Publicado em

Workshop – Como comunicar para ser ouvido

comunicar

Ciclo de Workshops de Parentalidade Consciente (4 workshops), com a coach Fátima Gouveia e Silva

3º WORKSHOP: COMO COMUNICAR PARA SER OUVIDO

21 de março, 19h – 21h30

 

O que é a parentalidade consciente :

A forma como nos relacionamos com as crianças influencia profundamente no desenvolvimento de uma auto estima saudável, e no seu crescimento e desenvolvimento como futuros adultos felizes e responsáveis. A Parentalidade Consciente é uma forma de estar na parentalidade que se baseia na tomada de consciência de que são os nossos hábitos enquanto pais o ponto de partida para criar relações fortes e saudáveis com as crianças. Parentalidade consciente é ter consciência das nossas intenções enquanto pais e estar preparado para refletir sobre a forma como os nossos hábitos e padrões de comportamentos estão alinhados com essa intenção. Mais do que aprender conceitos, é desaprender preconceitos: é um deixar ir de tudo aquilo que não serve a nossa intenção como pais, um desaprender de tudo que não promove relações saudáveis baseadas no amor incondicional e tudo aquilo que não ajuda os nossos filhos a crescer e prosperar emocionalmente.

 PROGRAMA:

3 – COMO COMUNICAR PARA SER OUVIDO
(Comunicação consciente)
* Identificar estilos de comunicação
* Aprender e desenvolver a linguagem pessoal
* Aprender a descrever comportamentos, necessidades e emoções de uma forma neutra
* Bloqueios à comunicação
* Exercícios práticos

———————————————————————

Objetivo dos workshops :
Ajudar os pais/ educadores a:
* compreender os princípios/valores da educação consciente
* gerir os relacionamentos com a criança de modo mais harmonioso, com mais empatia e presença – a intenção precede a ação
* promover a autoestima nas crianças de forma a prepará-las para uma vida de desafios em sociedade
* reconhecer padrões de resposta negativos e encontrar alternativas saudáveis,
* compreender e utilizar o método laser, assim como outras técnicas para identificar as necessidades das crianças
* aprender e desenvolver a linguagem pessoal; adotando estratégias para uma Comunicação consciente – verbal ou não-verbal – mais eficaz e orientada
* entender a diferença entre castigos e consequências – e entre obediência e Colaboração
* desenvolver características individuais positivas – maior capacidade de autoreconhecimento: autoconceito e sentimento de autoestima fortificados
* criar maior conexão consigo e com os outros

———————————————————————

Local: Cowork da Praia / Self
Morada: Praça do Junqueiro, nº3, Loja B, 2775-597 Carcavelos, Portugal, Tel: +351 218 084 370
Preço: 25 € | 90 € ciclo

———————————————————————

A formadora:

“Em 2013 tomei contacto com as áreas de Coaching e Desenvolvimento Pessoal e com a certificação internacional de Coaching e descobri um novo propósito. Desde aí, é um querer sempre saber mais, procurar, pesquisar, evoluir, perceber e melhorar quem sou e também ajudar os outros a melhorar.
Conhecer a Parentalidade consciente trouxe-me uma grande paz interior. Perceber que não há certos nem errados, mas há um caminho que nos permite uma maior consciência das escolhas que fazemos, do impacto que isso tem nos nossos filhos e é um caminho de conexão, amor e gratidão.
Aliar o Coaching e a PNL à Parentalidade Consciente permite-me ajudar outras mães a viverem uma vida mais plena, com maior harmonia e satisfação sentindo-se mais preenchidas porque encontram maior equilíbrio nas várias áreas da sua vida e porque através da Parentalidade Consciente conseguem melhorar relações com os filhos e em família.
O meu propósito é ajudar a fomentar uma forma de estar na Parentalidade que nos ajuda a viver esta experiencia de forma mais serena e consciente, sabendo que podemos fazer diferente e fazer diferença quando educamos as nossas crianças para mudar o mundo de amanhã. “

Publicado em

Existe uma postura ideal?

postura
Existe uma postura ideal?

Entenda-se por postura o alinhamento de todos os segmentos corporais num período de tempo particular (Gangnet e col., 2003). Acredita-se que uma postura ereta eficiente é aquela que permite uma eficiente manutenção do equilíbrio e balanço da posição em pé, com o mínimo de esforço e sobrecarga músculo-esquelética e sem qualquer sensação de desconforto (Pausić ecol., 2010).

Alinhamento ideal

Em 1993, Kendall referiu que o alinhamento ideal no plano sagital seria aquele em que a pessoa teria todos os segmentos corporais (ouvido, ombro, corpo de vértebras lombares, coxo-femoral, joelho e maléolo lateral) sobre a mesma linha vertical (Kendall,e col., 1993). Atente-se, no entanto, num estudo de Grimmer-Somers (1997) que examinou 427 sujeitos sem sintomas de dor, utilizando como referência um plumb line e a referência de alinhamento ideal de Kendall. Do total da amostra nenhum sujeito estava perfeitamente alinhado com a norma ideal (referência da linha vertical).

Não se deve nunca deixar de considerar a individualidade de quem se está a avaliar! Ou seja, poderá não ser a melhor solução procurar impor a “postura ideal” a alguém, se o sujeito for assintomático e se se encontrar “em equilíbrio no seu equilíbrio”. Não significa que não devamos procurar sempre optimizar a postura para uma interligação dos segmentos mais funcional e eficiente, mas tendo sempre em consideração o passado do aluno e sua a perceção de como se sente presentemente. Trabalhe-se com qualidade para as pessoas!

Rodrigo Ruivo

Direção Centro de Formação Clínica das Conchas

Rodrigo Ruivo é autor do Novo Manual de Avaliação e Prescrição de Exercício, da Editora Self.

 

Referências bibliográficas:

www.researchgate.net/profile/Rm_Ruivo
Grimmer-Somers, K. (1997). An investigation of poor cervical resting posture. Australian Physiotherapy, 43(1), 7–16.
Kendall, F. McCreary, E.,& Provance, P. (1993). Muscle and Testing Function. (Williams and Wilkins, Ed.) (4 th editi). Baltimore.
Pausić, J., Pedisić, Z., & Dizdar, D. (2010). Reliability of a photographic method for assessing standing posture of elementary school students. Journal of Manipulative and Physiological Therapeutics, 33(6), 425–31.
http://doi.org/10.1016/j.jmpt.2010.06.002