Publicado em

O que o faz feliz?

feliz

Ser feliz. Desde há gerações que os indivíduos procuram entender o sentido da vida e fazem tudo e mais alguma coisa para tentarem entender de que trata e porque nos encontramos aqui. Alguns viajam em busca de novas experiências e de expansão mental, e outros almejam isolamento na esperança de que a introspeção os conduza às respostas que procuram.

Seja como for que escolha explorar a sua existência, o mais importante é que escolha explorá‐la de todo.

A curiosidade é uma das características permanentes e certas de um vigoroso intelecto.

Samuel Johnson, The Rambler

A vida é curta e o mundo continua sem si quando daqui se for. Com irá agir para fazer a diferença enquanto aqui está? Com o que pode contribuir? Qual é a sua missão na vida? Há uma infinidade de razões para as pessoas fazerem o que fazem. Exemplos de motivações individuais incluem criar segurança pessoal, cuidar de uma família, ser o melhor num dado campo, ajudar os outros, criar um legado que lhe sobreviva e até simplesmente divertir‐se.

Ao prestar uma visão geral a todas as ideias que as pessoas percecionam como cruciais à sua existência, o denominador comum é que toda a gente quer viver com a maior felicidade possível.

Alguns inquéritos contemporâneos sugerem que as pessoas que vivem no mundo desenvolvido estão presentemente no pico da infelicidade e que a população em geral era mais feliz na década de 1950, quando, supostamente, a vida era mais simples. Se isto é verdade, as razões aventadas para o porquê de as pessoas se sentirem mais infelizes do que nunca é o terem mais liberdade e mais opções que nunca, e que a pressão para maximizar essas oportunidades pode levar os indivíduos a debater‐se com o que fazem e o que pensam que deveriam estar a fazer.

Talvez tenham demasiadas opções?

A verdade é que hoje estamos mais equipados que nunca para fazer mudanças na nossa vida. A população está em geral em melhor situação financeira e é mais instruída do que as anteriores gerações, e tem acesso a muito mais recursos e informação que ajudem a influenciar o seu desenvolvimento. O mundo move‐se a passo rápido e isso pode acarretar as suas próprias pressões. O tempo é precioso, de modo que tomar decisões eficaz e rapidamente é crucial. Para se ajudar a tomar decisões mais rápidas, e a tomar as decisões corretas ao longo da vida, há que primeiro ser claro quanto ao que o faz feliz.

A felicidade é por demais intangível, mas você sabe quando se sente feliz e sabe quando não está feliz. A investigação e a experiência mostram que as pessoas colocam mais na vida, e obtêm mais dela, quando podem fazer coisas que lhes dão prazer e que as fazem felizes. Então, se conseguir estabelecer as coisas que realmente o fazem feliz e mais vezes as fizer, obterá instantaneamente mais de cada dia da sua vida.

Introspeção

Ao considerar o que o faz feliz, foque-se não só em gratificação instantânea e no que o faz feliz hoje mas considere igualmente comportamentos que tenham um impacto mais duradouro e experiências recorrentes no tempo que o façam feliz numa base regular.

Tome um momento agora para pensar no que o faz feliz colocando-se as seguintes questões. Tome nota das suas respostas.

▶ Quando foi que me senti verdadeiramente feliz pela última vez?

▶ Onde estava eu?

▶ O que fazia eu?

▶ Com quem estava eu?

▶ O que me faz feliz numa base regular?

▶ Que atividades fazem o tempo voar para mim?

Pense em tantas vezes que se tenha sentido feliz quanto possível. Agora destaque as cinco principais coisas da sua vida que garantidamente o fazem feliz:

1 ……………………………………………………………………………………………………………………..

2 ……………………………………………………………………………………………………………………..

3 ……………………………………………………………………………………………………………………..

4 ……………………………………………………………………………………………………………………..

Agora que sabe o que o faz feliz, tem de se assegurar que faz mais destas coisas regularmente. Para cada uma das principais cinco coisas que o fazem feliz, tome nota da próxima vez que fará cada uma delas. Use o seu diário ou agenda para o ajudar a planear com precisão e para se certificar de que se compromete com cada uma das cinco coisas dentro dos próximos 14 dias. Planeie uma altura específica para cada compromisso.

Agora seja o mais específico possível quanto aos detalhes da próxima ocorrência das cinco coisas que o fazem feliz. Para cada uma das atividades que lhe trazem felicidade, ponha por escrito os detalhes em torno de quando terá ela de novo lugar. Onde estará você, o que estará a fazer e, isto é crucial, do que precisa de tratar agora mesmo para se assegurar de que cada acontecimento tenha lugar? O que pode fazer hoje para garantir que será capaz de fazer as coisas que lhe dão prazer?

_____________________________________

Assumir o controlo — tudo se resume ao planeamento

Este pode parecer um plano forçado e algo condicionado só para fazer umas quantas coisas que gosta, mas quando começar, perceberá como esta abordagem resulta. Em geral, a razão de as pessoas não fazerem bastante do que gostam é o facto de não planearem adequadamente essas atividades. Têm a sua rotina diária mas essas rotinas frequentemente não contêm suficientes coisas que lhes deem prazer. O problema é que essas rotinas se podem tornar profundamente incutidas e, em muitos casos, perpetuarem‑se inconscientemente se as pessoas fizerem muito do que as faz infelizes sem se empenharem devidamente no que fazem ou descobrirem como melhorar as coisas. Seguem simplesmente a rotina familiar e esperam ter tempo para algo aprazível ao longo do caminho.

Por vezes, as pessoas sentem que não podem fazer mais do que lhes dá prazer devido às pressões da vida quotidiana e de as circunstâncias estarem além do seu controlo. Podem sentir-se insatisfeitas, mas não despendem o tempo e esforço necessários a focar-se no que poderia ser diferente.

Tendem a seguir padrões de comportamento inconscientes pois estes padrões não requerem que se pense grandemente. Os problemas surgem quando estes padrões familiares podem eventualmente deixar as pessoas frustradas e infelizes.

Para mudar a situação, precisa de trazer os seus padrões de comportamento ao pensamento consciente. Precisa de examinar e analisar o que faz, o que não está a resultar para si, e questionar que padrões de comportamento poderiam ser mais benéficos. O processo acima pode fazer exatamente isso. Torna conscientes novas estratégias, de modo que saiba precisamente o que terá de fazer a fim de tornar a vida diferente e mais enriquecedora. A vantagem mais entusiasmante deste processo é que, ao examinar o que não resulta, fazer um esforço consciente para estabelecer novas abordagens e padrões de comportamento e depois pô-los em ação, você pratica o que resulta até que se torne o seu comportamento inconsciente. Poderá retornar a não ter de pensar tão a fundo em tudo o que faz pois estará então a seguir novos e positivos padrões de comportamento inconscientes que lhe dão o que quer.

Jeff Archer

Em Seja o Seu Próprio LifeCoach

Publicado em

Workshop – Como comunicar para ser ouvido

comunicar

Ciclo de Workshops de Parentalidade Consciente (4 workshops), com a coach Fátima Gouveia e Silva

3º WORKSHOP: COMO COMUNICAR PARA SER OUVIDO

21 de março, 19h – 21h30

 

O que é a parentalidade consciente :

A forma como nos relacionamos com as crianças influencia profundamente no desenvolvimento de uma auto estima saudável, e no seu crescimento e desenvolvimento como futuros adultos felizes e responsáveis. A Parentalidade Consciente é uma forma de estar na parentalidade que se baseia na tomada de consciência de que são os nossos hábitos enquanto pais o ponto de partida para criar relações fortes e saudáveis com as crianças. Parentalidade consciente é ter consciência das nossas intenções enquanto pais e estar preparado para refletir sobre a forma como os nossos hábitos e padrões de comportamentos estão alinhados com essa intenção. Mais do que aprender conceitos, é desaprender preconceitos: é um deixar ir de tudo aquilo que não serve a nossa intenção como pais, um desaprender de tudo que não promove relações saudáveis baseadas no amor incondicional e tudo aquilo que não ajuda os nossos filhos a crescer e prosperar emocionalmente.

 PROGRAMA:

3 – COMO COMUNICAR PARA SER OUVIDO
(Comunicação consciente)
* Identificar estilos de comunicação
* Aprender e desenvolver a linguagem pessoal
* Aprender a descrever comportamentos, necessidades e emoções de uma forma neutra
* Bloqueios à comunicação
* Exercícios práticos

———————————————————————

Objetivo dos workshops :
Ajudar os pais/ educadores a:
* compreender os princípios/valores da educação consciente
* gerir os relacionamentos com a criança de modo mais harmonioso, com mais empatia e presença – a intenção precede a ação
* promover a autoestima nas crianças de forma a prepará-las para uma vida de desafios em sociedade
* reconhecer padrões de resposta negativos e encontrar alternativas saudáveis,
* compreender e utilizar o método laser, assim como outras técnicas para identificar as necessidades das crianças
* aprender e desenvolver a linguagem pessoal; adotando estratégias para uma Comunicação consciente – verbal ou não-verbal – mais eficaz e orientada
* entender a diferença entre castigos e consequências – e entre obediência e Colaboração
* desenvolver características individuais positivas – maior capacidade de autoreconhecimento: autoconceito e sentimento de autoestima fortificados
* criar maior conexão consigo e com os outros

———————————————————————

Local: Cowork da Praia / Self
Morada: Praça do Junqueiro, nº3, Loja B, 2775-597 Carcavelos, Portugal, Tel: +351 218 084 370
Preço: 25 € | 90 € ciclo

———————————————————————

A formadora:

“Em 2013 tomei contacto com as áreas de Coaching e Desenvolvimento Pessoal e com a certificação internacional de Coaching e descobri um novo propósito. Desde aí, é um querer sempre saber mais, procurar, pesquisar, evoluir, perceber e melhorar quem sou e também ajudar os outros a melhorar.
Conhecer a Parentalidade consciente trouxe-me uma grande paz interior. Perceber que não há certos nem errados, mas há um caminho que nos permite uma maior consciência das escolhas que fazemos, do impacto que isso tem nos nossos filhos e é um caminho de conexão, amor e gratidão.
Aliar o Coaching e a PNL à Parentalidade Consciente permite-me ajudar outras mães a viverem uma vida mais plena, com maior harmonia e satisfação sentindo-se mais preenchidas porque encontram maior equilíbrio nas várias áreas da sua vida e porque através da Parentalidade Consciente conseguem melhorar relações com os filhos e em família.
O meu propósito é ajudar a fomentar uma forma de estar na Parentalidade que nos ajuda a viver esta experiencia de forma mais serena e consciente, sabendo que podemos fazer diferente e fazer diferença quando educamos as nossas crianças para mudar o mundo de amanhã. “

Publicado em

Workshop – Como transformar desobediência em colaboração

desobediência

Ciclo de Workshops de Parentalidade Consciente (4 workshops), com a coach Fátima Gouveia e Silva

2º WORKSHOP: COMO TRANSFORMAR DESOBEDIÊNCIA EM COLABORAÇÃO

21 de fevereiro, 19h – 21h30

 

O que é a parentalidade consciente :

A forma como nos relacionamos com as crianças influencia profundamente no desenvolvimento de uma auto estima saudável, e no seu crescimento e desenvolvimento como futuros adultos felizes e responsáveis. A Parentalidade Consciente é uma forma de estar na parentalidade que se baseia na tomada de consciência de que são os nossos hábitos enquanto pais o ponto de partida para criar relações fortes e saudáveis com as crianças. Parentalidade consciente é ter consciência das nossas intenções enquanto pais e estar preparado para refletir sobre a forma como os nossos hábitos e padrões de comportamentos estão alinhados com essa intenção. Mais do que aprender conceitos, é desaprender preconceitos: é um deixar ir de tudo aquilo que não serve a nossa intenção como pais, um desaprender de tudo que não promove relações saudáveis baseadas no amor incondicional e tudo aquilo que não ajuda os nossos filhos a crescer e prosperar emocionalmente.

 PROGRAMA:

2 – COMO TRANSFORMAR DESOBEDIÊNCIA EM COLABORAÇÃO
(Necessidades vs Comportamentos)
* Definir intenções enquanto pais
* Entender a diferença entre obediência e colaboração
* Entender perigos de desenvolver a cultura da obediência
* Entender que comportamento é uma forma de comunicação
* Conhecer o modelo LASEr e a sua aplicação prática
* Exercícios práticos

———————————————————————

Objetivo dos workshops :
Ajudar os pais/ educadores a:
* compreender os princípios/valores da educação consciente
* gerir os relacionamentos com a criança de modo mais harmonioso, com mais empatia e presença – a intenção precede a ação
* promover a autoestima nas crianças de forma a prepará-las para uma vida de desafios em sociedade
* reconhecer padrões de resposta negativos e encontrar alternativas saudáveis,
* compreender e utilizar o método laser, assim como outras técnicas para identificar as necessidades das crianças
* aprender e desenvolver a linguagem pessoal; adotando estratégias para uma Comunicação consciente – verbal ou não-verbal – mais eficaz e orientada
* entender a diferença entre castigos e consequências – e entre obediência e Colaboração
* desenvolver características individuais positivas – maior capacidade de autoreconhecimento: autoconceito e sentimento de autoestima fortificados
* criar maior conexão consigo e com os outros

———————————————————————

Local: Cowork da Praia / Self
Morada: Praça do Junqueiro, nº3, Loja B, 2775-597 Carcavelos, Portugal, Tel: +351 218 084 370
Preço: 25 € | 90 € ciclo

———————————————————————

A formadora:

“Em 2013 tomei contacto com as áreas de Coaching e Desenvolvimento Pessoal e com a certificação internacional de Coaching e descobri um novo propósito. Desde aí, é um querer sempre saber mais, procurar, pesquisar, evoluir, perceber e melhorar quem sou e também ajudar os outros a melhorar.
Conhecer a Parentalidade consciente trouxe-me uma grande paz interior. Perceber que não há certos nem errados, mas há um caminho que nos permite uma maior consciência das escolhas que fazemos, do impacto que isso tem nos nossos filhos e é um caminho de conexão, amor e gratidão.
Aliar o Coaching e a PNL à Parentalidade Consciente permite-me ajudar outras mães a viverem uma vida mais plena, com maior harmonia e satisfação sentindo-se mais preenchidas porque encontram maior equilíbrio nas várias áreas da sua vida e porque através da Parentalidade Consciente conseguem melhorar relações com os filhos e em família.
O meu propósito é ajudar a fomentar uma forma de estar na Parentalidade que nos ajuda a viver esta experiencia de forma mais serena e consciente, sabendo que podemos fazer diferente e fazer diferença quando educamos as nossas crianças para mudar o mundo de amanhã. “

Publicado em

3 coisas a fazer no caminho para a sua felicidade

coisas

O que é ser feliz e bem-sucedido

Não foi assim há tanto tempo que a quantidade de dinheiro e bens que possuíamos era considerado o único indicador do nosso sucesso. No entanto, hoje em dia, as pessoas procuram um significado mais profundo nas suas vidas, assim como bem-estar. Daí que a frase “O bem-estar é o novo sucesso dos tempos modernos” seja um lembrete de que o modo como nos sentimos é muito mais importante do que o estatuto que mostramos.

Mahatma Gandhi disse: “As suas crenças tornam-se os seus pensamentos. Os seus pensamentos tornam-se as suas palavras. As suas palavras tornam-se as suas ações. As suas ações tornam-se os seus hábitos. Os seus hábitos tornam-se os seus valores. Os seus valores tornam-se o seu destino.” É importante lembrar que as nossas vidas são limitadas apenas pelos nossos próprios pensamentos.

Se as nossas emoções estão ligadas ao nosso sistema neurológico, imunológico e endócrino, então faz sentido que quando sentimos algo, isso crie uma mudança física. Temos então uma escolha: podemos permitir que essa emoção assuma o controle ou usamos o mindfullness para a substituir por pensamentos e sentimentos positivos.

Aqui estão três dicas que lhe permitirão manter seu bem-estar todos os dias:

  1. Torne-se aliado das suas emoções.

Fique sentado tranquilamente durante uns minutos, sem distrações. Concentre-se na sua respiração. Siga o seu ritmo e tente perceber que pensamentos ou emoções atraem sua atenção. Deixe-os tomar forma. Enquanto isso, imagine-se a capturar cada pensamento ou emoção numa bolha.

Assim que a sua mente esteja calma, visualize-se a soprar aquela bolha para longe. Observe-a a subir, mais e mais, até que esta não faça mais parte de si; traga então a sua atenção de volta para a respiração. A sua respiração está mais profunda agora? Mais lenta, talvez? Permita-se alguns momentos para mergulhar nesse sentimento de paz e conectar-se com a sua respiração.

Lembre-se: os seus pensamentos e as suas emoções podem ser melhores amigos. Eles complementam-se e definem as nossas atitudes diárias. Por vezes, em certas situações banais, se o nosso alarme não toca de manhã ou nos aleijamos ao levantar da cama, os nossos pensamentos descem em espiral. Então começamos a preocupar-nos com aquela reunião com o nosso chefe ou com a zanga que tivemos com nosso parceiro a noite passada. Esses pensamentos tornam-se a nossa atitude durante esse dia e seguir-nos-ão como um íman.

  1. Desenvolva a prática da gratidão.

Ao acordar ou antes de dormir, faça uma lista de 10 coisas pelas quais é grato. Ficará surpreso com o quão fácil pode ser quando desaceleramos, observamos e despertamos os nossos sentidos. Andamos sempre a correr nas nossas vidas e perdemos a oportunidade de apreciar as pequenas coisas que contribuem para o bem-estar.

Aqui estão algumas coisas pelas quais se pode sentir grato:

  • Ouvir o chilrear dos pássaros
  • Ter uma boa noite de sono
  • Ter uma cama confortável
  • Alongar o seu corpo (sentindo-se saudável)
  • Beber uma chávena de café acabado de fazer
  • Receber e dar os bons dias à sua família
  • Aconchegar-se com o seu animal de estimação
  • Ver o sol a brilhar através das árvores
  • Chegar rápido ao trabalho num dia sem trânsito
  • Sorrir para um estranho na rua e ele devolver o sorriso
  • Cozinhar e escolher alimentos nutritivos que adora

Os pensamentos não precisam estar associados a algo que aconteceu nas últimas 24 horas. Podemos pensar num amigo querido que não vemos há meses e experimentar sentimentos de profunda apreciação e amor.

Se quiser ir mais além, pratique o sentir gratidão por coisas na sua vida que ainda não aconteceram. Por exemplo: está a trabalhar para publicar um livro. Tire alguns momentos para sentir gratidão por ter se tornado um autor publicado; por outras palavras, sinta como se o que tanto tem sonhado já tivesse acontecido.

Ficará surpreso com o quanto essa prática de gratidão afectará seu futuro.

  1. Conecte-se com a natureza.

Vá lá fora. Até uns cinco minutos durante a pausa do almoço servirão. Se estiver perto de algum jardim, vá até à relva e tire os sapatos. Fique de pé e visualize, sinta ou imagine que tem raízes a crescer nas solas dos pés, conectando-se profundamente com a terra. A cada inspiração, sinta a energia a elevar-se da Terra, espalhando-se por todo o seu corpo até sentir que ela flui para fora dos seus dedos.

Agora visualize, sinta ou imagine seu coração transbordando de gratidão e envie esse amor de volta aos seus pés na terra. Ao fazer isso, concentre-se na sua respiração, tenha consciência dos seus sentidos, sinta o calor do sol no seu rosto, a brisa fresca na sua pele, o som dos pássaros. Expanda a sua consciência e absorva a ligação que está a criar entre a sua mente, o seu corpo e o seu espírito.

 

Fonte: https://www.mindbodygreen.com

Publicado em

9 hábitos matinais que a vão preparar para o dia

hábitos
9 hábitos matinais que a vão fazer sentir-se preparada para enfrentar qualquer dia

Conciliar família, com trabalho é cada vez mais exigente e rapidamente percebemos que o ritmo frenético e a exaustão constante dos nossos dias não são sustentáveis. Esse sentimento é ainda mais predominante durante as férias, quando as nossas obrigações domésticas parecem multiplicar-se e transbordar mais rapidamente do que as conseguimos acompanhar.

O importante é não desistir. Vai ver que não é difícil. Só requer disciplina e resiliência. São nove coisas de que precisa para ficar calma e encarar o dia com alegria, sem pensar demasiado no que a espera.

  1. Levantar da cama assim que acorda.

Quando acordar, levante-se. Desligar continuamente o despertador que vai tocando só a atrasa e faz com que se sinta ainda mais sonolenta. Mais alguns minutos na cama não nos ajudam a sentir mais despertos. O que realmente acontece é que tem o efeito oposto.

  1. Hidrate-se cedo e frequentemente.

Quando dormimos, passamos sete a nove horas sem beber água. Assim que acorda, o seu corpo precisa de se refrescar e, por isso, beba um copo de água com limão o que a revitaliza e impulsiona.

  1. Fale positivamente.

Pense e diga para si mesma algo que a faça feliz. Começar o dia com uma declaração destas inflama a sua alegria. Pode ser uma afirmação, uma meditação, uma devoção – qualquer coisa que conecte a sua mente ao seu propósito, paixão e presença. Este é o seu modo de dar permissão ao corpo para entrar em ação.

  1. Mexa-se com intenção.

Exercitar-se é o melhor modo para se preparar para o dia que começa. Quando estiver com pressa, reserve alguns minutos para movimentos simples como abdominais, pranchas, agachamentos, lunges ou flexões e que pode fazer em casa. Concentre toda a sua energia, fazendo um exercício inteiro por minuto. E já está!

  1. Coma comida verdadeira.

O nosso corpo está em jejum a noite toda, e fica com sede. A fim de obter excelentes resultados durante todo o dia, deve nutrir o seu corpo com alimentos saudáveis. Por isso comece o dia com frutas frescas, ovos e um pouco de abacate. Um pequeno-almoço equilibrado reabastece o nosso corpo.

  1. Comece com uma gratidão silenciosa.

Canalize os seus pensamentos num diário onde escreve tudo aquilo pelo que está grata, todos os dias. Começar o dia com uma prática de gratidão ilumina cada momento. A gratidão ajuda-nos a ignorar o barulho do mundo e encoraja-nos a criar o dia nos nossos próprios termos.

  1. Planeie com antecedência.

Planear e preparar tudo o que quer realizar num dia é uma estratégia de sucesso. Não há grandes dúvidas. Aproveite e nessa lista inclua algo daquelas coisas que tem vindo a adiar. Verá que sentir-se-á realizada por estar a fazer aquilo que é importante mas que vai adiando ou deixando para segundo plano.

  1. Procure a sabedoria.

Alimentar a mente é tão vital quanto nutrir o corpo. Enquanto se prepara de manhã, ou vai nos transportes, ouça um podcast, leia um livro. Abrir horizontes, perceber as dificuldades e realidades dos outros ajudam-nos a relativizar os obstáculos que encontramos, a encontrar soluções ou a ter ideias criativas.As nossas mentes estão menos desordenadas pela manhã, então uso esse tempo para absorver todas as possibilidades que consigo.

  1. Sorria.

Uma boa manhã não está completa sem um sorriso. Sim, um sorriso deixa o otimismo brilhar.

 

Desde que incorporo estas nove coisas na minha rotina matinal, os meus dias têm mais força e energia. Por que não começa também o dia nos seus próprios termos?

 

 

Fonte: https://www.mindbodygreen.com

Publicado em

Esqueça a preocupação de ser feliz

feliz

Muitas vezes, a felicidade surge quando e onde menos se espera e, com a mesma frequência, não se materializa quando e onde esperaríamos. Então, a questão é deixar de pensar em ser-se feliz? Claro, permitir que a felicidade chegue de modo espontâneo é uma ferramenta poderosa na busca pela sua felicidade, visto que permite que ela apareça em qualquer altura e em qualquer sítio, e sem qualquer tipo de esforço da sua parte. Deixá-la totalmente ao acaso, porém, é pouco provável que produza bons resultados. Pode fazer muitas coisas para melhorar as suas probabilidades de ser feliz e fazer o máximo possível aumenta-as.

Por isso, desenvolver uma estratégia que inclua a maior quantidade possível de abordagens é a melhor maneira de avançar.
No entanto, fazê-lo de um modo planeado e preparado é uma coisa, despender todo o seu tempo a isso, absorvendo todo o tempo que poderia passar sendo simplesmente feliz, ou permitindo-se ficar extremamente preocupado com o que deveria estar a fazer para melhorar a sua felicidade é outra, e uma situação claramente contraproducente. Aproveitar tudo ao máximo na vida – de si próprio, da sua situação, as oportunidades que surgem no seu caminho ou que você pode criar, e por aí fora – tem maior probabilidade de produzir os resultados que pretende do que simplesmente ignorar a situação e esquecer-se de ser feliz.

Coloque-se no Centro

Desenhe um mapa mental, traçando todas as áreas-chave da sua vida tal como ela é agora e realçando as que lhe dão o que pretende, sendo, por isso, positivas, e todos os elementos que não possuem aquilo de que precisa ou que o retraem. O seu mapa deve ser concebido para mostrar três coisas: onde você se encontra a cada instante, o que está a fazer e a altura em que cada acontecimento está a decorrer. Para uma melhor referência, tente colocar tudo isso no mesmo mapa e depois realce os pontos positivos e negativos a cores diferentes, de modo a conseguir ver imediatamente onde se encontram as áreas de maior poder e fraqueza. Isto também lhe mostrará o que está a causá-las e quando e onde surgem.

É uma ferramenta útil que lhe permite ponderar sobre a sua situação e ver onde é feliz atualmente e onde tem de melhorar. Depois terá de trabalhar numa solução para este último. Lembre-se sempre de que a «felicidade» é um termo demasiado vasto para ser significativo, por isso você tem de compreender o que quer dizer para si em cada situação, por exemplo, excitação, contentamento, paz, realização, etc. Perceba exatamente o que é que o faz feliz e em que altura da sua vida e onde mais poderia sê-lo com um planeamento e execução cuidadosos.

Seja Fiel a si próprio

Pergunte-se o seguinte:

  • Do que é que preciso para ser feliz – agora mesmo? No futuro?
  • O que é que a felicidade significa para mim?
  • O que é que me faz feliz na minha vida?
  • O que é mais importante para mim?
  • O que é que me dá energia e otimismo?
  • O que é que gera negatividade, esgota a minha energia e me deixa infeliz?
  • O que é que tenho de mudar na minha vida para tirar o máximo partido da minha felicidade?

Só compreendendo exatamente o que o deixa feliz e como estruturar melhor a sua vida para conseguir aproveitar ao máximo as hipóteses de alcançar a felicidade com regularidade é que conseguirá construir uma plataforma através da qual possa atrair positividade e deter a negatividade. Isto é essencial para a busca da felicidade duradoura a longo prazo e vale muito a pena passar tempo a assegurar-se de que o faz da melhor forma possível. Com o tempo, as suas necessidades e preferências podem mudar, por isso, não se esqueça de refletir novamente sobre elas de vez em quando.

Esta estrutura também serve para o lembrar daquilo que está a tentar alcançar e o que deveria estar a fazer para o conseguir. Precisará de ter uma visão clara do seu principal objetivo – o que a felicidade absoluta significa para si e como esta pode ser alcançada – e terá de se certificar de que se trata de algo verdadeiramente alcançável, por muito improvável que pareça. É muito mais provável que alcance o seu sonho se o retratar, e mesmo que não vá até ao fim, é provável que melhore a sua situação só ao tentar.

Criar a sua visão e determinar os pontos ao longo do caminho ajudá-lo-ão a clarificar aquilo que realmente quer da vida, as coisas que realmente são importantes para si e isso, por sua vez, ajudá-lo-á a evitar a ratoeira de tentar imitar outras pessoas. É fácil e comum tentar-se copiar o estilo de vida de pessoas que parecem verdadeiramente felizes, supondo-se erradamente que o que funciona para elas também funcionará para si. Em vez disso, tente ser fiel às suas próprias necessidades e desejos, procurando alcançar aquilo que de facto deseja da vida e arranjando tempo e espaço para o conseguir.

Visto que não é possível alcançar tudo de uma só vez, terá de estabelecer prioridades, ordenando as suas exigências por importância e cronologia, antes de se dedicar metodicamente a atingi-las. Tenha também em mente que, por mais que lhe pareçam boas ideias, há algumas coisas que valem a pena fazer e outras que simplesmente não, porque lhe exigirão demasiado tempo e esforço para as concretizar – por isso, deixe-as de lado e siga em frente.

Seja feliz no momento presente!

Fonte: 50 segredos das Pessoas Felizes

Publicado em

Fluir como o Bruce Lee

fluir

Quando eu era pequeno, era completamente fascinado pelas artes marciais. Lembro-me de que seguia religiosamente a série de TV Os Jovens Heróis de Chaolin. O Kung Fu era o meu caminho; imitava as meditações e praticava os golpes repetidamente no meu quarto. Mas o maior dos meus heróis sempre foi o Bruce Lee. Para alguns ele era apenas um ator e um perito em artes marciais, para outros teria uma faceta mais próxima de “guru”. A verdade é que, antes de ser uma estrela de Hollywood, Bruce Lee já era licenciado em filosofia. Talvez por isso seja comum encontrar nos seus diálogos analogias como a da famosa gravação que ficou para a história: “Be water, my friend”. Vamos então ver o que Bruce Lee queria dizer com esta frase e qual a relação entre ela e a técnica do Flow.

Imagine um momento em que está a praticar um desporto que atrai toda a sua atenção. Imagine que está a surfar uma onda perfeita. Ao deslocar-se na onda está a sentir os salpicos de água no corpo, o vento na face e a água salgada na boca. Toda a sua atenção está focada em usar todas as suas capacidades, o melhor possível. Sabe exatamente o movimento que tem que fazer em cada momento. Não há passado nem futuro… Só existe o presente. Só existe o mar, a prancha, o seu corpo e a sua consciência. Todos os elementos se unem numa única coisa e consegue sentir-se completamente presente naquele momento. O “ego” dilui-se e torna-se parte do que está a fazer. Era isto que Bruce Lee queria dizer com “Sê água, meu amigo”. Um momento em que fluímos e somos unos com o que estamos a fazer. Nesse preciso momento fluímos e perdemos a noção do tempo. Entramos em Flow.

SAIBA AQUI COMO ENTRAR EM FLOW E OS BENEFÍCIOS DO FLOW NO TRABALHO E NA VIDA.

O que é que nos faz gostar de fazer uma coisa de tal maneira que nos esquecemos de tudo o resto? De todas as preocupações. Quais são então os momentos em que estamos mais felizes?

Estudiosos aprofundaram estas questões e chamam a este estado Fluir, Fluxo ou Flow. Um estado de prazer e criatividade no qual estamos totalmente imersos na vida.

Não há nenhuma receita para a felicidade, mas um dos ingredientes é termos a capacidade de entrar no estado de Flow para, através dele, termos “experiências ótimas”. Segundo Mihaly Csikszentmihalyi (psicólogo que criou o termo Flow), este é o caminho para vivermos uma “experiência ótima”. No mundo atual, com tanta distração, informação e solicitação, é cada vez mais difícil ter condições ao nosso redor que nos permitam entrar em Flow.

Segundo o psicólogo, devemos focar-nos em aumentar o tempo que vivemos a praticar atividades que nos permitem entrar nesse estado. Não são só os desportistas e as pessoas que têm trabalhos criativos que conseguem entrar em Flow (ou fluxo). Segundo os estudos de Mihaly, em todas as partes do mundo e em todas as tarefas é possível entrar em Flow. É igual em qualquer cultura, idade ou atividade. Ao fluir estamos concentrados numa única tarefa, tirando prazer dela e sem nos deixarmos distrair. Se precisa de realizar uma tarefa importante, o melhor é aplicar algumas técnicas que lhe permitam entrar em Flow no seu trabalho. Garanta que elas se cumprem o máximo de vezes na sua vida.

Deixo-lhe então as 7 condições para entrar em Flow:

1 – Saber claramente o que fazer.

2 – Saber claramente como o fazer.

3 – Saber o quão bem está a fazê-lo.

4 – Saber até onde tem que ir.

4 – A tarefa deve desafiar os nossos skills.

5 – Estar livre de distrações.

(metodologia de Owen Schaffer)

Publicado em

Índice da Felicidade: Portugal abaixo da média europeia

felicidade

Em 2012 foi feito o primeiro relatório mundial sobre a felicidade, com o objetivo de procurar medir e perceber a subjetividade do “bem-estar” humano. Agora em 2017, foi publicado a sua 5ª edição, com o ranking mundial de 155 países.

A média mundial dos 155 países é de 5.3. Portugal surge no 89º lugar. O nosso índice de felicidade é de 5.1….Estamos abaixo da média mundial e muito abaixo da média da europa ocidental, que é de 6.5. Somos dos países que na europa apresentaram um decréscimo no índice de felicidade, tal como a Espanha, Grécia e Itália.

Esta avaliação é decomposta é assente em assente em 6 fatores:

  • paridade do poder de compra – analisa em cada país o poder de compra, tendo em conta salário versus custo de vida;
  • esperança média de vida;
  • apoio social- através da pergunta: “Se você estiver com problemas tem familiares e/ou amigos que o ajudam sempre que precisar?”;
  • liberdade – através da pergunta: “Você está satisfeito ou insatisfeito com a liberdade de que tem para escolher o que quiser para a sua vida?”;
  • generosidade – através da pergunta: “Fez alguma doação ou caridade no último mês?”;
  • corrupção – com duas perguntas: “Considera que a corrupção está disseminada pelo governo do seu país, ou não? e “Considera que a corrupção está disseminada pelo tecido empresarial do seu país, ou não?”.

Foi pedido às pessoas que avaliassem a sua vida, através da pergunta da escada de Cantril: Imagine uma escada, com degraus numerados de 0 (em baixo) até 10 (em cima). O topo da escada significa a melhor vida possível que você poderia ter enquanto o primeiro degrau representa a pior vida possível para si. Em que degrau é que você sente que está atualmente?

É de facto um resultado surpreendente e abaixo do desejado… Mas para o entender melhor, devemos aprofundar um pouco mais o raciocínio para podermos tirar conclusões e quem sabe… tentar não fazer parte desta média estatística.

Enquanto adultos a nossa felicidade depende significativamente da situação em que nos encontramos: a nossa condição económica (salário, educação e emprego), a nossa situação social (no que diz respeito às nossas relações) e a nossa saúde (física e mental). Estes em parte dependem do nosso passado em criança (desenvolvimento intelectual, comportamental e emocional). O nosso desenvolvimento em crianças/adolescentes foi condicionado pelo nosso enquadramento familiar e escola.

Significa isto que a nossa felicidade futura depende do trabalho que se vai fazendo ao longo da nossa vida. Começa em criança com a nossa família, pessoas próximas e escola. Em adulto, a situação económica e social do país é fundamental. Mas a componente social, nomeadamente as relações, e a nossa saúde física e mental, são fatores relevantes e os quais podemos trabalhar, desenvolver.

Pergunte a si mesmo: Imagine uma escada, com degraus numerados de 0 (em baixo) até 10 (em cima). O topo da escada significa a melhor vida possível que você poderia ter enquanto que, o primeiro degrau representa a pior vida possível para si. Em que degrau é que você sente que está atualmente?

O que está nas suas mãos para ser mais feliz?
Publicado em

A produtividade das férias

férias

Provavelmente todos nós já ouvimos dizer que quando vamos de férias ficamos restabelecidos e no regresso somos mais produtivos. A verdade é que apesar de estarmos conscientes dos benefícios de desligar completamente do trabalho durante as nossas férias, nem sempre o fazemos. No meu caso, sempre cultivei o hábito de tentar desligar 100%. Mas… nem sempre é fácil. Por vezes precisamos que as condições exteriores nos preguem uma partida. Dizem que à medida que as nossas carreiras vão sendo mais exigentes, vamos perdendo a “luxúria” de nos podermos afastar do trabalho. A verdade é que acima de tudo, o que perdemos é a capacidade de dizer NÃO. A vida continua e não temos que estar presentes em tudo o que acontece. Essa é a verdade nua e crua.

Este mês, gostava de partilhar a história de umas férias que, embora de forma não planeada, acabaram por ser extremamente revigorantes e desligadas do “mundo real”. Não foram num resort nem num retiro sabático. Foram numa autocaravana, sem destino e sem luxos.

A história é esta…

Um amigo comprou uma autocaravana. Por coincidência, eu tinha marcado férias para essa altura. Durante 10 minutos em que almocei com esse amigo, traçámos todo o nosso plano de férias. Que se resumia ao seguinte: “Então saímos daqui na sexta depois de almoço e vamos em direção a Sul. Depois… voltamos no outro domingo seguinte.” Este era todo o nosso plano de férias: 2 casais, uma caravana, e muita boa disposição.

Olhando com mais atenção, sobressaem aqui 3 características que todos prezamos: a liberdade, o “descompromisso”, e a capacidade de estar confortável na incerteza. A nossa única certeza era de que estaríamos bem independentemente do percurso. Ficaríamos os dias que quiséssemos, onde quiséssemos, não queríamos sequer o compromisso de tomar decisões. Não há nada de especial neste conceito. No entanto… há algo de muito especial neste conceito.

Quando pensamos em férias bem conseguidas, existem 5 tópicos (no máximo) que as descrevem em termos de qualidade. Em frente a cada necessidade, coloco o processo que deve ser conquistado:

1 – Repousar e recuperar energias de uma vida agitada ou de uma profissão exigente. –  Exige que se reduza o ritmo a que as coisas acontecem durante o dia.

2 – Recuperar do stress da vida urbana, e da pressão das decisões profissionais ou pessoais a que o dia a dia obrigam. – Exige que não exista pressão e que as decisões sejam fáceis e confortáveis. Devem privilegiar-se as escolhas sem sacrifícios. Tomar decisões é mentalmente desgastante quando há consequências no resultado. Quantas menos consequências houver sobre as decisões, mais flui o bem-estar.

3 – A vontade de trazer uma história para contar. – Exige que tenhamos oportunidade de acrescentar alguma coisa à nossa experiência de vida. A origem não importa. Este é dos tópicos mais relativos. Coisas como: ler mais livros, ver mais filmes, visitar lugares distantes ou próximos, conhecer pessoas e culturas novas, aprender um novo desporto, criar uma horta em casa, e por aí fora… constituem uma nova história para a nossa vida. Algo que nos acrescentou. Por vezes a dificuldade é sabermos valorizar essas pequenas coisas no nosso interior. É importante “saber olhar”.

4 – Passar tempo com os que amamos – Exige ter tempo mas, acima de tudo, saber desfrutá-lo. Desfrutar, implica estar envolvido com o momento presente. Saber estar perto dos que amamos e passar tempo com eles. Mesmo que seja em silêncio, a partilhar um pôr do sol com a nossa cara metade ou os nossos maravilhosos filhos. Queremos estar inteiros, no simples acto de “estar” com os que amamos.

5 – Sentir boas emoções. – Exige que saibamos ter prazer nos momentos presentes. Permitir que “o agora” nos preencha por completo. E sermos inteiros no que fazemos. Este ponto está em cada um dos pontos anteriores. É o prazer.

Estas férias despreocupadas pontuaram muito alto em todos os tópicos que referi. O que me leva a dizer: adorei estas férias e sinto-me ótimo e revigorado.

A vida numa caravana acontece devagar. Durante estes 10 dias, ninguém usou expressões como “depressa” ou “estamos atrasados”. Nunca estávamos atrasados porque não tínhamos que chegar a lado nenhum. Nunca tínhamos pressa porque o prazer era o presente e não o “amanhã” ou o “chegar lá”. Não tínhamos sequer etapas, (já que podíamos dormir em qualquer lugar que nos parecesse bonito).

O resultado foi que estivemos juntos. Visitámos barragens e praias, terras do Sudeste português e serras da Andaluzia Espanhola e absorvemos as paisagens. Fizemos yoga num parque natural e caminhadas de 3 horas por escarpas nas montanhas. Relaxei com as paisagens poéticas e fiquei ansioso com as minhas vertigens! Sentámo-nos em esplanadas a beber cañas e deitámo-nos com a mais maravilhosa paisagem em pano de fundo. Fomos divertir-nos para as festas da cidade de Córdoba e descobrimos as pequenas aldeias dos “pueblos blancos“. Estivemos em silêncio na viagem ou a jogar setas num bar à noite em Espanha. Apanhámos um dia inteiro de chuva que mal deu para sair da caravana… mas acabámos a jogar às cartas e a cozinhar algo diferente.

É impressionante a quantidade de coisas que podem ser feitas apenas em 10 dias, mesmo quando nada se planeou. E é incrível a sensação de estarmos a fazer tudo devagar quando a nossa casa segue connosco para todo lado.

Uma autocaravana é um grande passo para simplesmente “estar”. Mas depois, é preciso saber estar.

Claro que podíamos ter procurado locais com internet. Mas de repente escolhemos todos o NÃO. Não à internet, não a whatsapps, não a facebooks e não a telemóveis e emails. Nestas férias dei uma oportunidade ao “acaso” e dei um merecido descanso à minha mente.

Por 150 euros e 10 dias… Deixo os hotéis de luxo para quem os valoriza mais do que eu.

Na simplicidade é que está o ganho…
Publicado em

Lá fora, o mundo

mundo

Como encontrar o trabalho perfeito. Este é o título de um pequeno livro que li há um par de anos e que embora não me tenha feito revelações bombásticas, sistematiza uma série de factos e ideias de uma forma que achei muito útil. A determinada altura o autor, Roman Krznaric, cita uma ex-engenheira aerospacial que abandonou a NASA para se dedicar ao planeamento urbano. Que reviravolta, não é? Do seu testemunho retive a seguinte frase, que sublinhei a lápis: “(…) o que me facilitou realmente o mudar de carreira foi que nunca me passou pela cabeça limitar-me a uma profissão. Há tantas áreas interessantes, por que razão haveríamos de nos limitar a uma só? Acho que toda a gente se devia despedir pelo menos uma vez na vida”.

Quando li este livro havia mais de um ano que questionava seriamente a minha vida profissional. De tudo, o que mais me angustiava era a certeza de que tinha deixado de aprender coisas realmente novas. E a par disso, a cultura da empresa não me deixava antever grandes possibilidades de progressão. Queria, portanto, mudar. Isso era certo. Mas para onde, para fazer o quê e em que moldes?

Quando exercemos durante muito tempo as mesmas funções num mesmo lugar sofremos de dois efeitos perniciosos: primeiro passamos a achar que não há mais onde trabalhar senão ali; depois julgamos que nunca mais seremos capazes de fazer outra coisa. Se a juntar a isto tivermos a sorte (ou o azar!) de integrar uma empresa sólida e estável, ficamos acomodados e, logo, tolhidos. Como diz um grande amigo meu, “o conforto pode ser uma coisa lixada!”.

Nesta fase da minha vida ter-me-ia dado jeito ler um outro pequeno livro — com o título Como mudar o mundo — onde o autor explica que um dia, para ter uma noção mais concreta das suas aptidões, elaborou uma lista com a sua “experiência profissional, incluindo também aquilo que havia feito apenas como passatempo, trabalho de férias e ainda tarefas desgastantes”. Ironicamente, li o livro e fiz minha lista há poucos dias, depois de me ter despedido pela terceira vez na vida. E confesso que o exercício contribuiu para aumentar bastante a minha autoestima.

Houve momentos em que me senti menor por nunca ter sido uma pessoa orientada para a construção de uma carreira. À minha volta há muita gente empenhada nisso, na carreira. Eu não estou e só há pouco tempo é que me apaziguei com esse facto. Com o facto de me ter deixado vogar ao sabor das oportunidades que surgem e das paixões que estas me espoletam.

Gosto de trabalhar, preciso de trabalhar para me sentir sã e válida e é através do trabalho que consigo duas das coisas que me são mais importantes: aprender continuamente e melhorar enquanto ser humano. Mas, embora trabalhe com brio e empenho até ao último dia, o trabalho nunca foi a minha prioridade. O trabalho é, no que me diz respeito, um meio que me permite alcançar outros fins. E para mim, os outros fins, os que verdadeiramente importam, têm estado sempre fora das quatro paredes de um escritório.

Não me arrependo de ter passado quase quinze anos na mesma empresa. Fui feliz no meu trabalho. E não só. Nesses quase quinze anos casei-me, fiz amigos para a vida, adoeci com uma leucemia, entrei em remissão graças a um autotransplante de medula óssea, divorciei-me, mudei de casa pela 13ª vez, intensifiquei o número de viagens, aprendi a fotografar, criei o Acordo Fotográfico, descobri o prazer da escrita e meti uma licença sem vencimento de seis meses para fazer uma volta ao mundo de mochila às costas.

Depois dessa grande viagem, alguns dos aspetos da minha rotina deixaram de fazer sentido. Como era de esperar, a forma como trabalhava e o estilo de vida que o trabalho implicava — picar o ponto e passar horas a fio entre quatro paredes, sentada na frente um computador — tornaram-se difíceis de suportar. No dia em que assinalei os seis meses do regresso a Portugal, resgatei da estante Projetar a Felicidade, o livro onde Paul Dolan afirma: “(…) enquanto poupar dinheiro para um dia que não chega é triste, desistir da felicidade agora para esperar a felicidade que nunca chega é verdadeiramente trágico”. Demiti-me um mês mais tarde.

Nos próximos textos é sobre tudo isto que quero refletir. Sobre as transformações, as mudanças, os rompimentos que nos permitem renascer e reinventarmo-nos, as viagens e os livros que nos abrem os horizontes, a família e os amigos que são os nossos pilares, os exemplos inspiradores que vêm dos outros e o mundo deslumbrante que, com todos os seus defeitos assustadores, espera por nós lá fora.