Publicado em

O que o Ioga nos ensina: o controlo (ou a falta dele)

controlo

09Costuma dizer-se que não podemos controlar as coisas que nos acontecem; apenas o modo como lhes reagimos. É verdade, mas também podemos controlar o modo como agimos antes de elas acontecerem. Podemos poupar para estar preparados para uma emergência financeira; podemos cuidar da nossa saúde para evitar doenças; podemos ter um plano geral delineado para a nossa vida. Será que tudo isso evita que passemos pela adversidade? Claro que não.

Uma pessoa poupada pode de repente contrair uma dívida gigantesca, uma pessoa saudável pode sofrer de uma doença grave, e os planos… valem o que valem. Mas e se essas pessoas não estivessem preparadas para o infortúnio, sequer? Se eu nunca tivesse poupado, como iria começar a pagar a dívida? Se me aparecesse um cancro e eu já fosse uma pessoa com a saúde debilitada, como iria combatê-lo? Se eu não tentasse sequer planear a minha vida, como conseguiria ter um rumo?

O ioga diz-nos que é o nosso ego quem nos dá a ilusão de controlo sobre o mundo exterior; que na realidade, esse controlo nunca existiu.

Mas também nos incentiva a dar o nosso melhor e a responsabilizarmo-nos pelas nossas atitudes, a criar objetivos e trabalhar para os conseguir. Aquilo que fazemos nas aulas, nomeadamente as posturas, é algo que nos ensina muito mais do que uma forma de alongar ou torcer o corpo. Quem já praticou asanas, sabe que é preciso passar por uma fase de preparação, ou aquecimento, em que vamos dialogando com o corpo e relaxando-o para que ele esteja preparado quando chegar a altura de fazer algo mais complexo.

Depois, quando estamos na postura propriamente dita, fora da nossa zona de conforto, muitas vezes até com dores e a pensar que não temos força para aguentar nem mais um segundo naquela posição tão estranha, o nosso corpo agradece-nos por nos termos preparado antes. E nós descobrimos que se conversarmos com ele mais um pouco, até conseguimos aguentar mais um bocadinho. E mais um bocadinho. E mais um bocadinho. E descobrimos uma força que nem sabíamos que tínhamos. Ou não, talvez naquele dia não conseguíssemos fazer aquela postura, de todo, e tivéssemos de parar. E também não haveria problema. No entanto, o que aconteceria se não nos tivéssemos preparado, sequer? Muito provavelmente, lesionávamo-nos. Independentemente do resultado final, o importante é que não nos magoamos e aprendemos algo novo sobre o nosso corpo, porque nos preparamos. Está a ver onde quero chegar?

Numa aula de ioga, descobrimos muitas vezes que não somos tão fracos como pensamos; que a nossa resistência à dor é muito maior do que esperávamos e, idealmente, trazemos isso para o resto da nossa vida e usamos essa preparação e resistência para lidar melhor com as adversidades.

Não podemos viver com medo, mas também não podemos nem devemos viver com desleixo. Cruzar os braços e lamentarmo-nos de que nada nos corre bem ou que nunca conseguimos o que queremos porque temos azar ou porque o mundo está contra nós é apenas uma forma de fugirmos à nossa própria responsabilidade. Devemos a nós próprios esforçar-nos, lutar e preparar-nos… para o que der e vier.

Publicado em

Descomplicar as mudanças

mudançasMudanças são inevitáveis! Grandes ou pequenas. Às vezes queremos que as coisas mudem na nossa vida, mas o medo atrapalha. Daí à resistência à mudança é um passo e daqui ao conflito interno é um outro passo, segue-se o bloqueio e a insatisfação. Temos muitos sonhos, desejos, ambições e aspirações mas tudo isso implica algum risco. Queremos a mudança sem mexer muito com a nossa segurança. Queremos a mudança mas com garantia, mas a Vida não tem Seguro. Adoro uma frase de Helen Keller: “A Vida é uma aventura audaciosa, ou não é nada. A segurança é geralmente uma superstição, ela não existe na Natureza.”

Às vezes queremos as coisas fáceis, fáceis, sem termos que nos implicar, evitando participar activamente no processo de mudança. Queremos uma vida melhor ou uma outra vida, com mais sentido, mais sumarenta, seja viver um outro amor, novas amizades, um novo trabalho, uma outra casa, uma outra cidade ou até um outro país e por aí vai. A dificuldade em abraçar a mudança começa em nós, na nossa percepção negativa ou pessimista. Espera-se o pior, enrolados numa espiral descendente, a nossa imaginação transporta-nos para os cenários mais fantasmagóricos, frequentemente pouco prováveis e assim, e medo agiganta-se, gera ansiedade, paralisa, e o mais grave, tira-nos a clareza mental para as soluções e encontrar o melhor curso de acção. Sim, devemos ser cuidadosos e prudentes, observar e analisar as possibilidades, mas não obstinadamente cautelosos.

mudançasA atitude face à mudança revela, proporcionalmente, a nossa própria facilidade/dificuldade em mudarmos aspectos de nós mesmos, desenvolvermos novas atitudes. Outro grande obstáculo à mudança baseado na insegurança é o excesso de controlo. Fechados na nossa mente, num rodopio mental, revisamos e analisamos os mínimos detalhes numa pré-ocupação e perfeccionismo desconcertante e desgastante levando, por vezes, a uma perda de energia vital.

Porque mudar é preciso? Porque é a essência da Natureza e da vida humana. Somos naturalmente equipados para a mudança mas nós atrapalhamos um mecanismo que é inato. Mudar, mais do que um desejo é uma necessidade. Atingir novas realizações, vivenciar outras experiências dão-nos um sentido de propósito, de vitalidade.

O sentimento de auto-realização, contentamento e bem-estar pessoal, objectivos da alma humana, só possíveis de atingir quando estamos dispostos a explorar todas as possibilidades desta grande aventura que é a vida.

Shivai