Publicado em

9 hábitos matinais que a vão preparar para o dia

hábitos
9 hábitos matinais que a vão fazer sentir-se preparada para enfrentar qualquer dia

Conciliar família, com trabalho é cada vez mais exigente e rapidamente percebemos que o ritmo frenético e a exaustão constante dos nossos dias não são sustentáveis. Esse sentimento é ainda mais predominante durante as férias, quando as nossas obrigações domésticas parecem multiplicar-se e transbordar mais rapidamente do que as conseguimos acompanhar.

O importante é não desistir. Vai ver que não é difícil. Só requer disciplina e resiliência. São nove coisas de que precisa para ficar calma e encarar o dia com alegria, sem pensar demasiado no que a espera.

  1. Levantar da cama assim que acorda.

Quando acordar, levante-se. Desligar continuamente o despertador que vai tocando só a atrasa e faz com que se sinta ainda mais sonolenta. Mais alguns minutos na cama não nos ajudam a sentir mais despertos. O que realmente acontece é que tem o efeito oposto.

  1. Hidrate-se cedo e frequentemente.

Quando dormimos, passamos sete a nove horas sem beber água. Assim que acorda, o seu corpo precisa de se refrescar e, por isso, beba um copo de água com limão o que a revitaliza e impulsiona.

  1. Fale positivamente.

Pense e diga para si mesma algo que a faça feliz. Começar o dia com uma declaração destas inflama a sua alegria. Pode ser uma afirmação, uma meditação, uma devoção – qualquer coisa que conecte a sua mente ao seu propósito, paixão e presença. Este é o seu modo de dar permissão ao corpo para entrar em ação.

  1. Mexa-se com intenção.

Exercitar-se é o melhor modo para se preparar para o dia que começa. Quando estiver com pressa, reserve alguns minutos para movimentos simples como abdominais, pranchas, agachamentos, lunges ou flexões e que pode fazer em casa. Concentre toda a sua energia, fazendo um exercício inteiro por minuto. E já está!

  1. Coma comida verdadeira.

O nosso corpo está em jejum a noite toda, e fica com sede. A fim de obter excelentes resultados durante todo o dia, deve nutrir o seu corpo com alimentos saudáveis. Por isso comece o dia com frutas frescas, ovos e um pouco de abacate. Um pequeno-almoço equilibrado reabastece o nosso corpo.

  1. Comece com uma gratidão silenciosa.

Canalize os seus pensamentos num diário onde escreve tudo aquilo pelo que está grata, todos os dias. Começar o dia com uma prática de gratidão ilumina cada momento. A gratidão ajuda-nos a ignorar o barulho do mundo e encoraja-nos a criar o dia nos nossos próprios termos.

  1. Planeie com antecedência.

Planear e preparar tudo o que quer realizar num dia é uma estratégia de sucesso. Não há grandes dúvidas. Aproveite e nessa lista inclua algo daquelas coisas que tem vindo a adiar. Verá que sentir-se-á realizada por estar a fazer aquilo que é importante mas que vai adiando ou deixando para segundo plano.

  1. Procure a sabedoria.

Alimentar a mente é tão vital quanto nutrir o corpo. Enquanto se prepara de manhã, ou vai nos transportes, ouça um podcast, leia um livro. Abrir horizontes, perceber as dificuldades e realidades dos outros ajudam-nos a relativizar os obstáculos que encontramos, a encontrar soluções ou a ter ideias criativas.As nossas mentes estão menos desordenadas pela manhã, então uso esse tempo para absorver todas as possibilidades que consigo.

  1. Sorria.

Uma boa manhã não está completa sem um sorriso. Sim, um sorriso deixa o otimismo brilhar.

 

Desde que incorporo estas nove coisas na minha rotina matinal, os meus dias têm mais força e energia. Por que não começa também o dia nos seus próprios termos?

 

 

Fonte: https://www.mindbodygreen.com

Publicado em

Uma experiência ayurvédica

No início deste ano, servi de cobaia. Calma, não andei a experimentar drogas estranhas nem curas milagrosas. Fui cobaia de uma aluna finalista do curso de Ayurveda. Tudo começou com um teste de diagnóstico, com cerca de 50 perguntas, que vão desde os nossos hábitos de sono e características físicas, até à nossa cor preferida. É um método de diagnóstico totalmente diferente daquilo a que estamos habituados na medicina ocidental. Confesso que inicialmente estava cética, sem perceber muito bem o que é que o formato do meu nariz ou o tamanho das minhas sobrancelhas pode dizer acerca da minha saúde. Na realidade, não é tão simples como isso. Mas vamos por partes: afinal, o que é o Ayurveda?

O Ayurveda, também conhecido como a Ciência da Vida, é o sistema ancestral de medicina indiana. Segundo este sistema, todos temos uma natureza ou constituição básica, chamada prakruti, que determina uma série de fatores: desde o nosso tipo de corpo, à cor de cabelo, aos nossos hábitos, problemas de saúde, preferências pessoais, etc.

Este prakruti divide-se em três tipos de energia, ou doshas. São eles Vata, Kapha e Pitta. Ora, uma pessoa que tenha características maioritariamente Kapha terá não só um tipo diferente de constituição de uma pessoa Vata ou Pitta, como terá até passatempos diferentes, pois terá tendência para se sentir atraída por atividades diferentes, visto não ser tão enérgica como as outras duas.

Além disso, pode haver ainda desequilíbrios nos doshas, o que significa que uma pessoa Pitta pode estar em determinado momento com um elevado nível de energia Kapha e, como tal, sentir-se mais letárgica (ou uma pessoa Kapha estar com um excesso de energia Vata e, por causa disso, não conseguir dormir). Segundo o Ayurveda, são estes desequilíbrios que levam às doenças e a problemas de saúde.

A função do Ayurveda consiste então em elaborar um diagnóstico altamente personalizado para cada pessoa, através da observação do paciente e de um questionário detalhado, com perguntas bastante pessoais e minuciosas. Depois é determinado um ou vários tratamentos adequados, que vão desde massagens a mudanças na alimentação, alterações de hábitos, aromoterapia, entre outros.

No meu caso, sendo que estava apenas a ajudar uma aluna a terminar o curso (e a saciar a minha própria curiosidade), fiz apenas um tratamento de uma semana, com algumas recomendações para mais tarde continuar em casa. Tive a sorte de o meu tratamento consistir de três massagens com óleos: duas à cabeça e uma de corpo inteiro.

A massagem indiana à cabeça, ou Shiro Abhyanga, foi provavelmente uma das experiências mais relaxantes que alguma vez tive. Entrei, com algum receio, para uma sala com luz suave, uma cadeira e mantas. Ao lado, uma vela mantinha o óleo quente, e uma flor de lótus compunha o cenário. Sentei-me na cadeira, tapei-me com a manta e, pouco depois, a terapeuta começou a massajar-me e humedecer-me a cabeça com pedacinhos de algodão embebidos em lavanda e óleo de sésamo quente. Depois de o couro cabeludo estar bem humedecido, o resto da massagem foi feito com as duas mãos em simultâneo, abrangendo cabeça, rosto, pescoço e ombros, durante quase uma hora. O aroma do óleo era inebriante e, a dada altura, devo ter adormecido ou sonhado acordada, pois fechei os olhos e cheguei a esquecer-me de onde estava.

Na massagem de corpo inteiro, ou Massagem Ayurvédica Completa (Abhyanga), foram usados outros óleos, e os movimentos foram rápidos e vigorosos. Esta durou mais de uma hora e, no fim, sentia-me tão revitalizada que o meu corpo parecia não ter peso.

O que retirei desta experiência? Acima de tudo, uma aprendizagem e um alargar de horizontes. Não digo que vá recorrer sempre a este sistema ou alterar totalmente os meus hábitos, pois as minhas origens estão bem enraizadas e confio bastante na ciência e medicina ocidentais, mas acima de tudo aprendi que estas não são as únicas formas de tratamento e diagnóstico que funcionam, que há alternativas por aí que vale a pena explorar, sempre com bom senso.

Já agora, a minha principal queixa era o sono agitado e, verdade seja dita, durante toda aquela semana, esta cobaia dormiu como um anjo!

Publicado em

O resgate

resgatar

«Na verdade, a velocidade com que vivemos impede-nos de viver. Uma alternativa será resgatar a nossa relação com o tempo.» – José Tolentino Mendonça

Acho que sofro do Síndrome de Estocolmo. Sabem o que é? É o estado psicológico de um indivíduo que, submetido a um período prolongado de intimidação, passa a ter simpatia, amizade ou até sentir amor pelo seu agressor. Sim, acho que é isto… Apesar do afastamento que eu quis com todas as minhas forças e das mudanças que tenho vindo a implementar há mais de um ano, devo admitir que ainda sinto alguma simpatia pelos meus agressores: o tempo e o stress. O tempo tal como o senti, o vivi e o geri nos últimos vinte anos. O stress, que de forma pérfida se me meteu debaixo da pele e se instalou com o epíteto de “o normal”.

Já aqui vos contei que me despedi da empresa onde trabalhei quinze anos. Depois fui despedida do trabalho que aceitei em Cabo Verde. E após essa experiência caricata, mas muitíssimo libertadora, parei para pensar no que andava a fazer e decidi, de uma vez por todas, encarar uma enorme evidência: estava cansada de trabalhar para os outros. Ao fim de duas décadas nesse registo, era chegada a hora de pegar nas minhas poupanças e arriscar investir no meu sonho de autonomia, trabalhando para mim no que me apaixona. Até aqui tudo bem.

O que eu não sabia é que vinte anos de intimidação, isto é, vinte anos a viver, a sentir e a gerir o tempo e o stress observando as regras seguidas pela maioria, me levariam a experienciar volta e meia, após o meu acto de rebelião, sentimentos de culpa e até de traição para com os meus sequestradores. Ridículo, eu sei.

Não me interpretem mal. Não há aqui qualquer arrependimento ou desilusão. Antes pelo contrário. Sei que este é o caminho e que tenho direito a tentar viver de forma diferente. Ando bem, feliz, em paz, a desmultiplicar-me em projectos, actividades, contactos, conhecimentos e aprendizagens apaixonantes (quem diria que o tempo dava para tanta coisa boa ao mesmo tempo!), mas ainda a adaptar-me à falta de correntes. Os meus agressores inculcaram-me ritmos, hábitos dos quais não é assim tão fácil libertar-me.

Só isso explica que continue a fazer as limpezas da casa aos fins de semana, por exemplo, quando hoje em dia posso fazê-las quando me der na veneta, seja quarta ou sexta-feira. E explica também porque insisto em ir ao supermercado ao fim do dia, que é quando lá param todos os que têm de cumprir um horário entre as 9h e as 18h.

Só a memória das grilhetas explicam que me sinta vagamente culpada quando a meio da tarde de uma terça largo o computador e vou caminhar junto ao mar para relaxar, porque a crónica que tenho de entregar está difícil de escrever. Só isso explica aquele mal-estar que dura uma fracção de segundos quando me estendo ao sol num areal em dia de expediente. Só isso explica que ainda me espante com a ousadia que é marcar uma reunião de trabalho numa esplanada ou num café. Só isso justifica a vaga sensação de que estou errada quando tiro quatro dias para descansar na companhia dos meus pais, mesmo sabendo que tenho mil coisas para fazer. Antes marcava as férias para todo o ano em Janeiro, por ordem de uma direcção de recursos humanos. Ironicamente, agora a minha dificuldade é parar sem me sentir mal com isso.

Há dias dei-me conta que não me aborreço por causa de trabalho vai para doze meses, que não chego a casa esgotada e com vontade de chorar, que não me apetece ficar na cama quando o despertador toca entre as 7h e as 8h. Ao aperceber-me disto, a minha primeira reacção foi pensar que devo estar a fazer algo mal. Como posso eu não estar stressada se ainda mal ganho dinheiro e delapido o meu pé de meia todos os meses?! Entrei em parafuso. Achei-me irresponsável, imatura, leviana. O coração disparou e amparei com as mãos suadas a cabeça acometida de uma tontura. Afinal quem sou eu para querer fazer de outra maneira, querer viver diferente? Não será isso arrogância, vaidade? Terei eu capacidade para seguir em frente? Não serei uma fraude?

Mas foi apenas um fogacho, um pensamento perverso que veio e se esfumou num ápice, uma ideia insidiosa que não encontra mais espaço na minha alma nem na minha cabeça para me massacrar, um sintoma ligeiro da Síndrome de Estocolmo que um dia, eu sei, desaparecerá de vez. Aqui, sentada à mesa da sala onde agora desenvolvo parte do meu trabalho, tudo faz sentido. Ao fechar os olhos para ver dentro de mim, tudo faz sentido. Quando vejo o meu rosto e o meu corpo reflectidos num espelho tudo faz sentido. Tudo bate certo. Tudo está em harmonia. Já não há dissonâncias, conflictos internos, medos e inseguranças injustificadas. E à noite, ao deitar-me, passo no teste derradeiro: adormeço de consciência tranquila e durmo profundamente.

Preciso apenas de resgatar a minha relação com o tempo, que há de ser a relação que eu quero, que eu hei de poder negociar e não a que os outros me impõem. Quanto ao stress, aceitá-lo-ei nas doses consideradas saudáveis, como um remédio homeopático, para me manter alerta e focada. E assim, lutarei por cumprir os meus sonhos. E isso, julgo, não é arrogância ou vaidade. É antes equanimidade.