Publicado em

O que está errado não é o valor das criptomoedas, é o nosso olhar…

criptomoedas

Um dos assuntos mais populares no ecossistema das criptomoedas, é inevitavelmente a sua cotação. Por mais que se presenciamos um esforço dos intervenientes em valorizar características mais profundas numa moeda, a grande verdade é que o seu valor continua a ser aquilo que mais mexe com os sentimentos dos investidores ou fãs de criptomoedas.
Ao percorrer a maioria dos fóruns, sites, grupos de social media, ou conversações entre pessoas que partilham o gosto pelas criptomoedas, é esse o tópico número um. É também esse o tópico que gera sempre mais conversação e polémica. Principalmente quando se começam a esgrimir os argumentos de parte a parte, sobre quais as melhores moedas do momento, e quais as que têm os dias contados.
Vamos falar de Bitcoin, porque é a moeda que tem maior historial e, porque é também a moeda que tem mais influência na cotação das outras moedas. (uma vez que ainda é a moeda de referência e as suas subidas e quedas ainda afetam significativamente a cotação das restantes.) Mas a análise feita neste artigo, estende-se à maioria das moedas. Pelo menos daquelas que têm história suficiente para serem consideradas.

Historicamente, a cotação da Bitcoin sempre foi caracterizada por uma grande volatilidade. Foi isso que atraiu os traders em primeiro lugar. Existe uma tendência de subida no longo prazo, configurando picos de valor súbitos, seguidos de quedas muito acentuadas. Isto aconteceu as vezes suficientes para que a curta memória da comunicação social, aproveitasse o momento para se referir à “grande bolha que são as criptomoedas”. Nem vou discutir o termo bolha, uma vez que consigo encontrá-lo em cada um dos segmentos da economia. Portanto, não considero que isso seja de modo algum um termo “depreciativo”. Passemos então à frente… A verdade… é que raro é o ativo financeiro, que conseguiu repetir bolhas tão grandes e tão constantes, recuperando delas com tanta facilidade. Hoje, os meios de comunicação mais informados, já conseguem entender que as bolhas de valor de Bitcoin, não significam necessariamente, que a Bitcoin em si, seja somente uma bolha. Mas também este, é outro assunto, que já não é novidade, e que já abordei no meu livro Bitcoin – Tudo o que precisa de saber sobre criptomoedas e noutros artigos. Neste momento, gostaria de falar concretamente de um outro assunto. Afinal, para lá de todas estas questões, como está a cotação hoje? Será que vai acontecer outra Bolha? Ou será que vai cair até zero e isto é só o começo de uma descida vertiginosa que não vai parar? Ou seja: Million Dollar Question: será que vamos ter outro pico de valor no final de 2018?

A maioria dos investidores, traders, e todas as pessoas interessadas por criptomoedas, aguarda ansiosamente por esse momento. Por vezes com um discurso tão profético, que mais parece uma oração. Ou um augúrio tão seguro de si próprio, que pode parecer uma daquelas verdades, que é verdade apenas até ao dia que não é… É claro que muita coisa pode correr mal nas criptomoedas. É também claro, que se algumas coisas correrem bastante mal ou demorarem demasiado tempo a acontecer, acabarão por reduzir a capacidade futura de a Bitcoin poder vir a ter valores perto dos que já atingiu. Se pensarmos apenas na Bitcoin como um investimento financeiro (e é assim que pensa muita gente que apenas releva a sua cotação) temos também que saber o que é um investimento financeiro. Os investimentos financeiros têm ciclos. Mas não são um ciclo eternamente repetido. E quando se trata de tecnologias disruptivas, todos os que investem há tempo suficiente para ter presenciado pelo menos uma outra tecnologia disruptiva, sabem que alguns ativos podem passar a valer zero. E a única coisa que depende disso pode ser apenas e só, um novo player no mercado. Aconteceu em todos os momentos da história, e poderá seguramente acontecer a muitas das criptomoedas. Ou a todas. Se olharmos apenas 18 anos para trás, podemos ver que inúmeras empresas que constituíam a promessa do futuro, hoje já nem existem. O mesmo pode acontecer a qualquer tecnologia. E para isso basta vir a seguinte.

Mas dito isto, vou fazer uma inversão sobre o tema.

É certo que no final de 2017, a escalada do valor da Bitcoin, atingiu valores nunca vistos. Apenas entre Outubro e Dezembro, subiu algo perto de 400%, e toda a gente que tinha um pé-de-meia começou a pensar que bastava apanhar a boleia para a Lua. “Up to the Moon!”, “Lambo” como tantas vezes se lê nas conversas acerca de criptomoedas.
Em finais de Dezembro (inícios de Janeiro de 2018 o valor teve a devida queda abrupta, iniciando depois descidas triangulares que a fizeram regressar a cotações (talvez) mais realistas, pelo menos tendo em consideração o seu ponto de partida.
É claro que isto arrefeceu os ímpetos de muitos investidores. Alguns dos quais deixaram de investir tão rápido que nem chegaram a investir. Uma espécie de Lucky Luke, mais rápido do que a sombra. Quando iam para comprar já foram tarde, e acabaram por refrear-se ao sentir as primeiras quedas. Ficou depois o confortável pensamento “ainda bem que não entrei… olha como está agora”…

Podíamos ficar algum tempo em volta destas ideias e do que elas realmente significam em termos de investimento. Mas gostava de fazer uma reflexão sobre aquilo que tem passado mais despercebido quando se fala de cotações.

O ambiente que vivemos é o ambiente do “não se preocupem.. isto vai melhorar… vamos aguardar, agora está mau mas não tarda nada vai subir a sério…
Então mas vamos falar de número: Já está a ser a sério! Se o que queremos é ver o valor de cotação da Bitcoin (ou outra moeda) subir, já está a ser MUITO A SÉRIO! Mais a sério do que qualquer a maioria dos ativos financeiros de wall street.

Mas vamos então ilustrar o tópico com números concretos.
Dia 24 de agosto de 2017, a Bitcoin estava cotada ao valor de $4362,47. Passado exatamente um ano, (a 24 agosto 2018), o valor da Bitcoin era de $6456,16. Quer isto dizer, que a valorização de Bitcoin no espaço de 1 ano, foi de 48%. Agora devemos olhar para este número e ver no mercado financeiro ou em qualquer outro mercado, o que significa uma valorização de 48%.
A verdade, é que para onde quer que olhemos, uma valorização de 48% é extremamente incomum, e é unanimemente considerada uma valorização incrível para qualquer fundo de investimentos, por mais bem sucedido que ele seja.
Para dar uma noção comparativa, um ativo, seja ele corpórea ou incorpóreo, que valorize acima de 10% no prazo de um ano, é sempre considerado um sucesso entre investidores. 10%, ou 12%, são geralmente os números a atingir quando se trabalha com o património financeiro. Algo acima de 15 ou 20% é um sucesso. Se temos 48% na Bitcoin, porque havemos de achar que estamos perante um mau valor atual? Apenas porque entretanto existiu um pico de $19.000? Se olharmos para o gráfico total da Bitcoin desde que ela existe, este movimento já havia acontecido. E não foi motivo para não investirmos, certo?

Para onde quer que olhemos, o valor atual da bitcoin é ótimo numa perspectiva de valorização. É certo que não se está a repetir agora, a escalada de valor que levaria alguns a nunca mais trabalharem. (Ou a comprar o Lamborghini.) Mas acho importante colocar esta mensagem a circular de forma clara. As criptomoedas não estão pela rua da amargura. E se não acontecer uma escalada súbita, é importante que continue a existir entusiasmo.
Não sou fã do entusiasmo de “basta fazer HODL que vou ficar rico. Mas sim o entusiasmo de sabermos que temos um ativo que valorizou 48% em 12 meses. Quando a alternativa de colocar este ativo num outro investimento passivo, era talvez de 1 a 3%.

E nesta altura, gostaria de voltar ao título deste artigo, para dizer que o que está errado não é o valor da Bitcoin. O que está errado, é existir uma expectativa de que as criptomoedas têm obrigatoriamente que ter frequentemente subidas de 400%. Até poderá voltar a acontecer. Diria que todos os detentores de Bitcoin ficariam extremamente agradados. O ponto é apenas a preparação para que caso não aconteça, continuemos todos muito seguros de que foi um excelente investimento. Um investimento de 48% num ano. E se quisermos chocar alguém, podemos também dizer que é um investimento com rentabilidade de cerca de 1130% em 2 anos. Já que o valor de 24 de Agosto de 2016 era cerca de $570.
Publicado em

A Bitcoin é má para o ambiente?

ambiente

A Bitcoin e o ambiente, é um tema que é abordado no livro Bitcoin – tudo sobre criptomoedas, em mais de um capítulo de forma mais explicativa. Mas vamos tentar resumir algumas ideias.

Quando foi criada a Bitcoin era possível de ser minerada por computadores portáteis, exigindo consumos de eletricidade muito baixos. Mas à medida que se adicionam recursos à rede, mais difícil fica de minerar. Este aumento de dificuldade, é o que dá segurança à rede da Bitcoin. É isto que a torna na rede mais poderosa e segura à face da terra.

O motivo pelo qual o mining se tornou numa indústria, é porque é rentável e porque a Bitcoin é tão valiosa.

Mas olhemos para o lado positivo. Esta indústria está na sua infância. À medida que o tempo passa, o normal é que os miners procurem desenvolver a sua atividade onde a eletricidade é mais barata. Afinal de contas, o mining é um negócio e a eletricidade é a sua matéria prima. Os lugares onde a eletricidade é mais barata são lugares (regra geral) com excesso de oferta energético. O que acaba por não ser assim tão pouco ecológico, mau para o ambiente e podendo inclusivamente viabilizar projetos de energia alternativa.

Outro fator que melhora o aspeto deste consumo energetico, são os estudos feitos à atividade de mining (ou mineração), que mostram frequentemente que a atividade de mining está assente neste momento em fontes de energia quase 100% renováveis. Quer isto dizer que não é o “colosso poluidor”  e inimigo do ambiente que muita gente pensa ser.

Ainda que este sistema da Bitcoin seja alvo de alguns ambientalistas que não tenham validado está informação, nunca podemos olhar para uma coisa isoladamente sem compreender qual a sua alternativa. Neste momento o sistema das moedas FIAT (euros, dólares e todas as moedas do mundo) não é propriamente ecológico. Muitos recursos energéticos são gastos em data centers, edifícios, terminais, impressoras, ramais, e muitos outros no setor bancário.

Só a reserva federal americana gasta 700 milhões por ano a imprimir notas de dólar.

O que faz da Bitcoin um alvo fácil, é o facto de ser muito fácil e direto de calcular os seus custos de funcionamento.

A bem da verdade, se juntarmos toda a pegada ecológica das notas e moedas atuais, juntando a isso o suporte dos seus sistemas de transferência, a conta será seguramente mais desfavorável.

Seja qual for o assunto, nunca se esqueça de não deixar que comparem alhos com bogalhos.

Saiba mais aqui: Bitcoin- tudo sobre criptomoedas

Publicado em

Episódio 2 – Visa e criptomoedas

criptomoedas

Segundo episódio, continuamos a falar de criptomoedas, neste caso relacionando com o meio de pagamento VISA, a partir de uma notícia recente sobre o sistema de pagamento ter tido algumas falhas.

Publicado em

O preço da Bitcoin é muito elevado?

preço

Uma das muitas afirmações que são feitas sobre a Bitcoin é de que o seu preço ou valor é muito elevado.

Como poderíamos usar uma moeda que vale 7.000 euros? Ou 20.000 euros?

O preço unitário de uma moeda é irrelevante para a sua capacidade de troca.

Se pensarmos em termos de nomenclatura ou uso verbal, tradicionalmente esses termos são adaptados e evolutivos. Quando tínhamos o escudo, também estávamos habituados e fazer referência ao dinheiro em várias ordens de valor com termos diferentes: Centavos, Escudos, Contos.

Quando falávamos da compra de uma casa não falávamos nunca em escudos embora a moeda fosse escudos. Mas com a inflação e desvalorização do escudo, criou‐se o termo “contos” para definir cada unidade de mil escudos. Nunca isso foi uma confusão.

Quando falamos de ouro, ele também é uma unidade de troca. Mas também não nos referimos ao valor do ouro em barras de ouro nem trocamos barras de ouro inteiras cada vez que fazemos uma troca. As trocas são feitas em pequenas partes unitárias de uma referência de valor maior.

A Bitcoin, até pela sua natureza, é muito mais facilmente divisível do que uma barra de ouro. No caso da Bitcoin, até já existe uma unidade denominada de Satoshi (em honra ao seu inventor Satoshi Nakamoto) que representa uma Bitcoin dividida em 100 milhões de unidades. Imaginando que uma Bitcoin são 10.000 euros, mil satoshis são um cêntimo.

Rapidamente passamos a ter uma unidade “convertível”. Se rapidamente quisermos inventar uma nova unidade apenas para exemplo, podemos dizer que um Nakamoto seriam 10.000 satoshis. E assim tínhamos uma unidade de “conversação” exatamente proporcional ao euro hoje.

Um Nakamoto seria um Euro se assim fosse conveniente. O valor/preço de uma moeda não é a sua unidade verbal, mas sim a sua capitalização de mercado.

EQUIVALÊNCIAS ENTRE SATOSHI-EUR-BITCOIN
Satoshi
Eur
1 BTC
100000000
10000
1
100
0,01
0,000001
1000
0,1
0,00001
10000
1
0,0001

 

Publicado em

Os números surpreendentes sobre a Bitcoin

números

Actualmente, mais de 30 notícias por dia surgem nos media portugueses sobre a Bitocoin ou criptomoedas. Em 2017 “O que é a Bitcoin” foi o segundo termo mais pesquisado no Google. Estes e outros factos traduzem números surpreendentes sobre o fenómeno das Criptomoedas e da revolução que representam

Saia mais em: Bitcoin – tudo sobre criptomoedas

 

Publicado em

Qual o melhor manual de sempre sobre sucesso?

Talvez não saiba, mas a Bíblia é o melhor manual sobre o sucesso já escrito até hoje. A sua sabedoria milenar continua extremamente atual, indicando os caminhos para que qualquer pessoa, religiosa ou não, se possa sair bem no mercado de trabalho e na gestão de empresas. O objetivo deste livro é revelar-lhe esse conhecimento.

A eficácia destas lições já foi comprovada por muitos profissionais respeitados que declararam ter construído uma carreira vitoriosa com base nas leis, nos princípios e nos valores da Bíblia.

Não importa se é um empresário, um gerente ou um  empregado, os ensinamentos bíblicos são como chaves: funcionam para todos. Se utilizar a chave certa, poderá abrir as portas da excelência, da credibilidade e do sucesso.

Se estiver a perguntar-se porque quase não se fala dessas lições profissionais tão valiosas, a resposta é simples: em geral, a Bíblia é vista apenas como um livro religioso, por isso a maioria das pessoas faz um uso limitado dela, seguindo somente as suas orientações espirituais. E aqueles que não se interessam por religião acabam por nem sequer prestar atenção a importantes ensinamentos que poderiam mudar o rumo das suas carreiras. Estes equívocos custam caro, pois a sabedoria bíblica pode ajudar a resolver muitos dos desafios do mercado de trabalho de hoje.

Um dos homens mais ricos do mundo, o empresário Eike Batista – que assina o prefácio deste livro – ensina que o “sucesso profissional é uma meta que pode ser alcançada de diferentes maneiras. Uma parte dos resultados é consequência direta das convicções e dos valores que cada um traz dentro de si”. Ele menciona vários: disciplina, força de vontade, capacidade de crescer com as dificuldades, inteligência, criatividade, coragem, determinação e autocontrolo.

Todos estes valores, expressos na Bíblia, serão apresentados aqui. Obviamente, as Escrituras não são o único lugar onde se encontram princípios úteis para a vida, mas, quando o assunto é trabalho e carreira, é o livro que, com certeza, reúne a maior quantidade de conselhos de qualidade.

Saiba mais sobre o livro AQUI.

Publicado em

50 Segredos dos Milionários

milionários

milionários

1.Todos temos de pensar um bocadinho mais como os economistas (sim, é verdade!) e comportar‑nos de uma forma um pouco mais utilitarista reconhecendo os factos. Infelizmente, há muito tempo tirei o cinzento curso de Economia e não consigo libertar‑me completamente da minha formação, mas estou profundamente convicto de que esta proporciona uma visão mais clara do mundo, tal como qualquer outra ciência ou ciência social. Este tipo de formação obriga‑nos a quantificar o que «existe», a atribuir um número às coisas e a pensar na utilidade e no valor desse número.

2. Devemos parar todos para pensar um pouco, deixarmos de nos comportar impulsivamente e começar a planear os nossos passos. Mantendo‑nos fiéis à minha abordagem utilitarista, devemos reconhecer que estamos muito longe de sermos seres racionais e que somos atormentados por fobias, paixões e receios que têm de ser compreendidos, dominados o mais possível e, depois, utilizados para nos ajudar a acumular energia e entusiasmo para as coisas que realmente nos interessam. No entanto, a preparação do futuro exige um plano, e elaborar um plano obriga‑nos, inevitavelmente, a parar, a pensar, a escrever (no papel ou no computador) e a deixar de fazer as coisas impulsivamente.

3. Por último, mas de modo nenhum menos importante, devemos analisar a nossa situação financeira de uma forma objetiva porque a acumulação de riqueza tem, na realidade, a ver com números concretos e com dinheiro. Temos de pensar no nosso futuro da mesma forma que os gestores de uma empresa pensariam no destino da mesma. Se quisessem ser bem‑sucedidos por exemplo na década seguinte, teriam de planear, racionalizar, analisar os pontos fortes e as fraquezas da sua empresa e, por fim, pensarem no que ela é, ou seja, no que representa.

Saiba mais sobre o livro aqui.

Publicado em

“A Verdade Nua e Crua”… de Kevin O’Leary

finanças

Aquela mulher em Beacon Hill estava longe de ser pobre. Tinha meios, mas nunca aprendera a gerir as suas finanças. Tinha medo e estava sozinha. Os olhos encheram-se-lhe de lágrimas. Se estivesse a fazer-me uma proposta no Lago dos Tubarões, eu dir-lhe-ia:

— Controle-se. As lágrimas não acrescentam qualquer valor à proposta.Nos negócios, o dinheiro e as emoções não combinam. Mas aquela mulher não estava a pedir-me dinheiro. Não estava a propor-me uma ideia. Estava a pedir-me ajuda. E eu queria ajudá-la.Tentei obter mais algumas informações.— Como recebe agora o seu dinheiro? — perguntei.

— Todos os meses, o rendimento dos investimentos é depositado diretamente. E depois há outro depósito automático que me aparece na conta uma vez por mês, só não sei bem de onde vem. Uso o cartão bancário para fazer levantamentos das contas. Tenho tanta vergonha de saber tão pouco sobre as nossas finanças!

— Já falou com o seu gestor de conta?

— Já, mas não percebo nada do que ele me diz. Nunca fui muito boa com dinheiro, e era por isso que o meu marido tratava de tudo.

— E porque veio pedir-me ajuda?

— Talvez porque acredito que me dirá a verdade.

Inclinei-me para ela como se fosse dar-lhe a informação mais importante que alguma vez receberia.

— Ouça-me com muita atenção — disse-lhe. — Até que saiba exatamente qual é a sua situação financeira, até ter uma noção claríssima da sua situação monetária — dos fluxos que entram e que saem, das despesas, das poupanças, dos investimentos, de tudo, e até consultar um perito —, não pode dar dinheiro NENHUM. Nada. Nem aos netos, nem aos irmãos. Nem um tostão. Compreende?

Ela acenou com a cabeça, ainda lutando contra as lágrimas. Aquela mulher precisava que alguém de confiança lhe examinasse as contas e elaborasse um plano financeiro intuitivo que lhe fosse fácil de seguir e garantisse que o dinheiro lhe duraria até ao fim da vida. Dei-lhe o meu cartão e o número de telefone de um bom amigo que é um excelente consultor financeiro, e recomendei-lhe que se mantivesse em contacto.

Ao afastar-me, não me senti muito bem com a conversa. Estremeci ao pensar como é fácil que tudo corra mal a alguém sem qualquer sentido financeiro, mesmo que tenha dinheiro. Uma reviravolta desfavorável no mercado, um mau empréstimo, um investimento mal aconselhado e todo o dinheiro pode desaparecer. E depois, quem tomaria conta daquela mulher?

A inspiração para este livro nasceu desse momento, de uma conversa casual numa esquina com alguém que, em desespero, me pediu ajuda com as suas finanças. Apesar de as pessoas sempre me terem pedido conselhos em matéria de investimentos, nunca me considerei um perito em finanças pessoais. Mas sou perito em dinheiro. Por isso, este livro vai ser diferente dos outros livros que oferecem conselhos financeiros. Este livro não será só sobre dinheiro, mas sobre a nossa relação com o dinheiro. Sempre acreditei que, se melhorarmos a nossa relação com o dinheiro, teremos mais dinheiro. Vou demonstrar porque é isto verdade, e como construir estabilidade financeira através de uma atitude diferente perante as finanças pessoais.

O meu objetivo é simples: sugerir-lhe formas práticas de poupar dinheiro, investir melhor e cortar nos custos — em todas as fases da vida, do berço ao túmulo. Ensinar-lhe como educar crianças com sabedoria financeira que não gastem demasiado nem se endividem muito cedo. Mostrar-lhe como os jovens podem formar-se com menos dívidas e em melhores condições de pagarem os empréstimos para estudantes. Descrever-lhe como falar aos seus entes queridos sobre dinheiro e como garantir que as suas relações românticas, casamentos e parcerias não sejam ensombrados por dívidas, gastos excessivos e preocupações financeiras. Ajudá-lo a evitar erros frequentes com crédito e cartões de crédito, na compra de casas ou carros ou na dissipação de fortunas em produtos de luxo que não se valorizam com o tempo.

Mas, acima de tudo, guiá-lo através de todas as fases da vida e pontos decisivos, ajudando-o a chegar, na sua velhice, a um ponto em que o dinheiro e a liberdade lhe tragam conforto e segurança. Está pronto para iniciar este trajeto comigo? Então vamos começar.»

Saiba mais sobre os livros AQUI.