Publicado em

Já refletiu sobre o seu tema pessoal?

tema

Segundo Panache Desai, autor que tem dado que falar junto de celebridades como Deepak Chopra, Oprah, entre outras, o caminho para nos conhecermos e alcançarmos o bem estar passa por diariamente refletir sobre um dos temas chave que nos propõe. Temas como: tristeza, culpa, harmonia, transparência, gratidão ou mesmo medo e vergonha, levarão a que consigamos ter contato com a nossa verdadeira essência como seres humanos.

No seu livro À Descoberta da Sua Assinatura de Alma, Panache Desai convida-nos a reflectir sobre os temas/fatores que nos influenciam e condicionam no dia-a-dia. Cada dia do mês podemos refletir sobre um tema. O objectivo é descobrir o que somos, independentemente do que nos rodeia e dos desafios que vivemos actualmente. No final, encontramos a assinatura da nossa alma, a nossa essência. Aquilo que somos e nos faz feliz.

Saiba mais sobre o livro AQUI.

Publicado em

Você está presente na sua vida?

«Os seus filhos têm piano, futebol, aulas particulares. Você trabalha 45 horas (e mais algumas) por semana. Os seus amigos querem que você vá à festa em casa deles. Você coordena uma acção de caridade. Você cuida dos seus pais, dos seus compromissos, das suas finanças e da ida da família aos médicos. O seu carro precisa de ir à oficina. E a propósito, tem de pagar os impostos.

Onde quer que vamos, ouvimos que é hora de desligar, tomar um fôlego, e relaxar. Podemos até ouvir esse conselho. Mas a verdade é que as férias passam a voar, não temos tempo para nós e as nossas tentativas para meditar, orar ou simplesmente descansar passam para último plano. Estamos sempre a “apagar incêndios”. Nós achamos que podemos “fazer acontecer” o sucesso, o amor, a felicidade… Mas você está disposto a considerar que é esta nossa “ocupação” que nos impede de alcançar a verdadeira alegria e paz?

Você está preso no ciclo frenético de “fazer”? Constantemente ansioso, cansado fisicamente ou emocionalmente esgotada? É a sua agitada agenda a prejudicar seu desempenho no trabalho, com os seus filhos, na sua vida amorosa, nas suas amizades ou o mais importante a prejudicar a sua própria saúde e bem-estar?

Se assim for, você precisa perguntar a si mesmo: “Eu sinto-me presente na minha própria vida?” (…)

A nossa dependência da ocupação na verdade decorre do medo. Temos medo de perder algo, de sermos vistos como improdutivo, egoísta, preguiçoso, um mau pai, que não somos bons o suficiente ou, que sejamos ignorados e deixados para trás. Aqui está a verdade… Nós podemos permanecer perpetuamente em movimento para evitar os nossos sentimentos de indignidade. Se nos mantermos incrivelmente ocupados com as coisas pequenas, podemos adiar a pensar nos nossos verdadeiros problemas. A nossa “ocupação” dá-nos uma desculpa para escapar da responsabilidade de ser os nossos eus autênticos e de mudar a nossa vida.

O Divino habita em cada parte de sua experiência – até mesmo na sua ocupação. Você tem acesso a tudo o que você precisa em cada momento. Pare a corrida a confusão e a preocupação. Apenas respire. Tire um tempo para estar no momento presente a cada dia. Mesmo tarefas mundanas podem ser realizadas com plena consciência. Cozinhar o jantar com presença. Mudar a caixa de areia do gato com presença. Encher o depósito de combustível com presença. (…)

Deixe ir, esteja presente e deixe fluir a sua vida bela. Não há pressa. Você tem todo o tempo do mundo.»

Saiba mais sobre o livro AQUI .

Publicado em

Esqueça as amarguras e as lamentações

«A vida é feita de escolhas, e são elas que definem o curso do nosso destino. Cabe-nos decidir se nos limitaremos a tentar resgatar as oportunidades que deixamos escapar ou se faremos como o pescador, tentando salvar os nossos sonhos antes que caiam na água.

Na vida, nada é garantido. As únicas coisas que nos pertencem de verdade são as lições que aprendemos com as nossas vivências. Esqueça as amarguras e as lamentações, pois só servem para roubar a sua energia emocional e a sua força interior. É melhor errarmos do que queixarmo-nos, porque, quando erramos, ao menos estamos a tentar. As queixas só geram estagnação e poluição mental. Não tenha medo, erre, erre outra vez, erre as vezes que precisar, mas transforme os seus erros em experiências.

Quando passar a aceitar-se como é, com os seus tropeções, erros e conquistas, as suas lágrimas, risos e emoções, perceberá que os sonhos são o ponto de partida da caminhada rumo à realização pessoal. Servem para catalisar a coragem que estava escondida e ainda não havia sido realmente desafiada.

Como já deve ter compreendido, as dificuldades que enfrentamos na vida não são muros, mas apenas degraus. E vamos continuar a subir essa escada, ousando procurar as nossas próprias respostas.»

Saiba mais sobre o livro AQUI.

Publicado em

A criança que grita

criança

O nosso Ser não se define de forma rigorosa e inflexível. A psique é como uma peça de teatro: temos o guião (a nossa história), o encenador (a consciência) e os personagens (as várias partes que em nós coexistem). Caracterizamo-nos por uma diversificação de identidades, as chamadas subpersonalidades, que ganham vida própria segundo a cena onde se encontram. Parecemos pessoas diferentes consoante o contexto e/ou os interlocutores e, no entanto, somos sempre os mesmos. Somos os mesmos, mas a nossa interação depende do que a outra pessoa ativa em nós. Há pessoas que nos ativam partes de que gostamos e, portanto, nos fazem sentir bem, há outras que nos ativam partes mais inseguras e nos criam desconforto. Das primeiras queremo-nos aproximar, das segundas tendemo-nos a afastar, mas na verdade as relações mais enriquecedoras são aquelas que ativam o variado leque que nos constitui. Uma relação que nos traz crescimento é aquela através da qual encontramos espaço e segurança para explorar, descobrir e viver quem somos na nossa plenitude.

O crescimento físico nem sempre se faz acompanhar por um correspondente crescimento psicológico. Não é a idade nem as experiências da vida que nos fazem amadurecer, mas sim o significado que damos ao mundo exterior e interior através dessas experiências. Há pessoas que já sofreram muito, mas ainda não encontraram um significado aos seus traumas, ainda não integraram a sua dor, ainda vivem na revolta e na zanga. Vão ficando cada vez mais fechadas na crença de que viver é sofrer. Olham para determinadas possibilidades como uma inevitável reabertura de feridas anteriores, rejeitando assim uma reprogramação do sistema neurológico.

Na rejeição à experiência há uma paragem no processo de crescimento. Este implica a abertura a novas vivências que nos alterem a perceção do mundo. Porém, se essas novas vivências reforçam a nossa velha perceção, significa que continuamos a boicotar e a travar o desenvolvimento psicológico. Algo nos impede de avançar: aquela parte de nós que ainda grita por atenção – a nossa criança interior.

As situações que mais nos fazem sofrer são aquelas que tocam numa parte do nosso Self que estagnou algures no tempo. O nosso Ser não cresce todo por igual, tornamo-nos adultos em certas partes, mas não noutras. Quando sentimos o chamado ‘aperto interior’, muito provavelmente é porque a nossa parte infantil foi espicaçada e, como tal, ainda não sabe lidar com o desafio de forma serena e madura. E então grita.

Uma cliente minha com filhos e sobrinhos já independentes, sentia que a sua família não lhe prestava a atenção de que ela gostaria. Considerava que agora que já ninguém precisava dela, não a contactavam com tanta frequência, pelo que a sensação de ‘só me ligam quando precisam’ começou a ganhar cada vez mais terreno. Mais tarde descobrimos que ela se recusava a ter iniciativas para procurar os seus familiares e assim satisfazer as suas necessidades de atenção e afeto pois, a partir da visão do seu Self Infantil ferido, eram os outros que deviam ter essa preocupação e cuidar dela.

Uma necessidade psicológica básica não satisfeita em criança cria-nos um vazio interior que nos leva a um mecanismo de busca constante desse preenchimento através dos outros. Projetamos nas nossas relações mais próximas o papel do cuidador que se ausentou e que nunca mais voltará. Enquanto não ganharmos essa consciência, a busca torna-se infindável e jamais encontrará descanso. Este registo traduz-se numa luta cujo desgaste psicológico é esgotante. Todos nós temos uma parte infantil ferida que grita, mas nem todos lhe dedicamos a atenção merecida.

Uma das minhas feridas tinha a ver com o terror de ser esquecida. Esta ferida criava-me tantas ansiedades que cada vez que fazia uma viagem enviava inúmeras mensagens a quem me esperava no aeroporto para ter a certeza de que a pessoa estava lá. Após um trabalho interior sobre esta dor apercebi-me de que a minha parte infantil magoada não só gritava perante a perceção do mínimo sinal de possibilidade de esquecimento, como cegava toda a dedicação dos outros para que eu me sentisse importante e inesquecível.

É incrível como acabamos por limitar a vivência das relações no reforço da que sempre tivemos. Estamos demasiado encouraçados para ver outras perspetivas, apenas vemos aquela que potencia os nossos medos e inseguranças, provocando consequentemente os habituais padrões de comportamento defensivos. Ao interagir a partir da parte infantil ferida que ainda não integrou a dor, as nossas ações refletem exatamente as de uma criança: grita, esperneia, é incapaz de ver ou ouvir o outro, não tolera a frustração, quer tudo à sua maneira, impõe as suas necessidades e sente o mundo contra si, pois este gira unicamente à sua volta.

Uma criança que precisa de atenção, perante uma plateia de 100 pessoas onde 99 lhe dão o que ela quer, fica perdida naquela única que não lhe liga nenhuma; uma criança que tem o medo do abandono perceciona cada movimento do outro como um risco; uma criança com o receio de ser humilhada evita ao máximo situações onde possa sentir tal ameaça; e por aí fora. Cada um de nós sente e perceciona o mundo hostil a partir das subpersonalidades cujo olhar ainda não se tornou adulto. Quando assim é, esse Self Infantil utiliza os mecanismos que aprendeu para se proteger e evitar que o seu grande medo (abandono, traição, humilhação, etc.) se concretize, não entendendo que ele próprio recria a armadilha de autoboicote.

Recorro frequentemente às palavras de Jung: ‘quando olhamos para fora iludimo-nos, quando olhamos para dentro despertamos’. A valorização do mundo interior é de suma importância na medida em que é aí que se encontra a resposta para os desafios que vivemos. O exterior espelha sempre o nosso interior. Nada nos atinge as entranhas se não tiver o propósito de despertar em nós a criança que grita e necessita de atenção e cuidados para crescer. Queremos ser adultos, maduros e lidar com as situações de forma serena? Não temos alternativa. Não é o exterior que muda, é o nosso interior que aprende a lidar com as situações a nosso favor, para o nosso equilíbrio e serenidade, sem culpa, sem sofrimento, sem rancor.

E como é que se faz para nos tornamos psicologicamente adultos? Não se trata de nos adaptarmos a uma realidade exterior que nos incomoda, muito menos de nos subjugarmos a quem nos desrespeita, antes pelo contrário! O primeiro passo é pegar na situação exterior e estudar o impacto que ela tem em nós, ou seja, conseguir ir além do sentimento de ‘ofensa’ e olhar para o que nos faz sentir. O exterior é a matéria-prima de que dispomos para o autoconhecimento. Identificar, reconhecer, validar e aceitar a nossa realidade interior, sem julgamentos nem repreensões.

Ao ouvirmos a criança a gritar, responder com amor e compaixão. Ela nunca parou de gritar, mas quando se cansou de o fazer para fora através do som, começou a fazê-lo para dentro através do sofrimento. Só com amor e compaixão é que ela começa a ganhar a maturidade de novas hipóteses e de novas visões, a contemplar que há espaço para a dor, para a frustração e para as incertezas da vida. Aí abandonamos a luta e começamos a atrair situações mais adequadas para um Self Adulto responsável, autoconfiante, autoconsciente, autónomo e que sabe cuidar das suas necessidades.

Quando aprendemos a cuidar de nós e largamos a crença de que ainda temos de ser cuidados, começamos a ver no nosso caminho outro tipo de pessoas. Pessoas que nos nutrem, mas sem a expectativa de nos salvarem. Apenas olhando para a verdadeira necessidade escondida por detrás de um padrão defensivo e revoltado é que nos disponibilizamos a crescer e a desfrutar a nossa existência com mais alegria e entusiasmo.

Uma relação em crescimento é aquela que ativa o desconforto do nosso Self Infantil, pois obriga-nos a não nos esquecermos dele, mas, simultaneamente, nos dá o nutrimento necessário para não cairmos no rancor e na amargura. A criança grita, a relação nutre, mas quem cuida somos nós. E só quando aprendemos a cuidar da nossa criança interior ferida, com amor e compaixão, estaremos disponíveis para entrar em relações íntimas enriquecedoras, pautadas pela partilha da plenitude do nosso Ser e pela entreajuda no processo de crescimento, pois só conseguimos dar o que já existe em nós e só conseguimos receber o que a nossa realidade interior perceciona.

Publicado em

Smartphones e a saúde da coluna cervical

Os smartphones actualmente são uma necessidade para a maioria das pessoas e um acessório indispensável e tão utilizado no dia-a-dia. Por este motivo, os estudos que avaliam os efeitos da sua utilização excessiva têm proliferado e as conclusões têm sido bastante coincidentes.

Quando se utiliza o smartphone as pessoas têm tendência a flectir a região cervical baixa para olhar para o objecto que está numa posição mais baixa e a manter a cabeça nesta posição anteriorizada por longos períodos de tempo. Esta posição tantas vezes apelidada de “forward head posture” pode provocar elevado stress na região cervical, provocar dor miofascial, causar dores de cabeça ou alterar a curvatura cervical (Park, 2015). Por estes motivos as pessoas deverão ter a preocupação de olhar para os seus smartphones com posição neutra da coluna cervical e evitar despender tantas e tantas horas “debruçado” a olhar para o ecrã.

Rodrigo Ruivo, autor do Manual de Avaliação e Prescrição de Exercício Físico (Self)

1. Park J, Kim J, Kim J, Kim K, Kim N, Choi I, et al. The effects of heavy smartphone use on the cervical angle , pain threshold of neck muscles and depression. Adv Sci Technol Lett. 2015;91:12–7.

Publicado em

Treine o seu cérebro!

treine
Cada vez há uma maior consciência de que é tão importante exercitar o corpo como manter activa a mente. O nosso cérebro também precisa de se por em forma para obter o máximo benefício das suas qualidades e manter a saúde durante o máximo tempo possível.
Os jogos/exercícios expostos nestas páginas são uma excelente ferramenta para melhorar o rendimento cerebral. Demonstrou-se que dedicando vinte minutos ao dia a resolver este tipo de jogos, capacidades como a atenção, a memória, a agilidade mental e a concentração, melhoram. Com o treino irá melhorar a capacidade cerebral, assim como atrasar a deterioração da cognição provocada pelo passar do tempo.
A colecção Treine o Seu Cérebro está indicada para adultos de todas as idades. Ajudará os mais jovens a reforçar a agilidade cerebral e os mais velhos a manter um bom rendimento cerebral. Cada livro/caderno/edição contém cerca dequarenta e dois exercícios/jogos desenhados para activar as capacidades que os psicólogos unanimemente apontam como essenciais da inteligência: atenção, memória, linguagem, cálculo, raciocínio e estruturação espacial. Para resolver estes exercícios/jogos não são precisos grandes conhecimentos ou preparação especial. Só é necessário abrir a mente, libertar-se de ideias preconcebidas e aceitar os desafios.
O resultado será duplamente satisfatório: para além de desfrutar de um momento divertido, em pouco tempo comprovará que o seu cérebro se estimula e revitaliza.Veja aqui:

Treine o seu cérebro I

Treine o seu cérebro II

Publicado em

Lançamento do livro “Ousar Ser Feliz”, de Rossana Appolloni

Rossana

Aqui fica um pequeno video de Rossana Appolloni sobre o lançamento do livro Ousar ser Feliz, que realizámos no passado dia 13 de Novembro em Cascais.

Saiba mais sobre o livro AQUI.

Publicado em

Potenciar o seu cérebro: Supercérebro

supercérebroEntrámos numa era de ouro para a pesquisa do cérebro , mas todas essas novas descobertas chegam até nós. No entanto, há grandes descobertas que tornam possível a todos melhorarem o seu cérebro, baseando-se nestas premissas:

– O seu cérebro está a renovar-se constantemente;
– O seu cérebro pode curar as feridas do passado;
– Experiência muda o seu dia a dia;
– Os inputs que você der ao seu cérebro faz com que ele forme novas vias neurais;
– Quanto mais positivos forem os inputs, melhor funciona o seu cérebro;

No seu novo livro , Super Cérebro, Deepak Chopra e o seu co-autor, o professor Rudolf Tanzi , da Harvard Medical School, ajudam a expandir a neurociência por trás desses resultados gerais. A antiga visão do cérebro como algo estanque para a vida, perdendo neurónios e declínio das suas funções está hoje abolido. O novo cérebro é um processo, não é uma coisa , e esse processo direcciona-se para os objectivos que você estabelecer. Um monge budista meditando sobre compaixão desenvolve os circuitos do cérebro que traz a compaixão para a realidade. Dependendo do input que recebe, você pode criar um cérebro compassivo, um cérebro artístico, um cérebro sábio, ou qualquer outro tipo.

No entanto, o agente que faz com que essas possibilidades se tornem realidade, é a mente. O cérebro não cria o seu próprio destino. A parte mais recente do cérebro, o neocórtex , é onde o campo de possibilidades realmente está. Aqui é onde as decisões são tomadas. Se você considerar que a sua experiência quotidiana como input para o seu cérebro, e as suas ações e pensamentos como o output, estamos perante um ciclo. Experiências tóxicas moldam o cérebro de forma bastante diferente de experiências positivas e sãs. Isto parece ser senso comum, mas a neurociência uniu forças com a genética para revelar que até ao nível de DNA, este ciclo que envolve a mente e o corpo é profundamente alterado pelos estímulos, inputs processados pelo cérebro.»

Deepak Chopra e Rudolph E. Tanzi, co-autores do livro Supercérebro.

Saiba mais sobre o livro AQUI.