regra geral) com excesso de oferta energético. O que acaba por não ser assim tão pouco ecológico, mau para o ambiente e podendo inclusivamente viabilizar projetos de energia alternativa.

Outro fator que melhora o aspeto deste consumo energetico, são os estudos feitos à atividade de mining (ou mineração), que mostram frequentemente que a atividade de mining está assente neste momento em fontes de energia quase 100% renováveis. Quer isto dizer que não é o “colosso poluidor”  e inimigo do ambiente que muita gente pensa ser.

Ainda que este sistema da Bitcoin seja alvo de alguns ambientalistas que não tenham validado está informação, nunca podemos olhar para uma coisa isoladamente sem compreender qual a sua alternativa. Neste momento o sistema das moedas FIAT (euros, dólares e todas as moedas do mundo) não é propriamente ecológico. Muitos recursos energéticos são gastos em data centers, edifícios, terminais, impressoras, ramais, e muitos outros no setor bancário.

Só a reserva federal americana gasta 700 milhões por ano a imprimir notas de dólar.

O que faz da Bitcoin um alvo fácil, é o facto de ser muito fácil e direto de calcular os seus custos de funcionamento.

A bem da verdade, se juntarmos toda a pegada ecológica das notas e moedas atuais, juntando a isso o suporte dos seus sistemas de transferência, a conta será seguramente mais desfavorável.

Seja qual for o assunto, nunca se esqueça de não deixar que comparem alhos com bogalhos.

Saiba mais aqui: Bitcoin- tudo sobre criptomoedas

Publicado em

O valor da Bitcoin não é demasiado volátil para investir?

volátil

Uma das questões mais debatidas relativamente à Bitcoin é de que o seu preço é extremamente volátil.

Não há dúvida de que o preço é volátil. Mas isso acontece por bons motivos. Pela primeira vez na história existe uma moeda descentralizada, criptográfica, imutável, global, e não manipulável por bancos centrais, governos ou outras instituições. Como tal, não existe nenhum elemento artificial de estabilização para que a mesma tenha um valor estático.

A volatilidade das criptomoedas depende apenas da lei da procura e da oferta e, como tal, fruto de ser ainda um mercado relativamente pequeno, a volatilidade de entrada e saída de detentores de Bitcoin (compradores e vendedores desta criptomoeda) oscila ao sabor de um mercado pequeno. Da mesma forma que a água de um pequeno copo oscila com qualquer tremor da nossa mão e que a água de um balde inteiro já tende a oscilar menos com o tremor dessa mesma mão.

A Bitcoin, tenderá a estabilizar‐se quando a sua capitalização global (ou seja, o valor global do mercado de criptomoedas) for significativo face à capitalização das moedas com as quais compete. (Moedas Fiat como o Euro, o Dólar, o Yuan, ou mesmo o Ouro).

Explicando um pouco melhor, com a generalização da adoção da Bitcoin por mais pessoas, a Bitcoin tenderá a estabilizar o seu preço. Provavelmente estabilizando num valor muito superior ao que tem hoje.

Devemos entender que neste momento estamos na infância destas criptomoedas. Ainda existem fatores que influenciam pesadamente as variações, dado que apenas uma parte muito pequena do capital ingressou na Bitcoin. Isto faz com que esse capital seja intensamente afetado por variáveis que, com o decorrer do tempo, embora continuem a influenciar o valor, tendem a esbater o seu impacto, criando ondas de impacto cada vez menores.

A causar pressão de valorização da moeda, temos o aumento de pessoas a adquirirem Bitcoin. Dado que a Bitcoin tem uma emissão controlada e definida desde a sua criação, uma procura elevada tenderá a gerar aumento do valor da moeda.

A causar pressão de desvalorização temos o fator medo. O medo causa sempre pressão negativa nos preços dos ativos financeiros, e as declarações de muitos líderes de opinião funcionam como pressões que geram descrédito e portanto medo e desvalorização no mercado. Com esse medo dá-se a saída de “investidores” nesta moeda. O que provoca a queda do seu valor.

O que vivemos no presente, é um sentimento de incerteza. A incerteza tem sempre um efeito oscilante e, enquanto estamos nesta fase de “infância”, muita coisa é colocada em causa quando surge alguma notícia menos positiva ou alguma opinião mais conservadora.

Portanto se tem criptomoedas, tenha em conta estas dicas e não se assuste só porque o mercado oscila. As criptomoedas são voláteis por natureza. Mas isso não é necessariamente uma coisa má. Aliás, são uma oportunidade para ganhar dinheiro com essas oscilações ao fazer trading.

Publicado em

O preço da Bitcoin é muito elevado?

preço

Uma das muitas afirmações que são feitas sobre a Bitcoin é de que o seu preço ou valor é muito elevado.

Como poderíamos usar uma moeda que vale 7.000 euros? Ou 20.000 euros?

O preço unitário de uma moeda é irrelevante para a sua capacidade de troca.

Se pensarmos em termos de nomenclatura ou uso verbal, tradicionalmente esses termos são adaptados e evolutivos. Quando tínhamos o escudo, também estávamos habituados e fazer referência ao dinheiro em várias ordens de valor com termos diferentes: Centavos, Escudos, Contos.

Quando falávamos da compra de uma casa não falávamos nunca em escudos embora a moeda fosse escudos. Mas com a inflação e desvalorização do escudo, criou‐se o termo “contos” para definir cada unidade de mil escudos. Nunca isso foi uma confusão.

Quando falamos de ouro, ele também é uma unidade de troca. Mas também não nos referimos ao valor do ouro em barras de ouro nem trocamos barras de ouro inteiras cada vez que fazemos uma troca. As trocas são feitas em pequenas partes unitárias de uma referência de valor maior.

A Bitcoin, até pela sua natureza, é muito mais facilmente divisível do que uma barra de ouro. No caso da Bitcoin, até já existe uma unidade denominada de Satoshi (em honra ao seu inventor Satoshi Nakamoto) que representa uma Bitcoin dividida em 100 milhões de unidades. Imaginando que uma Bitcoin são 10.000 euros, mil satoshis são um cêntimo.

Rapidamente passamos a ter uma unidade “convertível”. Se rapidamente quisermos inventar uma nova unidade apenas para exemplo, podemos dizer que um Nakamoto seriam 10.000 satoshis. E assim tínhamos uma unidade de “conversação” exatamente proporcional ao euro hoje.

Um Nakamoto seria um Euro se assim fosse conveniente. O valor/preço de uma moeda não é a sua unidade verbal, mas sim a sua capitalização de mercado.

EQUIVALÊNCIAS ENTRE SATOSHI-EUR-BITCOIN
Satoshi
Eur
1 BTC
100000000
10000
1
100
0,01
0,000001
1000
0,1
0,00001
10000
1
0,0001

 

Publicado em

Os números surpreendentes sobre a Bitcoin

números

Actualmente, mais de 30 notícias por dia surgem nos media portugueses sobre a Bitocoin ou criptomoedas. Em 2017 “O que é a Bitcoin” foi o segundo termo mais pesquisado no Google. Estes e outros factos traduzem números surpreendentes sobre o fenómeno das Criptomoedas e da revolução que representam

Saia mais em: Bitcoin – tudo sobre criptomoedas

 

Publicado em

Bitcoin – o tema quente dos últimos tempos

bitcoin

Muito se tem falado sobre criptomoedas nos últimos meses. Ao longo dos últimos anos, o tema surge sempre com mais frequência quando existe uma valorização acentuada das criptomoedas, provocando uma consequente “corrida ao ouro” e um entusiasmo de investidores de oportunidade.

De igual modo, aumenta a frequência de notícias quando as criptomoedas sofrem uma correção acentuada, e os apóstolos da desgraça voltam a decretar o fim da Bitcoin (como tem acontecido ao longo dos últimos 9 anos da sua existência.

Mas há uma grande falta de informação do que é efetivamente a Bitcoin e as outras criptomoedas. E num mundo de polaridades, as opiniões extremistas dos que ainda não reconhecem ou não compreendem o valor das criptomoedas, levam a Bitcoin e as criptomoedas frequentemente para um território estranho, aparentando mais ser um “elemento do submundo” do que uma inovação tecnológica que permitirá alterar completamente o mundo financeiro tal como o conhecemos.

O descrédito e a desinformação são constantes, e uma das causas para isso é a falta de acesso à informação, que leva frequentemente a uma construção de opinião baseada em informação pobre e profundamente desvirtuada. Na verdade, as criptomoedas não facilitam a vida ao jornalismo e aos media, porque o entendimento das mesmas também não se consegue nos outros media internacionais de renome. (Já que também eles têm pouco estudo e pouco acesso à informação organizada relativamente a este mercado.)

O resultado desta fase, ainda com pouca informação acessível, é a criação de ideias erradas e mitos que são tratados como certezas, e geram consequentemente a desconfiança e a atitude negativa face às criptomoedas. Para tentar esclarecer alguns dos pontos mais comummente tratados de forma errada ou simplista, resolvemos começar o nosso trabalho com a publicação de alguns FAQ, que vêm desmistificar, clarificar e detalhar alguns dos “defeitos” apontados à Bitcoin e às criptomoedas.

Obviamente que nem tudo pode ser explicado de uma vez, e certos conceitos serão mais difíceis de entender para quem não souber ainda nada sobre Bitcoin. Mas felizmente continuaremos a publicar explicações sobre as temáticas de criptomoedas abordando sempre o tema de uma forma clara, explicada e acessível a todos.

bitcoinO livro Bitcoin – tudo o que precisa de saber sobre criptomoedas, será sempre o ponto de partida ideal para ficar esclarecido sobre criptomoedas.

Mas sinta-se à vontade para primeiro ler alguns dos temas do livro para avaliar o seu interesse. Leia mais aqui.