Publicado em

O que o faz feliz?

feliz

Ser feliz. Desde há gerações que os indivíduos procuram entender o sentido da vida e fazem tudo e mais alguma coisa para tentarem entender de que trata e porque nos encontramos aqui. Alguns viajam em busca de novas experiências e de expansão mental, e outros almejam isolamento na esperança de que a introspeção os conduza às respostas que procuram.

Seja como for que escolha explorar a sua existência, o mais importante é que escolha explorá‐la de todo.

A curiosidade é uma das características permanentes e certas de um vigoroso intelecto.

Samuel Johnson, The Rambler

A vida é curta e o mundo continua sem si quando daqui se for. Com irá agir para fazer a diferença enquanto aqui está? Com o que pode contribuir? Qual é a sua missão na vida? Há uma infinidade de razões para as pessoas fazerem o que fazem. Exemplos de motivações individuais incluem criar segurança pessoal, cuidar de uma família, ser o melhor num dado campo, ajudar os outros, criar um legado que lhe sobreviva e até simplesmente divertir‐se.

Ao prestar uma visão geral a todas as ideias que as pessoas percecionam como cruciais à sua existência, o denominador comum é que toda a gente quer viver com a maior felicidade possível.

Alguns inquéritos contemporâneos sugerem que as pessoas que vivem no mundo desenvolvido estão presentemente no pico da infelicidade e que a população em geral era mais feliz na década de 1950, quando, supostamente, a vida era mais simples. Se isto é verdade, as razões aventadas para o porquê de as pessoas se sentirem mais infelizes do que nunca é o terem mais liberdade e mais opções que nunca, e que a pressão para maximizar essas oportunidades pode levar os indivíduos a debater‐se com o que fazem e o que pensam que deveriam estar a fazer.

Talvez tenham demasiadas opções?

A verdade é que hoje estamos mais equipados que nunca para fazer mudanças na nossa vida. A população está em geral em melhor situação financeira e é mais instruída do que as anteriores gerações, e tem acesso a muito mais recursos e informação que ajudem a influenciar o seu desenvolvimento. O mundo move‐se a passo rápido e isso pode acarretar as suas próprias pressões. O tempo é precioso, de modo que tomar decisões eficaz e rapidamente é crucial. Para se ajudar a tomar decisões mais rápidas, e a tomar as decisões corretas ao longo da vida, há que primeiro ser claro quanto ao que o faz feliz.

A felicidade é por demais intangível, mas você sabe quando se sente feliz e sabe quando não está feliz. A investigação e a experiência mostram que as pessoas colocam mais na vida, e obtêm mais dela, quando podem fazer coisas que lhes dão prazer e que as fazem felizes. Então, se conseguir estabelecer as coisas que realmente o fazem feliz e mais vezes as fizer, obterá instantaneamente mais de cada dia da sua vida.

Introspeção

Ao considerar o que o faz feliz, foque-se não só em gratificação instantânea e no que o faz feliz hoje mas considere igualmente comportamentos que tenham um impacto mais duradouro e experiências recorrentes no tempo que o façam feliz numa base regular.

Tome um momento agora para pensar no que o faz feliz colocando-se as seguintes questões. Tome nota das suas respostas.

▶ Quando foi que me senti verdadeiramente feliz pela última vez?

▶ Onde estava eu?

▶ O que fazia eu?

▶ Com quem estava eu?

▶ O que me faz feliz numa base regular?

▶ Que atividades fazem o tempo voar para mim?

Pense em tantas vezes que se tenha sentido feliz quanto possível. Agora destaque as cinco principais coisas da sua vida que garantidamente o fazem feliz:

1 ……………………………………………………………………………………………………………………..

2 ……………………………………………………………………………………………………………………..

3 ……………………………………………………………………………………………………………………..

4 ……………………………………………………………………………………………………………………..

Agora que sabe o que o faz feliz, tem de se assegurar que faz mais destas coisas regularmente. Para cada uma das principais cinco coisas que o fazem feliz, tome nota da próxima vez que fará cada uma delas. Use o seu diário ou agenda para o ajudar a planear com precisão e para se certificar de que se compromete com cada uma das cinco coisas dentro dos próximos 14 dias. Planeie uma altura específica para cada compromisso.

Agora seja o mais específico possível quanto aos detalhes da próxima ocorrência das cinco coisas que o fazem feliz. Para cada uma das atividades que lhe trazem felicidade, ponha por escrito os detalhes em torno de quando terá ela de novo lugar. Onde estará você, o que estará a fazer e, isto é crucial, do que precisa de tratar agora mesmo para se assegurar de que cada acontecimento tenha lugar? O que pode fazer hoje para garantir que será capaz de fazer as coisas que lhe dão prazer?

_____________________________________

Assumir o controlo — tudo se resume ao planeamento

Este pode parecer um plano forçado e algo condicionado só para fazer umas quantas coisas que gosta, mas quando começar, perceberá como esta abordagem resulta. Em geral, a razão de as pessoas não fazerem bastante do que gostam é o facto de não planearem adequadamente essas atividades. Têm a sua rotina diária mas essas rotinas frequentemente não contêm suficientes coisas que lhes deem prazer. O problema é que essas rotinas se podem tornar profundamente incutidas e, em muitos casos, perpetuarem‑se inconscientemente se as pessoas fizerem muito do que as faz infelizes sem se empenharem devidamente no que fazem ou descobrirem como melhorar as coisas. Seguem simplesmente a rotina familiar e esperam ter tempo para algo aprazível ao longo do caminho.

Por vezes, as pessoas sentem que não podem fazer mais do que lhes dá prazer devido às pressões da vida quotidiana e de as circunstâncias estarem além do seu controlo. Podem sentir-se insatisfeitas, mas não despendem o tempo e esforço necessários a focar-se no que poderia ser diferente.

Tendem a seguir padrões de comportamento inconscientes pois estes padrões não requerem que se pense grandemente. Os problemas surgem quando estes padrões familiares podem eventualmente deixar as pessoas frustradas e infelizes.

Para mudar a situação, precisa de trazer os seus padrões de comportamento ao pensamento consciente. Precisa de examinar e analisar o que faz, o que não está a resultar para si, e questionar que padrões de comportamento poderiam ser mais benéficos. O processo acima pode fazer exatamente isso. Torna conscientes novas estratégias, de modo que saiba precisamente o que terá de fazer a fim de tornar a vida diferente e mais enriquecedora. A vantagem mais entusiasmante deste processo é que, ao examinar o que não resulta, fazer um esforço consciente para estabelecer novas abordagens e padrões de comportamento e depois pô-los em ação, você pratica o que resulta até que se torne o seu comportamento inconsciente. Poderá retornar a não ter de pensar tão a fundo em tudo o que faz pois estará então a seguir novos e positivos padrões de comportamento inconscientes que lhe dão o que quer.

Jeff Archer

Em Seja o Seu Próprio LifeCoach

Publicado em

Terapia de Grupo

terapia

O que é a Terapia de Grupo?

A terapia de grupo respeita o mesmo método e objetivos da psicoterapia individual, mas organiza-se através de um contexto em grupo onde aumentam as oportunidades de a pessoa se conhecer mediante a relação com os outros. O contexto emotivo-afetivo pautado pela confiança e pelo respeito mútuo facilita a consolidação de um sentimento de segurança e de pertença, diminui a resistência à mudança e expande a capacidade de aprofundar as relações interpessoais.
A experiência de grupo pode reforçar o espírito social e relacional, promover o processo de comunicação e reduzir as tensões. Mas o resultado mais notável reside porventura na mudança que introduz ao nível do comportamento da pessoa fora do grupo, na medida em que a ajuda a conhecer, expressar e expandir a sua verdadeira natureza.

Horário

Terças-feiras das 19.30 às 21.30
Início: 5 de setembro

Valor: 60 € mensais

Para participar é necessária uma entrevista prévia com a terapeuta Rossana Appolloni (marcações por email rossana.appolloni@gmail.com)

Testemunhos

“Embarcar nesta experiência foi o melhor investimento que alguma vez fiz em mim mesma! Com muito medo e insegurança apostei em desafiar-me e sair da zona de conforto. Através da partilha em grupo e do grupo encontrei espaço para sentir e através dos vários sentires, encontrei respeito, conforto, acolhimento, compaixão, ternura e sobretudo ACEITAÇÃO. Neste grupo, onde me sinto parte integrante, encontrei espaço para ser EU mesma, sem condicionalismos ou reservas! Eternamente GRATA!”
R.F.

“Tem sido um percurso de auto conhecimento muito enriquecedor, onde me fui desafiando a olhar para mim com verdade, onde se torna inevitável distinguir o que é meu do que não é (na esfera do sentir e do pensar) e onde vou aprendendo a respeitar e honrar o que não queria ver, o que não queria aceitar em mim. Sempre com amparo, acolhimento e ternura de todo o grupo, sobretudo nas alturas de maior desconforto. É sentir aconchego na dor e alegria na conquista.”
V.C.

“Num momento da minha vida que precisava de parar, criar tempos para mim e olhar para dentro para me redescobrir; iniciei um percurso terapêutico individual. Com paciência, sensibilidade e muito carinho foi-me lançado o desafio de fazer esse percurso em grupo. Foi um grande desafio, mas encontrei neste grupo uma confiança, apoio e aceitação que me têm ajudado, tornando o percurso menos só, e enriquecido, tornando esta experiência mais sentida e vivida. Não só por ter espaço e tempo para partilhar de mim, mas também por ao sentir as outras partilhas, acabar por entrar em contacto com outras partes de mim – o que a sós não seria possível. Ao descobrir o Outro, tenho-me descoberto muito, tendo no grupo um espaço sereno onde a autenticidade pode fluir naturalmente. Obrigada por partilharem comigo este percurso.”
S.L.

Sobre a Rossana Appoloni
Após uma primeira formação académica em Cinema na ESTC de Lisboa, Rossana Appolloni foi para Itália, onde conheceu a Psicossíntese, um modelo psicoterapêutico de natureza humanista-existencialista. É licenciada em Linguística e mestre em Psicolinguística pela Faculdade de Letras e Filosofia da Universidade de Perúgia (Itália) e diplomada em Counselling pela Società Italiana di Psicosintesi Terapeutica de Florença, da qual é membro. É ainda mestre em Psicologia Clínica pela Universidade Lusófona de Lisboa e, além de dar formação, dedica-se à prática do counselling individual e de dinâmicas de grupo.

É autora dos livros “Ousar Ser feliz – Dá trabalho mas compensa!” e “Do Sofrimento à Felicidade“, publicados pela Self.
Publicado em

A terceira pausa

pausa

​​​​​​​​​​“Há ciclos de sucesso, quando as coisas vêm até si e prosperam, e ciclos de insucesso, quando elas desaparecem ou se desintegram e você tem de se libertar delas para criar espaço para que surjam coisas novas ou para que a transformação aconteça (…) Não é verdade que o ciclo ascendente seja bom e o descendente seja mau (…) O desaparecimento é necessário para que apareça um novo crescimento. Não pode existir um sem o outro.” – Eckhart Tolle em O Poder do Agora

A primeira pausa aconteceu há quase doze anos. Era a pausa que a minha alma sonhadora pedia há algum tempo, mas que a minha cabeça realista teimava em dizer ser impossível. Acabou por ser o meu corpo sábio a impô-la na forma de um cancro. Foi assim que me vi obrigada a parar dez meses. E que frutos colhi eu dessa experiência?

Aprendizagens para a vida que me servem ainda hoje de farol: o meu corpo é uma máquina maravilhosa e perfeita; adoeço porque, em parte, o permito; embora ache que não, terei sempre força para ultrapassar os piores momentos; o optimismo (ou a fé) é fundamental para superar obstáculos; acreditar que sou capaz de vencer é meio caminho andado para o sucesso; ser paciente é fundamental; por vezes é preciso baixar a guarda e entregarmo-nos aos outros sem reservas, sobretudo aos que nos querem bem e sabem cuidar de nós; devo tirar o melhor partido da situação em que me encontro; não devo dar por adquirido o dia de amanhã; ter sonhos e projectos prolonga a vida; quem tem mãe, tem pai e tem irmão tem tudo.

A primeira pausa foi, portanto, um ciclo descendente apenas na sua aparência. Na verdade, correspondeu a um dos períodos em que mais amadureci. Tornei-me melhor pessoa.

A segunda pausa aconteceu há um ano e meio. Foi a pausa tantos anos sonhada e que persegui com determinação, método e entusiasmo. Foi o maior dos presentes de aniversário. Foi uma volta ao mundo. E o que confirmei eu dessa vez? Que os sonhos mais loucos podem tornar-se realidade se eu for persistente, focada e organizada; que sou capaz de gerir com eficácia um orçamento avultado, sem derrapagens; que posso e sei viver com pouco; que o nosso planeta é deslumbrante; que o mundo não é o que vejo no noticiário das 20h; que é mais aquilo que une os seres humanos do que aquilo que os separa; que há entre nós mais generosidade e compaixão do que egoísmo e ódio; que um sorriso genuíno, um coração sem preconceitos, o respeito pelo outro e uma escuta atenta do que ele tem para nos contar desbravam caminhos em qualquer continente; que preciso dar ouvidos à minha intuição e manter-me atenta aos sinais; que ter medo é bom; que a adrenalina do novo e do desconhecido me faz sentir viva; que parte de mim é nómada e precisa, volta e meia, de pegar na mochila e partir; que há vários pontos do globo onde poderia viver e ser feliz; que a liberdade é mesmo um dos meus valores fundamentais.

A segunda pausa foi, assim, um ciclo claramente ascendente. Um ciclo de sucesso durante o qual muito enriqueci. Tornei-me melhor pessoa.

A terceira pausa aconteceu este ano, entre o início de agosto e meados de outubro. A recente aposta numa aventura profissional em Cabo Verde revelou-se péssima. Foi a pior experiência de trabalho em quase vinte anos de vida no activo. Tudo o resto foi extraordinário, com principal destaque para os conhecimentos e as amizades que fiz entre cabo-verdianos (onde incluo aqueles com quem trabalhei) e expatriados de várias nacionalidades. As pessoas, claro, são sempre o melhor destas experiências e nesse aspecto sou muito abençoada. Mas nesta novela luso-crioula, algumas pessoas foram também o pior.

E o que aprendi eu? Que viver e agir de acordo com os meus valores e preferir deitar-me de consciência tranquila pode acarretar uma pesada factura; que, tal como com as pessoas, se identifico numa instituição valores desalinhados dos meus, devo afastar-me em vez de tentar mudar as coisas sozinha; que desistir, em certas ocasiões, não é um sinal de fraqueza, mas sim de sageza; que devo, de uma vez por todas, dar mais crédito às minhas primeiras impressões, sobretudo quando são más; que preciso ser mais perspicaz na identificação da perversidade e da manipulação para não cair nos seus vórtices aniquiladores; que ser despedida pode provocar uma enorme vontade de rir e não é, de todo, o fim do mundo.

No meu caso, foi um pretexto para parar, recuar, olhar para as minhas circunstâncias de forma abrangente, ponderar hipóteses para o futuro próximo, traçar cenários, tomar decisões, respirar fundo, erguer-me e agir.

A terceira pausa foi, portanto, um bom ciclo descendente. Acredito que me tornei melhor pessoa. E esse caminho está longe de ter chegado ao fim. Cá estarei para continuar a progredir ao ritmo das próximas vitórias e derrotas.
Publicado em

Conflito de gerações

ansião

«Porra, isto não pode continuar. Gritou o ancião a fulminar o resto da família ao mesmo tempo que  esbracejava e colérico se levantava do cadeirão frente à TV. Estava pior que uma barata. Resvalava até para a má educação, coisa que jamais permitira a ninguém muito menos a si próprio.

Então o meu neto anda de calças a caírem pelas pernas a baixo, a verem-se-lhe as cuecas, de barba crescida e de boné ao lado, como um marginal, um delinquente? Mas o que é isto? Ao que chegamos?

Olhavam-no com a dose de respeito que o chefe da família merece e ao mesmo tempo com um silencio que manifestava inteiro acordo. É uma ver-go-nha – e todos fizeram sim com a cabeça. A verdade é que ninguém aprovava a caricatura que o rapaz transportava consigo, para onde quer que fosse; para a escola, para a praia ou até num passeio de família. Amanhã vou mete-lo na ordem. Haja disciplina e respeito…

O rapaz passaria lá por casa para levar uns acessórios acústicos que o avô lhe dispensara. O patriarca esperava-o com uma crescente irritação, como se esperasse uma reunião com um credor desonesto ou um herege provocador, a merecer vergastadas ou mesmo fuzilamento.  Aqui  franziu a testa e reconheceu que não chegaria a esse ponto mas, sim, que a lição ficaria na memória do atrevido adolescente. O encontro teria que merecer toda a respeitabilidade inerente ao diálogo entre o mais velho e o mais novo de uma família que se preza, que, por tradição e cultura, preserva a hierarquia e o saber possível. Para tanto proibiu a presença de mais alguém no espaço reservado ao duelo.

Ei-lo que chega; como sempre, desengonçado num disfarce inqualificável, chancela de mau gosto, de desmazelo, de desafio aos mais velhos, à educação implantada e até (perdoem-me) até à civilização ocidental. Assim pensava enquanto com poucas palavras fê-lo sentar-se à sua frente, não num sofá, mas numa cadeira de madeira a uma mesa preta de jogo quadrada que nada tinha no tampo de napa castanha. Guardou um silêncio com toda a certeza de despertar uma reflexão que seria ao mesmo tempo uma forma de estabilização emocional para ambos. Olharam-se nos olhos fixamente, ao mesmo nível, numa expressão fria e desafiadora como dois lutadores de luta livre a centímetros antes do início da peleja. O avô quebrou o silêncio na sua voz grave e solene:

Aqui estamos frente a frente. – Respirou fundo a sublinhar a expectativa – De homem para homem, quero dizer-te que não gosto da maneira como te vestes. Parou para que o eco entrasse na alma do antagonista. Media as palavras antes de o torcer como a mulher a dias torce o esfregão da limpeza. Ia continuar. O jovem, numa expressão angelical, sem revelar temor, preocupação ou aborrecimento levantou delicadamente um dedo. Fala – autorizou o avô.

Pergunto-lhe só de homem para homem… – fez uma pausa abrindo ligeiramente os olhos escuros, perspicazes e inteligentes – … e o avô já me perguntou se gosto da sua maneira de vestir?

O pobre homem esperava tudo menos aquela resposta seca, como soco sem defesa nos queixos do adversário que rodearia sobre os calcanhares e tombaria no solo se aqui não se tratasse apenas de um diálogo. Titubeou ainda quase K.O. – Tens razão pá. E mais não disse. Não tinha para dizer.

Levantou-se com solenidade. O rapaz fez o mesmo. Ambos respiravam fundo. Sorriram ambos e num gesto jovem o velho levantou o braço com a mão aberta que embateu na que o rapaz com o mesmo jeito lhe oferecia.»

Luís Pereira de Sousa